VBCOAP 155 SR – ATMOS, o novo “Sniper” da Artilharia do Exército

Assim como aconteceu no VBC Cav, o Exército terá a seu dispor um sistema de artilharia considerado o “estado da arte” de sua categoria e, devido ao seu grande alcance e precisão, será o sistema mais moderno do continente.

No dia de hoje, 29 de abril, o Exército Brasileiro (EB), por meio do Comando Logístico/Chefia de Material (CoLog/Ch Mat), anunciou que a o ATMOS, do grupo israelense Elbit Systems,   foi o vencedor da concorrência internacional para o projeto de obtenção de 36 viaturas blindadas de combate obuseiro autopropulsado 155mm sobre rodas (VBCOAP 155mm SR).

O sistema ATMOS, acrônimo para Autonomous Truck MOunted howitzer System, foi apresentado na virada do século 20, como um produto destinado ao mercado de exportação, obtendo grande sucesso comercial. Sua primeiras demonstrações para o EB começaram em 2013 e, desde então, diversas delegações militares estiveram em Israel para conhecer o sistema, que já foi selecionado e exportado para diversos países, entre eles Uganda (6 unidades), Botsuana (5), Zâmbia (6), Tailândia (30) e Filipinas (36), e atualmente estando em produção sua quinta geração, para os exércitos da Colômbia (18) e Dinamarca (19), este ultimo integrante da OTAN.

O primeiro protótipo, chamado de ATMOS 2000, foi apresentado em 2001 (foto: Elbit)

Utilizando um inovador conceito de total modularidade, sendo muito mais do um projeto de uma simples peça de artilharia montado sobre um caminhão, mas um completo sistema multiplataforma e multiarmamento, permitindo uma grande flexibilidade para atender os requisitos operacionais de seus clientes.

A versão proposta para o EB utilizará a plataforma Tatra Force T 815-7, 6X6 (semelhante a utilizada nas viaturas do Sistema ASTROS 2020), com de uma cabine dotada de proteção balística para sua guarnição (composta por seis militares: motorista, comandante e quatro serventes) de estilhaços de Artilharia e projeteis 7,62x51mm FMJ, e com um desenho exclusivo (mas similar ao Atron, a versão proposta para a Romênia), pois terá capacidade para embutir o tubo em seu interior e permitir seu transporte por aeronaves do porte do Embraer KC-390 Millennium.

A primeira demonstração do ATMOS para o EB ocorreu em 2013 (Foto: Elbit)

Seu armamento principal será uma versão do obuseiro o M-71, de 52 calibres, com 18 obuses completos (granadas e cargas) transportados em compartimentos protegidos, além de contar com uma metralhadora para autodefesa e lançadores de granadas fumígenas.

A HISTÓRIA DO VBCOAP 155 SR

A concepção deste programa teve inicio em 2016, dentro do Subprograma Sistema de Artilharia de Campanha (SPrg SAC), do Programa Estratégico do Exército Obtenção da Capacidade Operacional Plena (Prg EE OCOP). Após os estudos iniciais, foi decidido que seriam adquiridas inicialmente 36 viaturas, através de dois contratos (duas para um lote protótipo de avaliação e as 34 após a aceitação pela Força Terrestre), e estas que seriam entregues ao longo de oito anos, para compatibilizar com a disponibilidade de recursos e necessidades operacionais das unidades blindadas, e dotar três grupos de Artilharia divisionária ou brigadas mecanizadas com doze viaturas, compondo três baterias, em cada.

A versão do ATMOS do Exército de Botsuana utiliza o chassi T 815-7, mas com uma cabine completamente diferente da proposta para o EB (Foto: Elbit)

Foram publicadas três versões dos requisitos operacionais (EB20-RO-04.021) e técnicos, logísticos e industriais (EB20-RTLI-04.010), a primeira em outubro de 2018, a segunda em abril de 2022 e a terceira no final do mês passado, poucos dias antes do anúncio do lançamento do RFP/RFT. Essas mudanças apontam a evolução dos requisitos, baseadas na experiência adquirida pelo EB no projeto de aquisição da viatura blindada de combate de Cavalaria (VBC Cav) e também na importância desse sistema de armas no atual conflito entre a Rússia e a Ucrânia.

