Exército continua com a desativação do EE-11 Urutu

De acordo com a portaria nº 1.232-EME/C Ex, de 31 de janeiro de 2024, o Exército Brasileiro (EB) decide desativar mais 96 viaturas blindadas de transporte de pessoal (VBTP) 6X6 EE-11 Urutu, sendo 20 da versão M5 e 76 da M6, a partir do dia 01 de março.

A desativação é resultado da decisão tomada na 3ª reunião decisória do Estado-Maior do Exército (EME), realizada em 31 de outubro de 2023, e a destinação deverá ocorrer da seguinte forma:

  • 20 M5 serão destinadas à alienação (venda ou doação);
  • 13 M6 serão doadas para órgãos de segurança pública, como o Departamento Penitenciário Nacional (DEPEN) e a Polícia Militar do Rio de Janeiro (PMERJ);
  • 02 M6 serão empregadas como meio auxiliar de instrução (MAI) na Academia Militar das Agulhas Negras (AMAN) e Escola de Sargentos de Logística (EsSLog);
  • 04 M6 permanecerão no 15º Regimento de Cavalaria Mecanizado (Escola) para instrução de operações de Garantia da Lei e da Ordem (GLO);
  • 02 M6 permanecerão no Arsenal de Guerra de São Paulo (AGSP) para estudos em projetos de pesquisa e desenvolvimento;
  • 09 M6 de versões especializadas (ambulância, oficina, GLO) permanecerão em operação; e
  • 05 M6 serão utilizadas como doadoras de peças de reposição.

 

As viaturas oficina serão mantidas (Foto: Hélio Higuchi)

A Força Terrestre ainda manterá por um tempo 41 EE-11 Urutu da versão M6 (VBTP e versões especializadas), que terão sua manutenção operacional possibilitada com a utilização das viaturas desativadas como fonte de peças de reposição, até serem totalmente substituídas pelas VBTP 6X6 Guarani.

Uma imagem icônica: a saída do Urutu (à frente) e a chegada do Guarani (ao fundo) no 3º RC Mec, em 2022 (Foto: 3º RC Mec)

ESTA É A SEGUNDA FASE

Anteriormente, em setembro de 2022, o EB anunciou a desativação de 129 VBTP Urutu da versão M2 (mais antiga), das 134 que possuía em carga (depois foi retificado para 130 de 135) mantendo apenas os seguintes exemplares:

  • VBTE Ambulância EB3423206183, versão M2S5, pertencente ao 10º Batalhão Logístico;
  • VBTE Ambulância EB3421210066, versão M2S5, pertencente ao 15º Regimento de Cavalaria Mecanizado (Escola);
  • VBTE Ambulância EB3421047498, versão M2S5, pertencente ao 16º Batalhão Logístico;
  • VBTP EB3421209669, versão M2S6, modernizado pelo AGSP e pertencente ao 13º Regimento de Cavalaria; e
  • VBTP EB3421209846, versão M2S1, modernizado pela empresa Columbus e pertencente ao 16º Batalhão Logístico.

Das viaturas Urutu M2 desativadas, duas serão preservadas como viaturas históricas, 11 foram doadas ao Uruguai, e 30 separadas para doação para nações amigas (sendo 20 destinadas ao Paraguai).

A versão M2 é facilmente identificável por sua traseira, já que nas versões mais modernas ela é mais plana (Foto: Helio Higuchi)

Artigos Relacionados

Formulação Conceitual dos Meios Blindados do Exército Brasileiro ESTADO-MAIOR DO EXÉRCITO-PORTARIA Nº 162-EME, DE 12 DE JUNHO DE 2019 Documento...

Pela primeira vez no Brasil, foi realizado o reabastecimento em voo (REVO) por helicóptero, foi a chamada Operação MANGA. Na...

Um valor em torno de U$ 400 milhões, resultante de acordo entre o grupo britânico e o Exército da Dinamarca...

As tripulações estão prontas para operar, a bordo do novo blindado, em todos os contextos operacionais. A Escola de Cavalaria...

O grupo italiano Leonardo vem registrando importantes marcas neste início de 2024. Dentre as conquistas e acordos de cooperação recentemente...

No dia de ontem, 27 de fevereiro, representantes da Diretoria de Fabricação (DF) do Exército Brasileiro visitaram a empresa Ares...

Comentários

13 respostas

  1. Fico feliz que o EB tenha tomado essa decisão, embora o ututu não tenha mais capacidade de fornecer proteção nas linhas de frente como um APC, ainda tem muita utilidade como apoio e serviços.
    Bastos, esse Urutu de socorro é mosca branca, nunca tinha visto, ele veio da Engesa assim ou algum arsenal que criou essa versão? abraço e bom domingo

    1. O Urutu Oficina foi adquirido diretamente da ENGESA, que também exportou esta versão para outros países.

  2. FAB aposentando os C-130 Hércules para assunção dos KC-390

    EB desativando as VBTP EE-11 Urutu, com a adoção do blindado Guarani.

    Simplificação da cadeia logística e priorização dos contratos firmados com a Indústria de Defesa.

    1. Poucas unidades de Guarani?
      Já foram entregues mais de 600 Guaranis para o Exército Brasileiro, sendo que este possuiu pouco mais de 200 Urutus.
      Ou seja, poderia ter substituído todas as unidades com muita folga, exceto quanto às unidades especializadas ainda não desenvolvidas (um atraso injustificável, diga-se de passagem).

  3. estas 20 destinadas ao Paraguai foram entregues,?
    Nas GLO no Equador vi a utilização dos Urutus… um bom candidato a receber doações..

    1. Ainda não, estão apenas separadas.
      Para serem doadas dependem de autorização do Congresso Nacional que, por enquanto, só está tratando da doação de 06 VBCOAP 105mm M108 para o Paraguai.
      O Equador, pelo menos que eu saiba, não solicitou doação.

  4. Porque não mater armazenado por um determinado período até que sejam em seu total substituidos ? O que estamos assistindo no mundo é a falta de equipamento militar.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Disponível

DISPONÍVEL