Simulador da Ares é destaque na Argentina

Recentemente, na cerimônia de apresentação do TAM 2CA2, a empresa brasileira Ares Aeroespacial e Defesa chamou a atenção ao apresentar seus novos simuladores de torre.

O evento, realizado pelo Exército Argentino (EA) no Batallón de Arsenales 602, em Boulogne, Província de Buenos Aires, no dia 12 de julho, teve o intuito de apresentar os resultados da avaliação técnica operacional (ETO) do processo de modernização do TAM 2CA2 (conduzido pela Elbit Systems e realizado pela subsidiária brasileira, a Ares), além de seu segundo protótipo. Estiveram presente diversas autoridades argentinas, como o ministro da Defesa, Jorge Taiana, o chefe do Gabinete de Ministros, Agustin Rossi, e oficiais do Estado Maior.

O sistema apresentado é altamente versátil e pode ser configurada para diferentes modelos de torres e estações de armas, como os sistemas de armas remotamente controlados (SARC) REMAX e UT30 (que estão em processo de aquisição por aquela Força) e que pode ser configurado para as torres de 105mm utilizadas no Tanque Argentino Médio (TAM).

O simulador, desenvolvido pela Ares e já exportado para a Indonésia, demonstrou eficiência durante a apresentação, proporcionando uma experiência realista para os operadores. Com ele, é possível simular operações de tiro, aprimorar habilidades de pontaria e familiarizar-se com o funcionamento da torre de um tank. Essa ferramenta de treinamento oferece a oportunidade de familiarização com os comandos, controles e sistemas associados à torre, contribuindo para um treinamento mais eficaz e seguro.

Além do simulador, também foi apresentado um óculos de realidade virtual que proporciona uma experiência ainda imersiva, ao colocar a tripulação dentro da torre de um blindado.Tal dispositivo permite que os operadores vivenciem de forma virtual o ambiente interno da torre, proporcionando uma visão em primeira pessoa e uma compreensão mais profunda dos sistemas, controles e operações realizadas dentro da viatura.

Durante a demonstração, os representantes da Ares explicaram em detalhes as funcionalidades do simulador de torre e dos óculos de realidade virtual, principalmente quanto aos recursos avançados, precisão de simulação e interface intuitiva.Com esta tecnologia, os usuários podem treinar, simular e adestrar habilidades, aumentando a eficiência e a segurança nas operações militares.

A apresentação do simulador foi bem recebida, incluindo autoridades civis, militares e jornalistas da área, e demonstrou a capacitação técnica em fornecer soluções para o treinamento e preparação adequada, por parte da empresa que é a principal fornecedora de SARCs e torres para viaturas blindadas do Exército Brasileiro e a única no continente que possui o domínio comprovado do ciclo tecnológico de sistemas de armas.

O Projeto de Modernização do Tanque Médio Argentino (TAM), principal armamento blindado do Exército Argentino, pretende o colocar em um nível tecnológico compatível com os tanques mais modernos do mundo e uma grande parcela deste trabalho é realizada por profissionais brasileiros (Foto: Ministério da Defesa da Argentina)

Com informações e imagens da Ares

Artigos Relacionados

Formulação Conceitual dos Meios Blindados do Exército Brasileiro ESTADO-MAIOR DO EXÉRCITO-PORTARIA Nº 162-EME, DE 12 DE JUNHO DE 2019 Documento...

Pela primeira vez no Brasil, foi realizado o reabastecimento em voo (REVO) por helicóptero, foi a chamada Operação MANGA. Na...

Na tarde de hoje, 27 de maio, um comboio com três viaturas blindadas de transporte de pessoal (VBTP) 6X6 Guarani,...

No dia de hoje, 24 de maio, a Agência de Cooperação de Segurança de Defesa (Defense Security Cooperation Agency – DSCA)...

A capital turca, Istambul, foi palco de discussões sobre segurança e defesa nos dias 21, 22 e 23. A Feira...

De acordo com a portaria nº 443-COTER/C Ex, o Exército Brasileiro (EB), através do Comando de Operações Terrestres (COTER), constituiu...

Comentários

4 respostas

  1. Maravilhoso trabalho, sem dúvida ele mostra como podemos sim desenvolver todo o ciclo de um carro de combate nacional, basta vontade política.

    1. Menos, menos, todo ciclo sozinhos não. Temos que fazer parceria com alguma empresa fornecedora. A Ares está modernizanso a parte eletrônica e fornecendo o simulador. Um CC tem o powertrain, aço especial, torre, etc. Isso não dá para desenvolver sozinho aqui.

      1. A torre até temos a tecnologia, mas a blindagem composta não.

        Sobre o resto eu concordo, mas é mecânica automotiva, com vontade dá para fazer.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

DISPONÍVEL