Em agosto de 2022, com o projeto já transferido para o Prg EE Forças Blindadas, foi lançada a consulta pública (“request for quote” – RFQ) número nº 01/2022, visando sondar o mercado nacional e internacional acerca da capacidade de fornecimento; realizar pesquisa de preços; e coletar informações para o aperfeiçoamento e refinamento da segunda edição dos requisitos aprovados em abril 2022. Vinte empresas entraram em contato com o COLOG/DMat, sendo que 19 se habilitaram a receber a documentação e  oito responderam:

  • BAE Systems Bofors, da Suécia;
  • CSD – Componentes e Sistemas de Defesa, representando a Denel Land Systems, da África do Sul;
  • Elbit Systems, de Israel, e suas subsidiárias brasileiras ARES Aeroespacial e Defesa e AEL Sistemas;
  • Excalibur International, da Rep. Tcheca, representando a Konštrukta Defence, da Eslováquia (que posteriormente anunciou uma parceria com a Avibras);
  • Makina ve Kimya Endüstrisi (MKE), da Turquia;
  • Nexter (atual KNDS France), da França;
  • North Industries Corporation (NORINCO), da China; e
  • Yugoimport SDPR, da Sérvia.

Em 06 de fevereiro, sete empresas apresentaram propostas para oito sistemas distintos, sendo estas:

No dia 23 de fevereiro, foi publicado o resultado da Fase 1A, eliminando os candidatos T5-52 Mk2, Eva (Bia), Yavuz e Nora-B52 M21, sendo anunciados os quatro restantes finalistas do “short list” em 04 de março.  Após isso, iniciaram uma seqüência de reuniões entre o EB e as empresas proponentes, visando à confecção das propostas finais (“Best and Final Offer” – BAFO), que foram entregues entre os dias 15 e 19 de abril.

Os classificados para o “short list” foram o NORINCO SH-15, Excalibur Zuzana 2, KNDS CAESAR e o Elbit ATMOS.

Na classificação final o ATMOS ficou em 1º, o Zuzana 2 em 2º, o CAESAR em 3º e o SH15 em 4º.

A MELHOR PROPOSTA

O ponto forte da proposta da Elbit, além da parte técnica e financeira, está no fato de ser a única das participantes do “short list” a já possuir capacidade fabril atuante no país, com duas empresas e mais de 40 produtos estratégicos de defesa (PED), que geram centenas de empregos diretos, e os diversos acordos de compensação (“offset”), para a transferência de tecnologia (ToT) para diversas outras empresas da Base Industrial de Defesa (BID) nacional, um meio eficaz para reduzir a dependência tecnológica em diversas áreas.

Desde o inicio do projeto, o EB elencou três “offset” prioritários, sendo estes:

  1. Produção de munição de 155mm, padrão e especiais, no Brasil;
  2. Garantia de Suporte logístico a todo o sistema, com garantia de peças, no país; e
  3. Desenvolvimento de um sistema de simulador para treinamento das tripulações com baixo custo.

Partindo dos simuladores, a empresa ARES, localizada na Região Metropolitana do Rio de Janeiro e integrante do Grupo Elbit, é a única empresa da BID com experiência comprovada neste tipo de sistema, já havendo desenvolvido o simulador para seus sistemas de armas remotamente controlados (SARC) REMAX, o STARMAX, e UT30, o UT30SIM, sendo que este último já está em uso pelo EB e foi exportado para Indonésia, além de ter apresentado uma versão para os carros de combate TAM 2CA2 do Exército Argentino, que está sendo modernizado pela Elbit, com participação da ARES.

