Brasileiros planejam 1ª missão espacial sul-americana até a Lua

0
2780
Modelo do interior da sonda Garatéa-L (Imagem: Garatéa)

Um grupo de brasileiros tenta viabilizar o envio da primeira sonda sul-americana até a Lua, colocando-a na órbita de nosso satélite natural, sendo que não haverá pouso por lá. Seria a primeira vez que estudiosos do Brasil realizariam uma missão além da órbita terrestre, de acordo com os organizadores. A previsão, se tudo der certo, é que o nanossatélite (um pequeno satélite não tripulado) seja lançado até dezembro de 2020.

A missão foi batizada de “Garatéa-L”, que significa “Busca Vidas” em tupi-guarani, e conta, por meio de empresas britânicas, com a parceria da Agência Espacial Europeia (ESA) e da Agência Espacial do Reino Unido (UK Space Agency). Esta deverá ser a primeira missão comercial de espaço profundo (além da órbita da Terra) dessas agências, chamada de Pathfinder. Dentro do foguete que será lançado, o indiano PSLV-C11, cinco pequenos satélites serão enviadas à Lua, entre eles, o brasileiro.

Foguete indiano que vai lançar a sonda, em 2020, o PSLV-C11, da Índia (Imagem ISRO)
Foguete indiano que vai lançar a sonda, em 2020, o PSLV-C11, da Índia (Imagem: ISRO)

O mesmo foguete indiano enviou com sucesso a missão Chandrayaan-1 para a lua, em 2008. De acordo com um dos organizadores do projeto do Brasil, Lucas Fonseca, engenheiro espacial, a missão deverá custar R$ 35 milhões e será uma Parceria Público-Privada (PPP). Os valores começaram a ser levantados com órgãos de fomento à pesquisa e outros patrocinadores.

“Essa missão vem sendo planejada desde 2013 e, cerca de um mês atrás, fomos aceitos numa iniciativa europeia para embarcar uma missão brasileira em uma conjunta compartilhada por vários países para ir até a Lua”, disse Fonseca, que já participou do envio, trabalhando com a ESA, da sonda Rosetta, que fez o primeiro pouso em um cometa, em 2014.

“O Brasil tem satélites de baixa órbita e média órbita. Nunca foi além da órbita terrestre. Seria a primeira missão brasileira a investigar o espaço profundo”, explicou Fonseca.

A nave-mãe da Pathfinder também fornecerá o serviço de comunicação para os cientistas na Terra, com coleta de dados por pelo menos seis meses. A missão brasileira levará diversas colônias de organismos vivos e moléculas de interesse biológico, que serão expostos à radiação cósmica. O experimento quer investigar os efeitos do espaço nas diferentes formas de vida. Amostras de células humanas também serão embarcadas.

Órbita oval da nave-mãe inglesa, que lavará a Garatéa-L até sua própria órbita lunar (Imagem Garatéa)
Órbita oval da nave-mãe inglesa, que lavará a Garatéa-L até sua própria órbita lunar (Imagem: Garatéa)

“A busca por vida fora da Terra necessariamente passa por entender como ela pode lidar e, eventualmente, sobreviver a ambientes de muito estresse, como é o caso da órbita lunar”, disse Douglas Galante, do Laboratório Nacional de Luz Síncroton (LNLS), em Campinas, um dos coordenadores do projeto.

Galante trabalha em conjunto com Fábio Rodrigues, do Instituto de Química da USP, em São Paulo, e conta, além das instituições acima, com a contribuição e participação do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE), do Instituto Tecnológico da Aeronáutica (ITA), do Instituto Mauá de Tecnologia e da Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUC-RS).

Além de possibilitar o estudo com organismos vivos e moléculas, a Garatéa-L será colocada em uma órbita que permitirá a coleta de imagens da bacia de Aitken, cratera localizada do lado oculto da Lua. Para a concretização da missão, em 2020, tudo precisa estar pronto em 2019, ano em que o homem completa 50 anos de sua primeira missão à lua.

A apresentação ao público da missão será hoje (29), às 19 horas, na Escola de Engenharia da USP em São Carlos, interior de São Paulo.

 

Ivan Plavetz
Fonte: G1 

SEM COMENTÁRIOS