Projeto VBCOAP 155 mm SR, requisitos devem sair no próximo mês

24
13659

Desde a aprovação da diretriz de iniciação do projeto viatura blindada de combate obuseiro autopropulsado 155 mm sobre rodas (VBCOAP 155 mm SR) e a criação da equipe para a realização do estudo de viabilidade do projeto (EB20-D-04.005), publicada na portaria Nº 427-EME/C Ex, Tecnologia & Defesa vem acompanhando com proximidade seus trabalhos, principalmente no final de 2020, e, de acordo com fontes do Alto Comando do Exército Brasileiro (EB), a realização da consulta pública (“request for information” – RFI) com objetivo sondar o mercado nacional e internacional, acerca da capacidade de fornecimento deste sistema de armas, deverá ocorrer em fevereiro próximo.

O Projeto VBCOAP 155 mm SR visa à obtenção de um total de até 36 unidades deste sistema de artilharia, com capacidade de engajamento de alvos de forma rápida, eficaz e sistêmica à distâncias de até 40 quilômetros, para equipar de dois a três grupos da Artilharia Divisionária e Brigada Mecanizada.

É esperado que este projeto desperte o interesse de diversas empresas através do mundo, como ocorreu com o VBC Cav, porém duas delas já saem na frente por apresentar seus produtos a Força, inclusive com militares brasileiros visitando os países onde são fabricados buscando parâmetros para o RFI: a israelense Elbit Systems e a francesa Nexter Group.

Imagem: Elbit Systems

A Elbit possui o sistema ATMOS (Autonomous Truck Mounted Howitzer System), que já está em serviço em nove países, sendo o que as Filipinas receberam seus primeiros na semana passada. Trata-se de um sistema moderno, equipado com uma peça de artilharia Soltam, com tubo de 33, 39, 45 ou 52 calibres e que pode ser instalado em diversas plataformas, já tendo sido instalado em caminhões 6X6 MAN e Tatra T815-7 e 8X8 KamAZ-6350 e Rheinmetall RMMV HX81, que garante grande flexibilidade ao projeto. Uma de suas vantagens seria que a integração deste sistema, na plataforma escolhida pelo EB, poderia ser feito no Brasil, pela empresa Ares Aeroespacial e Defesa, com seus sistemas embarcados da AEL Sistemas, ambas pertencentes ao Grupo Elbit, que garantiria o suporte logístico em nosso país e transferência de tecnologia.

Imagem Nexter

Já a Nexter possui o sistema CAESAR (CAmion Équipé d’un Système d’ARtillerie), o principal sistema de artilharia de tubo do Exército Francês e em operação, ou encomendado, por mais por mais oito países, sendo o ultimo a anunciar foi a República Tcheca. É equipado com um obuseiro de 155 mm e 52 calibres, e já operando em plataformas Sherpa 5 e 6A 6X6 e Tatra T815-7 8X8.

A versão 6X6 de ambos os modelos, dependendo da plataforma escolhida, poderá ser transportável por aeronaves do tipo C-130 Hércules ou KC-390 Millennium.

Outro modelo que pode ressurgir é o Sistema de Artilharia 155mm/52 AP SR Tupã, da Avibras Aeroespacial, que em 2014, durante a feira francesa Eurosatory, anunciou uma parceria com a Nexter para adaptar o sistema de CAESAR nos veículos da família Astros MK6, com chassi Tatra T815-7 6X6, aproveitando também toda a estrutura de comando e controle (C2) e meteorológico do Sistema Astros 2020, padronizando a frota da Artilharia. Este programa chegou a ter um convênio entre a empresa, o Centro Tecnológico do Exército (CTEx) e o Departamento de Ciência e Tecnologia (DCT) para seu desenvolvimento, porem diversos problemas na época fizeram que o mesmo fosse cancelado, todavia esse projeto pode retornar e talvez com outro sistema de armas.

O Tupã poderá ressurgir com este programa

Ainda dentro do conceito de independência logística e transferência de tecnologia para empresas nacionais, um ponto que deverá entrar neste projeto será que o acordo de compensação para a aquisição da VBC OAP 155 mm SR deverá contemplar a transferência de tecnologia e produção das munições pelo Brasil, além de sua integração com o sistema Genesis, da IMBEL. O fato é que, caso este projeto se torne uma realidade, diversas empresas nacionais devem se beneficiar.