A versão mais moderna do ATMOS em operação atualmente é o do Exército Filipino, mas este utiliza chassi Rheinmetall (Foto: Elbit)

No caso de suporte logístico no país, a Elbit se beneficia, além da estrutura da ARES, que tem plena capacidade de projetar, integrar, produzir e manter sistemas veiculares complexos, alem de garantir o suporte técnico à plataforma e o sistema de armas, possui a AEL sistemas, outra integrante do Grupo e localizada em Porto Alegre (RS), e que tem grande experiência em sistemas eletrônicos e de comunicação embarcados, garantindo suporte total ao sistema e, principalmente, junto com a empresa RF Com Sistemas, empresa nacional, com sede em São José dos Campos (SP), especializada em integração de sistemas e que também assinou um memorando de intenções, na integração com os rádios RDS-Defesa e Mallet com os Harris RF-7800-VS560, e dos sistemas de gerenciamento e controle de fogo Combat-NG, da Elbit, com o Genesis, da IMBEL.

No que tange à munição, o item mais importante de acordo com o Exército, a Elbit assinou um memorando de entendimento com a Indústria Brasileira de Material Bélico (IMBEL), para investimentos na Fábrica de Juiz de Fora (FJF), com o objetivo de aumentar a capacidade de produção das granadas, cargas e outros componentes da munição de 155mm, e capacidade de produção de modelos mais modernos. Lembrando que hoje a empresa brasileira possui uma capacidade limitada de produção, sendo a granada a de modelo mais básico, a M107 AE (alto explosivo), e sem a certificação da OTAN, o que dificulta muito sua exportação.

Mas a “Cereja do bolo” fica por conta da parceria entre a Elbit Systems e a empresa brasileira CSD – Componentes e Sistemas de Defesa (integrante do Grupo HÜBNER, do Paraná, a mesma que ofertou o T5-52 Mk2 no inicio do processo e que já produz o corpo da granada M107) para o desenvolvimento e produção, em grande escala, de munições de calibre da 155mm especiais (de alcance estendido e guiadas), voltadas para atender as necessidade das Forças Armadas Brasileiras e, principalmente, para o mercado exportação.

A intenção visa transformar a CSD, na principal fornecedora de munição da Elbit e de 155mm para todos os sistemas ATMOS e SOLTAN em operação pelo mundo, gerando recursos e empregos no Brasil e, junto com a IMBEL, garantindo independência industrial e tecnológica neste estratégico setor e colocando o país como um dos principais fornecedores para o mercado internacional, incluindo outros calibres e tipos de munições.

Outras empresas nacionais também participarão deste projeto, porém que fique claro que estes são apenas pré-acordos, e para sua concretização necessitará de um esforço mutuo de todos os envolvidos.

A ultima demonstração do ATMOS para o EB ocorreu em agosto de 2022, no deserto de Negev (Fotos: Elbit)

OS PRÓXIMOS PASSOS

A previsão para a assinatura do contrato para as duas viaturas do lote piloto é no próximo dia 07, e a empresa terá, após a liberação dos recursos financeiros, 12 meses para efetuar a entrega (o que deverá ocorrer no primeiro semestre de 2025) e iniciar os testes iniciais, ainda em território israelense, antes de seu envio ao Brasil, onde realizará os testes finais no Centro de Avaliações do Exército (CAEx).

Após isso, e a aceitação deste novo sistema de armas pela Força terrestre, será assinado o contrato para a aquisição das 34 unidades restantes, porem existem fortes indícios (devido à demanda desses sistemas pela arma de Artilharia) que outros lotes devam ser adquiridos no futuro.

A entrada em operação deste sistema de armas autopropulsado não só irá colocar a Artilharia do EB em um novo patamar, como influenciará em todo o seu futuro, incluindo a autorebocada, que também deverá ser substituída em breve.

