REMAN é adotada pelo Exército

O Exército Brasileiro (EB) publicou a portaria 1.243-EME/C Ex em que “adota a torre manual REMAN, da empresa Ares, integrada à plataforma veicular VBTP-MSR 6X6 Guarani”. Esta é uma importante etapa para a aquisição de sistemas nacionais pela Força Terrestre.

De acordo com Frederico Medella, diretor comercial e marketing da Ares Aeroespacial e Defesa, do Grupo Elbit System, “a adoção da torre manual REMAN é motivo de muito orgulho para empresa. Foram anos de investimentos e dedicação no desenvolvimento de uma solução 100% nacional altamente customizada para o Exército Brasileiro. Essa adoção também é fruto da parceria estratégica da ARES com o Departamento de Ciência e Tecnologia do EB”.

REMAN meia cúpula instalada em uma VBMT 4×4 Guaicurus

Medella está confiante que haverão mais aquisições: “agora, vamos avançar nas discussões com o EB e nos preparar para fornecer um lote de torres ainda neste ano. Em paralelo, a nosso time de engenharia vai dar continuidade no projeto de integração dessa torre no 4X4 Guaicurus”, concluiu.

O EB já possui em operação duas REMAN, e já a utilizou em uma simulação de combate, participando da Missão CORE 23 (Combined Operation and Rotation Exercise 2023), um exercício conjunto com o Exército dos Estados Unidos (US Army), realizado em novembro de 2023, no Estado de Roraima, quando uma VBTP 6X6 Guarani equipada com REMAN foi a viatura do grupo de combate mecanizado do 23º Esquadrão de Cavalaria de Selva (23º Esqd C Sl).

A adoção de mais unidades reforçará a posição da Ares como a principal e a única empresa do país que desenvolve, produz e fornece sistemas de armas e torres para as Forças Armadas Brasileiras.

Capacitação operacional dos militares do 23º Esqd C Sl para a CORE 23

 

Artigos Relacionados

Formulação Conceitual dos Meios Blindados do Exército Brasileiro ESTADO-MAIOR DO EXÉRCITO-PORTARIA Nº 162-EME, DE 12 DE JUNHO DE 2019 Documento...

Pela primeira vez no Brasil, foi realizado o reabastecimento em voo (REVO) por helicóptero, foi a chamada Operação MANGA. Na...

Com o objetivo de desenvolver sistemas de alta tecnologia de propulsão e de  aeronaves não tripuladas, está sendo anunciada a...

De todas as novidades da FIDAE 2024, definitivamente a que mais surpreendeu o público não foi a vinda do caça...

A atuação dos drones na guerra entre a Rússia e a Ucrânia mudou os conceitos e doutrinas do atual cenário...

Durante a FIDAE 2024, a Boeing apresentou uma atualização do programa do avião de patrulha marítima P-8 Poseidon e os...

Comentários

12 respostas

  1. que ótimo que o EB está investindo , precisam estar em” pé de igualdade” com outras Nações. Deveriam os políticos investir mais em tecnologia nas Forças Armadas, é não precisarem de armas de outras Nações.

  2. Prezado: vc poderia divulgar mais detalhes desta torre? Pelo menos o giro é motorizado com motor de passo? Obrigado!

    1. Muito bom! Parabéns ao EB.
      Entretanto, já está na hora de investirmos no nosso próprio Blindado do tipo Tanque com esteira. Temos tecnologia pra isso! chega de comprarmos coisas usadas ou obsoletas.

    1. No texto citado está escrito: “…a Força Terrestre possui uma demanda quase três vezes este número e que poderá ser finalmente ser atendido por uma torre nacional”.
      Uma demanda não quer dizer necessariamente que será realizada.Tenho sempre muito cuidado em afirmar algo. 😉

      A unica certeza agora é que o EB tem duas opções, caso venha a adquirir novas torres, sendo que uma delas é 100% nacional.

  3. Bastos, quantas unidades Guaicurus o EB tem contratada de fato (contrato assinado)? Previsão de novos contratos? Saímos das 32 unidades + as unidades usados do Exército Italiano?

  4. Infelizmente o EB fez uma compra gigantesca de 258 torres Platt da Austrália em 2022.
    Poderia ter comprado a torre nacional Reman, mais barata e que gera empregos no Brasil.
    Difícil não pensar que a compra da torre australiana se deu por motivos nada republicanos.

  5. O Brasil tem condições de fabricar muitos dos equipamentos nessessarios para equipar as Força Armadas , podemos até errar , até acertar pois é assim que acontece em todos Exércitos do mundo , se não me esqueço a V2 teve mais de 20 mil modificações para acertar Londres.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

EM BREVE