C-390 Millennium da Hungria realiza seu primeiro voo

O primeiro C-390 Millennium da Força Aérea da Hungria completou com sucesso seu voo inaugural ontem, dia 08 de fevereiro, em Gavião Peixoto, interior de São Paulo. A equipe da Embraer Defesa & Segurança voou por aproximadamente quatro horas, realizando uma avaliação completa da aeronave, que agora passará por um período de testes antes da entrada em serviço no país europeu.

“Este voo inaugural é um marco importante para o programa C-390 da Hungria. O C-390 Millennium tem recebido reconhecimento internacional devido ao seu notável desempenho operacional e às suas capacidades, e a Embraer está aumentando a produção para atender à crescente demanda do mercado. É uma honra trabalhar com as Forças de Defesa da Hungria no fortalecimento de suas capacidades, oferecendo a melhor solução de transporte aéreo militar disponível. Estamos comprometidos em aprofundar ainda mais a parceria com as Forças de Defesa da Hungria e em obrigação com esse apoio no futuro”, afirma Bosco da Costa Junior, presidente e CEO da Embraer Defesa & Segurança.

Em novembro de 2020, o governo húngaro assinou um contrato com a Embraer para a aquisição de dois C-390. A tripulação das Forças de Defesa da Hungria será a primeira do mundo com uma Unidade de Terapia Intensiva em sua configuração, recurso essencial para o desempenho de missões humanitárias.

A Hungria foi o terceiro país a escolher o C-390, após Brasil e Portugal. Holanda, Áustria, República Tcheca e Coreia do Sul também selecionaram a aeronave da Embraer. O C-390 está redefinindo o transporte aéreo militar e desafiando a lógica por trás das plataformas da geração atual e futura, oferecendo capacidade multimissão, confiabilidade e interoperabilidade.

O C-390 pode transportar mais carga útil (26 toneladas) em comparação com outras aeronaves de transporte militar de médio porte e voar mais rápido (470 nós) e mais longo, sendo capaz de realizar uma ampla gama de missões, como transporte e lançamento de cargas e tropas, evacuação aeromédica, busca e salvamento, combate a incêndios e missões humanitárias, operando inclusive em pistas não pavimentadas, em superfícies como terra compactada e cascata. A aeronave configurada para reabastecimento aéreo, com a designação KC-390, já comprovou sua capacidade tanto como tanque quanto como receptor, neste caso recebendo combustível de outro KC-390 utilizando cápsulas (pods) instaladas sob as asas.

Desde a entrada na operação na Força Aérea Brasileira, em 2019, e mais recentemente na Força Aérea Portuguesa, em 2023, o C-390 comprovou sua capacidade, confiabilidade e desempenho. A atual frota de aeronaves em operação acumula mais de 11.500 horas de voo, com disponibilidade operacional em torno de 80% e taxas de conclusão de missão acima de 99%, demonstrando produtividade excepcional na categoria.

Fonte: Embraer

Artigos Relacionados

Formulação Conceitual dos Meios Blindados do Exército Brasileiro ESTADO-MAIOR DO EXÉRCITO-PORTARIA Nº 162-EME, DE 12 DE JUNHO DE 2019 Documento...

Pela primeira vez no Brasil, foi realizado o reabastecimento em voo (REVO) por helicóptero, foi a chamada Operação MANGA. Na...

Durante a Eurosatory 2024, que esta ocorrendo no Centro de exposições Paris-Nord Villepinte, localizado nos arredores de Paris, a empresa...

Variante com uma nova torre é  apresentada na feira de Paris A BAE Systems está apresentando o CV90MkIV com uma...

Na quarta-feira (12), o mercado de defesa se agitou com a notícia divulgada pelo portal britânico Janes de que o...

A AVIBRAS Indústria Aeroespacial S/A, que em tempos passados foi considerada uma das maiores empresas  de defesa do mundo, mas...

Comentários

2 respostas

  1. Rapaz eu vi uma imagem de 3 KC-390 sendo fábricados aparentemente ao mesmo tempo cara acho que a Embraer tá investindo pesado na produção dessa aéronave visto o número de clientes que ela tem isso é um grande avanço para Embraer e a capacidade de produção nacional. Parabéns Embraer

  2. O milenium hungáro é um fato concreto que o Brasil tem empresas de ponta que podem ajudar no desenvolvimento do parque industrial do país. Temos outros exemplos no setor aéronáutico, espacial, marítimo e automobilistico.
    Mas precisamos investir na educação (fundamental até a universitária) e sobretudo investimentos em pesquisa associada às nossas Universidades de tecnologia.
    Somente assim galgaremos com segurança a condição de Potência regional, o que já somos no agronegócio.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

DISPONÍVEL