O ATMOS será o mais moderno sistema de artilharia do continente, superando em muito os M109A5+BR (Foto: EB)

NOTA DO AUTOR

A revista Tecnologia & Defesa agradece ao Exército Brasileiro e as empresas participantes pela disponibilização de informações que permitiram aos nossos leitores acompanharem todo o processo de forma rápida e confiável, e informamos que continuaremos a divulgar este projeto em sua nova fase.

P.R.B.J.

Artigos Relacionados

Formulação Conceitual dos Meios Blindados do Exército Brasileiro ESTADO-MAIOR DO EXÉRCITO-PORTARIA Nº 162-EME, DE 12 DE JUNHO DE 2019 Documento...

Pela primeira vez no Brasil, foi realizado o reabastecimento em voo (REVO) por helicóptero, foi a chamada Operação MANGA. Na...

Na tarde de sábado, dia 18 de maio, a aeronave KC-390 Millennium FAB 2858 realizou lançamento de donativos e materiais...

O Comando Militar do Nordeste (CMNE), nesta quinta-feira, dia 16 de maio, enviou um Hospital de Campanha (H Cmp) para...

Empresa do Grupo Embraer participa de debate sobre soluções tecnológicas que estão moldando o futuro dos grandes centros urbanos As...

Hoje, dia 16 de maio, às 18:00hs, será lançado o livro “Segurança Escolar – Prevenção multidisciplinar escolar contra-ataques ativos”, de...

Comentários

32 respostas

  1. Bom dia, ótima notícia.
    Paulo está vitória irá impactar na escolha dos novos canhões rebocados de 155mm? Como a Athos da elbit.

  2. o Centauro 2 foi escolhido no VBC Cav , logo em seguida o Atmos foi escolhido no VBCOAP 155 SR, fica a pergunta, qual será o próximo projeto que o EB irá iniciar?

      1. Creio que sim, mesmo com os requisitos divulgados pelo EB eles estão querendo produtos que facilitem a logística através de produção local na prática isso favorece bastante a KMW já que a mesma tem instalações aqui, fora que ele podem tenta enfia os leopards de qualquer jeito.

  3. Surpresa total, era o meu preferido, mas não achava que levaria essa, parabens ao E.B , com certeza o melhor entre os concorrentes.

  4. eu sempre acreditei que está concorrência estava direcionada para o Atmos assim como a da VBCav está pro centauro 2. E depois daquela crise diplomata Brasil Israel quase todo mundo disse que o Atmos estava fora . Eu disse que poderia ser o contrário que o Atmos seria o favorito porque numa normalização das relações entre os países e como gesto de reconciliação diplomática ele seria o escolhido.

    1. eu tbm pensei estaria fora e afirmava que seria frances , mas realmente deu certo o ATMOS pelo melhor escolha

  5. Ótima escolha. Era de longe o meu favorito. Cheguei a acreditar que não seria possível, pela questão diplomática. Que bom que foi e espero que eventuais eventos futuros não impactem a execução do projeto.

    Animadora a parte das contrapartidas envolvendo empresas sediadas no país.
    De fundamental importância conseguir garantir a fabricação das munições no Brasil.
    E interessante a parte em que a CDS pode se tornar fornecedora da Elbit a nível mundial, garantindo demandas para o processo industrial a ser “aprendido”/implementado.

  6. Excelente escolha o que tem de melhor, assim como foi com o Centauro 2, mas a questão é o governo brasileiro por ideologia e não conhecer de defesa pode não fluir.

    1. Acho que a tentativa de ser aproxima da ala militar do país acabará por beneficiar as forças armadas, pois o atual governo meio que está ser aproximado então não seria surpresa eles mudarem a maneira de pensar para ganhar novos aliados

  7. Excelente notícia!!! E que cheguem logo , continuem impressionando e se crie doutrina de emprego pra máquina . Offsets excelentes e importantes e que se encomende, assim que recebidos os 36, mais uma leva .

  8. Ótima notícia, ainda mais porque temos a Ares e AEL aqui, que terão absorção de conhecimentos.

