Operação Agulhas Negras – Aviação atua em infiltração e apoio de fogo

Doze aeronaves e mais de 190 militares da Aviação do Exército foram empregados durante a Operação Agulhas Negras (OPAN), que se encerrou no dia 17 de setembro. A OPAN é uma simulação de combate de defesa externa, que capacitou mais de 4.300 militares da 2ª Divisão do Exército em diversos tipos de operações.

A atividade começou no dia 10 de setembro com Apronto Operacional, realizado no Forte Ricardo Kirk, em Taubaté. Foram reunidos militares e equipamentos, sendo mais de 70 blindados e 290 viaturas e armamentos que seriam utilizados em toda a Operação. A atividade contou com a presença do comandante Militar do Sudeste, general de exército Tomás Miguel Miné Ribeiro Paiva; do comandante da 2ª Divisão de Exército, general de divisão Luís Cláudio de Mattos Basto, do comandante de Aviação, general de brigada Fábio Serpa de Carvalho Lima, entre outras autoridades militares. Logo após o apronto a tropa deu início ao deslocamento para o combate simulado.

O local escolhido para o treinamento em 2022 foi a região do Vale do Paraíba, com atividades nas cidades de Caçapava, Taubaté, Guaratinguetá, Lorena, Areias, Cachoeira Paulista, São José do Barreiro, seguindo até Resende (RJ). Nesse período a Aviação do Exército, que mobilizou 193 homens e mulheres, atuou em assaltos aeromóveis, infiltração de tropa, apoio de fogo com tiros de foguete e de metralhadora, transporte de carga externa, entre outros.

O objetivo do treinamento foi manter o estado de prontidão das tropas em operações ofensivas, defensivas e de cooperação e coordenação com agências, além de exercitar a ação de comando e a capacidade de liderança em todos os níveis.

Fonte: Aviação do Exército

Artigos Relacionados

Formulação Conceitual dos Meios Blindados do Exército Brasileiro ESTADO-MAIOR DO EXÉRCITO-PORTARIA Nº 162-EME, DE 12 DE JUNHO DE 2019 Documento...

Pela primeira vez no Brasil, foi realizado o reabastecimento em voo (REVO) por helicóptero, foi a chamada Operação MANGA. Na...

Durante a Eurosatory 2024, que esta ocorrendo no Centro de exposições Paris-Nord Villepinte, localizado nos arredores de Paris, a empresa...

Variante com uma nova torre é  apresentada na feira de Paris A BAE Systems está apresentando o CV90MkIV com uma...

Na quarta-feira (12), o mercado de defesa se agitou com a notícia divulgada pelo portal britânico Janes de que o...

A AVIBRAS Indústria Aeroespacial S/A, que em tempos passados foi considerada uma das maiores empresas  de defesa do mundo, mas...

Comentários

2 respostas

  1. Em pensar que o Kiowa Warrior fez estrago na guerra do Iraque destruindo blindados etc. ,creio que em o EB equipando os Fennec’s com misseis Spike ER2 conforme noticiado aqui mesmo nesta supermatéria(http://tecnodefesa.com.br/avex-e-o-spike-er2-cinco-perguntas-para-gal-papier-rafael/), já atenderia e muito bem para escolta e reconhecimento armado dentro de nossos possíveis teatros sul-americanos de emprego pois manobrável a máquina já é e agora modernizada então , estas 34 máquinas já dariam aquela moral a mais ,ainda mais na Amazônia.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

DISPONÍVEL