Como não existe verba no orçamento para a aquisição deste sistema de armas em 2022, é bem provável que o projeto se estenda até, no mínimo, o próximo ano para a assinatura do contrato com a empresa selecionada.

24 Comentários

  1. Apostando todas as minhas fichas no que for melhor para o Brasil!

    Conforme muito bem escrito na Materia
    “Ainda dentro do conceito de independência logística e transferência de tecnologia para empresas nacionais, um ponto que deverá entrar neste projeto será que acordo de compensação para a aquisição da VBC OAP 155 mm SR deverá contemplar a transferência de tecnologia e produção das munições pelo Brasil, alem de sua integração com o sistema Genesis, da IMBEL. O fato é que, caso este projeto se torne uma realidade, diversas empresas nacionais devem se beneficiar.”

  2. Com o atual governo ficamos mais próximos da Itália e de Israel, o que é excelente. Acho que vai dar Centauro II pra VBC Cav e ATMOS pra obuseiro autopropulsado. Que evolução pro EB!

    • Se o Caesar é o unico capaz de ser “nacionalizado” junto a Avibras + Genesis, passo a acreditar que é mesmo o “preferido” do EB, por motivos estratégicos, de longo prazo. Por motivos táticos, tendo vista unicamente o material, imagino que o EB iria querer o Atmos, até porque os franceses não merecem nosso dinheiro.
      Como torcedor, a minha opinião é que se for para ajudar o Tupã sair do papel, que seja o Caesar. Se não, que vá de material israelense, com chassi feito e integrado no Brasil.

  3. Creio que o que seria o Tupâ (Avibras Astros com recheio Nexter Caesar), o será no caso com Astros 6×6 e recheio Atmos .

  4. Boa tarde!
    Interessante aquisição se sair do papel!
    A dúvida que tenho é como seria feito a proteção dessas unidades de artilharia.
    Teríamos artilharia antiaérea para proteção dessas unidades?
    Por ser em um caminhão, da para atirar e correr, não necessitando de tanta proteção para elas?
    Como é feito o remuniciamento dessas baterias? É um caminhão orgânico para cada canhão após usado toda munição?
    Obrigado pela atenção!

    • CWB, li na S&D que vários desses sistemas tem remuniciamento automático, mas pode ser semi ou manual tb. Por ser mais flexível do que as VBO AP de 155mm M-109, pode atirar e se mover, evitando o fogo de contra bateria. Mas esses obuseiros SR não substituem os de lagartas, cada um tem sua aplicação no TO. O importante é o EB se diversificar. Torcendo agora pela RFI da Artilharia Ainti Aérea de médio alcance. Mas, não sou especialista, sou entusiasta. Acho que o Paulo Bastos pode responder melhor suas questóes. Grande abraço!!

  5. Torcendo para que a AVIBRAS e NEXTER levem essa! independência na produção de tecnologia militar, (não apenas militar, mas também no que for possível em outras áreas) esse é o destino que eu desejo para o meu Brasil.

  6. Lógico que o ideal é o Brasil injetar recursos e reerguer por si só o projeto Avibras/Tupã, pois assim estaremos desenvolvendo o nosso próprio obuseiro autopropulsado sobre rodas, sem precisar depender da tecnologia de outros países.

    O Brasil precisa ser independente e autônomo no seu setor de defesa.

  7. Parabéns Paulo pela mateira fantástica.
    Para mim, se esse obuseiro sobre rodas não é uma emergência então a continuação do desenvolvimento do Tupã seria mais interessante e até proveitoso para indústria brasileira.

    Invés disso Estou esperando alguma boa notícia de sistemas anti aéreos de longo alcance para o Brasil; isso sim é urgente ….

  8. Cara, não viaja na maionese. O Obuseiro seria tão nosso quanto o EC 725.
    Chassi Tcheco, canhão Francês. Sobra o que mesmo.
    Montagem do faz de conta que e.

    • Exatamente, não sei onde estão enxergando a tal independência na “montagem” desses possíveis 36 obuseiros “brasileiros”, realmente estão viajando nível Hélibras.

  9. Já falando em CFN, como anda, se é que anda, a compra dos JLTV? E quanto aos obuseiros 155mm, há algum projeto para substituição? Algum interesse do CFN nesse 6×6 da matéria?

  10. HEHEHE
    Todo mundo fazendo suas apostas.
    Não acho que Avibras venha a ganhar, falta cadencia de produção, a não ser que o EB de uma de muito patriotismo.
    Vai dar uma empresa estrangeira.
    É certeza absoluta.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here