    Tomara que as guerras recentes por lá, não atrapalhem o negócio.

    1. Bacana. Apesar da minha torcida pelo Zusana ou Ceasar. Que vingue a questão da transferência de tecnologia. E também que o número de unidades só aumente.

  9. Caro Bastos, boa tarde. Vc colocou que “terá capacidade para embutir o tubo em seu interior e permitir seu transporte por aeronaves do porte do Embraer KC-390 Millennium” isto resolve a questão das dimensões, mas e quanto ao peso ficaria dentro do limite de 26t p/ carga centralizada? Obrigado pelo seu trabalho sempre de excelente qualidade.

      1. Bastos , excelente noticia e materia ! Parabens !!
        Ainda com respeito a cabine , vc menciona que é similar a ofertada a Romenia .
        Nao pude encontrar uma imagem do que vc indica sendo o Atron, a versão proposta para a Romênia . Vc pode compartilhar algum link com esta imagem ?
        Obrigado e abracos

        1. Quando eu escrevi “similar ao Atron, a versão proposta para a Romênia”, não estava me referindo a cabine em si, mas a posição do tubo do obuseiro ficar paralelo ao chassi, adentrando na carroceria, para diminuir sua altura, como o CAESAR faz, por exemplo. Por isso eu usei a expressão “desenho exclusivo” na mesma frase.

  10. A escolha mais pé no chão, já temos toda uma relação construída com os israelenses e suas representantes brasileiras….excelente matéria Bastos

    1. Além do sistema, um fato importante a ser considerado no texto é que teremos acesso as “munições especiais” para os M-109A5+Br também, indiretamente melhora a artilharia como um todo.

  11. Bastos a matéria fala de possíveis lotes adicionais.

    Quantas unidades seriam um número razoável para o EB operar ?

  12. Paulo, boa noite. A guerra que Israel está enfrentando hoje no Oriente Médio/ Faixa de Gaza, pode atrasar a entrega destes equipamentos?

    Obrigado Pedro

    1. provavelmente não. Nao há noticia de sobrecarga na industria deles neste item.
      Fora isso as entregas não sao imediatas

    2. ser tem uma coisa que aparentemente até os aliados de Israel que é um Cessar-fogo imediatamente das ações militares israelitas na prática esse conflito não vai dura muito.

  13. Parabéns Paulo por toda a cobertura do programa, a mais completa de todas.
    Ótimas informações, realmente uma proposta muito boa por tudo que a Elbit está oferecendo.
    Já saiu matérias na Veja falando que os militares estão com medo do Presidente vetar este programa. Tomara que ele nem pense nisso.

  14. Ótimo equipamento, melhor escolha possível. Mas, infelizmente, um deputado do PT (Carlos Zaratini, smj), já disse que a compra deve ser uma decisão politica, especialmente, porque o atual mandatário é “persona non grata” em Israel por causa de seus comentários desastrosos sobre o conflito entre eles e o Hamas. Enfim, espero que a racionalidade impere, mas, tudo é possível.

    sds.

  15. Pelo jeito não estamos aceitando visões divergentes. tudo bem. um país que nos últimos 200 anos prezou por conquistar um papel de mediador e neutralidade, com independência e soberania na diplomacia, continua sendo uma má ideia a adoção de solução israelense. Inclusive a miopia de aceitar essa proposta fica mais clara quando uma das propostas concorrentes tinha parceria com a avibras.
    de repente toda a indignação e inconformismo com a situação da empresa evapora.
    no futuro de médio prazo, Israel vai cumprir seus contratos, ou vai exigir de nós subserviência e obediência a suas posições minoritárias internacionalmente?
    Aplaudir essa decisão é não enxergar o futuro, colocar ideologia à frente da razão.

  16. Que notícia fantástica e tão bem apresentada! Venceu o melhor! Não vejo a hora de ver um desses embarcando e desembarcando de um KC 390!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

DISPONÍVEL