Operação Yanomami – C-98 Caravan, o transporte salvador

Em uma pista de 1.067 metros de comprimento por 25 metros de largura, o C-98 Caravan da Força Aérea Brasileira (FAB) pousa de duas a três vezes ao dia, no Aeródromo de Surucucu, do  o 4º Pelotão Especial de Fronteira (4º PEF) do Exército Brasileiro, levando alimentos e medicamentos às comunidades indígenas Yanomami e também combustível de aviação, que abastece a aeronave H-60 Black Hawk responsável por levar os suprimentos às aldeias necessitadas.

Além do H-60, o C-98 é a única aeronave da FAB capaz de pousar naquela pista, uma vez que ela se encontra deteriorada, o que impossibilita o pouso de grandes aeronaves.

Segundo o tenente aviador Gabriel Gomes Fissicaro, piloto do Sétimo Esquadrão de Transporte Aéreo (7º ETA), o “ Esquadrão Cobra”, que opera nessa missão, o Caravan é uma das poucas aeronaves que conseguem operar de forma segura em Surucucu. Isso porque a aproximação para pouso, nessa localidade, apresenta várias particularidades como: a altitude do local, que tem influência negativa na potência do motor; a pista em aclive e o terreno montanhoso em volta, que, em condições meteorológicas adversas, dificulta a visualização da pista para pouso.

Diante destas peculiaridades da região, o C-98 consegue mostrar toda a sua  operacional e assim executar a missão. “A aeronave pode se adaptar rapidamente para o transporte de passageiro ou de carga, dependendo da necessidade. Assim, além de ter um custo de operação extremamente baixo, consegue pousar em locais de difícil acesso, viabilizando o cumprimento de diferentes missões, desde o transporte de pessoas e suprimentos, até as evacuações de emergência de enfermos correndo risco de morte, o que fazemos diariamente na Operação Yanomami”, explica o tenente Fissicaro.

Desde que foi acionado para atuar na ação de ajuda humanitária aos indígenas, o Caravan, considerado um dos monomotores mais seguros e confiáveis do mundo,  já voou mais de 220 horas, tendo levado cerca demais de 40 mil quilos de medicamentos, alimentos e combustível. O monomotor é ainda o responsável por levar para a Base Aérea de Boa Vista (BABV) todos os materiais e equipamentos utilizados no lançamento de carga feitos pelas aeronaves C-105 Amazonas e KC-390 Millennium.

Aeródromo de Surucucu, no 4º PEF

Texto: tenente Eniele Santos/ Agência Força Aérea
Fotos: sargento Lucas Nunes / CECOMSAER

Artigos Relacionados

Formulação Conceitual dos Meios Blindados do Exército Brasileiro ESTADO-MAIOR DO EXÉRCITO-PORTARIA Nº 162-EME, DE 12 DE JUNHO DE 2019 Documento...

Pela primeira vez no Brasil, foi realizado o reabastecimento em voo (REVO) por helicóptero, foi a chamada Operação MANGA. Na...

Após um breve período de calmaria, que parecia que a tragédia ambiental no Sul estava chegando ao seu final, uma...

A Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) planeja testar uma das mais avançadas tecnologias de imageamento por satélite. Isso será...

A IACIT fortaleceu sua posição no mercado ao estabelecer uma colaboração estratégica com a Omnisys Engenharia, subsidiária da Thales, e a Meteomatics,...

A MBDA assinou uma emenda contratual com a Organização para Cooperação Conjunta em Armamento (OCCAR) para aumentar as capacidades técnicas...

Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

DISPONÍVEL