ÁREA DO CLIENTE

AVIBRAS / NORINCO, uma parceria que pode salvar a empresa brasileira

A AVIBRAS Indústria Aeroespacial S/A, que em tempos passados foi considerada uma das maiores empresas  de defesa do mundo, mas que, mesmo não possuindo mais todo este gigantismo, ainda é uma das mais estratégicas do país, há anos vem passando por uma grave crise financeira, com dívidas que, de acordo com último relatório de atividade, chegam a quase R$ 640 milhões.

Além do problema estratégico, devido aos inúmeros projetos militares em seu poder, também vem gerando um enorme problema social, pois seus funcionários estão há mais de um ano sem receber seus salários.

Clientes destes problemas, o governo Federal, que antes apenas acompanhava as tentativas da empresa para sair da crise, bem como as negociações de venda para outros grupos internacionais, conforme explicou o próprio diretor-presidente da empresa, João Brasil Carvalho Leite, agora está tomando uma posição mais ativa, participando diretamente das negociações da empresa.

Muitos problemas são apontados como a causa desta crise, tais como a falta de constância no investimento militar no Brasil, a deficiência dos incentivos à exportação, o baixo apoio das instituições financeiras, a má gestão, etc. Porem, independente do motivo apresentados, se nenhuma ação for feita, a empresa estará fadada a fechar suas portas em muito pouco tempo.

AS TENTATIVAS DE COMPRA

O Sistema ASTROS e o Míssil Tático de Cruzeiro (MTC) são considerados os mais estratégicos projetos de dissuasão da Força Terreste (Foto: Avibras)

Desde 2020 a empresa está sendo sondada por diversos grupos internacionais, “mais de trinta, isso tirando as empresas que querem comprar a AVIBRAS inteira apenas para fechá-la”, conforme relatou João Brasil, sendo que, nos últimos meses dois deles se destacaram.

O Czechoslovak Group (CSG), da República Tcheca (ou Tchéquia), apresentou uma proposta que ia muito além de uma parceria de montagem e manutenção do obuseiro sobre rodas 8X8 Zuzana 2, mas condicionado a sua aquisição pelo Exército Brasileiro (EB) no programa VBCOAP 155 SR. Porém, como não foi o vitorioso, a empresa desistiu da transação.

Outra proposta que veio a público foi a da empresa australiana DefendTex, uma empresa fundada em 2014 que tem um perfil muito mais de projetos do que produção. Todavia, diversas questões contratuais e financeiras fizeram com que a empresa desistisse do negócio após poucos meses de negociação.

Porém, no dia 13 de junho, o grupo North Industries Corporation (NORINCO), da República Popular da China, apresentou uma proposta de aquisição de 49% do capital acionário da AVIBRAS ao Ministério da Defesa (MD), fato confirmado pelo ministro José Múcio Monteiro (mas sem informar o nome da empresa). E esta não foi a primeira tentativa do grupo chinês de adquirir parte da empresa brasileira.

A PROPOSTA CHINESA

Em 2022, no inicio do assédio internacional sobre a AVIBRAS, a NORINCO iniciou negociações para adquirir os 49% do capital da empresa brasileira, porém, de acordo com representantes da chinesa, não para absorvê-la, mas para utilizar parte de seu parque fabril para montar e dar suporte para seus produtos visando não só atender as demandas atuais e futuras do EB (na época a empresa participava do projeto VBC Cav com o ST1-BR) e também de outros países da América Latina. A idéia era criar toda uma base de suporte para os sistemas militares e civis do grupo no Brasil.

Novamente, devido a diversos fatores, mas principalmente a uma grande quantidade de ofertas semelhantes na época, a proposta não foi adiante e a empresa chinesa, novamente de acordo com seus representantes, não obteve uma resposta e acabou desistindo das negociações.

A visita de uma delegação do EB à China, em junho de 2023, deu inicio a uma nova fase de negociações (Foto EB)

A idéia de uma nova oferta da empresa surgiu no ano passado, durante a visita de uma delegação EB visando identificar oportunidades de cooperação na área de projetos estratégicos entre os países, dando inicio a uma serie de conversas entre os dois países.

As negociações se aprofundaram e culminou com a visita comandante do Exército, general de Exército Tomás Miguel Miné Ribeiro Paiva, no inicio deste mês, onde se discutiram parcerias do tipo “governo-a-governo” (G2G) para projetos militares.

A NORINCO realmente está disposta a fazer uma parceria com a AVIBRAS com vantagens mútuas para as empresas, pois investiria o capital necessário para a empresa brasileira sanar sua crise financeira, sem intervir nos projetos atuais, e ao mesmo tempo teria uma base no continente de onde poderia dar suporte para seus produtos, aumentando consideravelmente sua competitividade. Em tese, seria o melhor dos mundos.

Agora a empresa chinesa aguarda um posicionamento da carta enviada ao MD e, dependendo de seu teor, voltar às negociações, porém, depois da manifestação pública do Ministro, outros grupos internacionais deverão apresentar propostas já na próxima semana.

A situação da AVIBRAS (e de seus colaboradores e fornecedores) ainda está muito crítica, mas se mantém um fio de esperança ao horizonte.

COMPARTILHE