Morteiros autopropulsados, um sistema de armas consolidado

Analisamos o mercado de morteiros autopropulsados, num momento em que a guerra na Ucrânia mostra mais uma vez o valor da artilharia e dos morteiros em particular, bem como a importância do alcance, precisão e velocidade na entrada, disparo e saída de posição para evitar fogo contra-bateria.

 Por Santiago Rivas (*)

Apesar de existir muito antes, o uso de morteiros se espalhou após a Primeira Guerra Mundial, quando se mostrou uma arma muito eficaz contra as trincheiras inimigas, dada sua trajetória balística que permitia atingir seu objetivo de cima. Além disso, seu uso pela infantaria permitiu que os líderes das unidades tivessem sua própria arma de Artilharia que, embora de curto alcance, poderia ser transportada para quase qualquer lugar sem depender de veículos ou terreno adequado para mover canhões ou obuses.

O RUAG Cobra oferece um alcance de mais de 9 km e com seu carregador semiautomático mantém a tripulação protegida durante o fogo.

Embora seja uma arma presente em todos os exércitos há mais de um século, o desenvolvimento de novos sistemas que permitem uma implantação mais rápida, disparando com maior precisão e maior alcance, estão gerando maior interesse por esse tipo de arma.

Normalmente, o uso de morteiros varia de acordo com seu calibre, sendo os menores, como os de 60 mm, usados ​​principalmente pelas unidades de leves, os de 81 mm pela infantaria regular e os pesados ​​de 107 e  120 mm (ou mais) pela infantaria motorizada, mecanizadas, blindadas ou por unidades de artilharia, pois dependem de veículos para seu transporte, devido ao seu peso, sendo que os morteiros de 81 mm (ou menores) tendem a ser utilizados  ​​em nível de companhia, enquanto os pesados ​​estão em batalhão/regimento, e algumas unidades de cavalaria usam morteiros pesados ​​para iluminação em combates noturnos.

Embora um morteiro de 120 mm tenha um alcance muito menor (7 a 9 quilômetros com munição normal e até 16 com munição de alcance estendido) do que uma peça de artilharia de 105 mm (mais de 10 km), requer menos pessoal, menos apoio logístico e é mais fácil para transportar.

Um morteiro russo montado na caçamba de um caminhão no conflito na Ucrânia. Apesar de permitir maior mobilidade, a precisão é muito limitada, assim como a proteção dos operadores.

Rebocado versus autopropulsado

Dentro deste último, que é onde há desenvolvimentos mais interessantes, estão os rebocados e os autopropulsados, sendo que cada um com suas vantagens e desvantagens. No caso das armas rebocadas, a vantagem que elas têm é o seu custo mais baixo, embora neste ponto seja de notar que não há arma mais cara do que aquela que não cumpre a sua função ou é destruída pelo inimigo, pois o objetivo de qualquer arma é ter uma capacidade em um determinado ambiente e, portanto, ao considerar os custos, observe não apenas o preço de compra, mas qual capacidade você obtém e a capacidade de sobrevivência no ambiente a ser utilizado.

Por esta razão, embora os morteiros rebocados sejam mais difundidos, por ser mais barata e, em alguns casos, pode ser utilizada por infantaria com veículos leves, em outros casos os autopropulsados podem cumprir mais satisfatoriamente missões que um rebocado não pode, graças à sua maior velocidade para entrar em posição, a menor necessidade de trabalho da tripulação, facilidade para calcular o tiro com precisão e rapidez e a capacidade de sair da posição, uma vez que a missão de tiro foi realizada, muito rapidamente para evitar contra-ataques fogo da bateria, pois, no cenário atual, onde se generalizou o uso de veículos aéreos não tripulados (VANT) para o fogo direto de artilharia, bem como o uso de radares de contrabateria, que auxiliam na detecção e no calcular sua posição, há muito pouco tempo em que uma peça de artilharia pode disparar até que começa a receber fogo de volta.

Elbit Spear em sua versão light. O LR tem carregador semiautomático, mas deve ser usado em veículos mais pesados.

Dentre os sistemas, foram desenvolvidos sistemas leves com pouco recuo, como o espanhol Ventura Defense Alakran 120 mm, que é montado em veículos leves, que a Ucrânia hoje usa montado em 4×4 Bars-8. Este sistema se destaca porque o morteiro vai em um braço que a desdobra do veículo e sustenta a base no solo. Outro é o Sistema Integrado EXPAL (EIMOS), para morteiros de 81 e 120 mm em veículos Uro Vamtac, e o morteiro Elbit, embora nestes casos seja disparada por cima do veículo, o que significa que o recuo é absorvido por ele.

No entanto, os veículos leves apresentam alguns inconvenientes: por um lado, seu tamanho menor significa que podem transportar menos munição e isso pode ser um problema em calibres como o 120 mm, obrigando os veículos de apoio a estarem à disposição para sustentar a operação. Outra é a falta de proteção da tripulação, algo extremamente importante quando se opera a curta distância do inimigo, podendo receber armas de pequeno porte ou fogo de artilharia. Além disso, não possuem sistemas de carregamento automático ou semiautomático, o que pode ser um diferencial importante quando é necessário realizar uma missão de fogo de maior duração ou em um ambiente de fogo inimigo que implique que um carregamento manual seja um grande risco para os operadores.

Elbit Cardom, modelo em uso hoje no Exército dos EUA.

Na América Latina

Na América Latina, apenas seis países possuem (ou possuíram) morteiros autopropulsados, sendo estes:

  • Argentina: o Exército possui cerca de 25 M106A2, baseado no chassi M113, e 13 VC TAM VCTM, no chassi TAM, ambos com peças de 120 mm;
  • Brasil: o Corpo de Fuziliros Navais da Marinha possui em carga dois M125A1, equipados com peças de 120 mm M29A1, e atualmente o Exército trabalha no projeto da viatura blindada de combate – morteiro, média sobre rodas (VBC Mrt-MSR) 6X6 Guarani, com uma peça de 120 mm;
  • Chile: o Exército possui morteiros Soltam 120 mm montados em 36 FAMAE Piranha 6X6 e 36 M113A2;
  • Equador: o Exército possuia em carga nove blindados 6X6 ENGESA EE-11 M6S1 Urutu VMOR, equipados com uma peça de 81 mm, mas não existe confirmação de sua operacionalidade, já que alguns destes foram vistos convertidos em viaturas de transporte de pessoal;
  • Peru: o Exército possui 24 M106A1 com morteiro de 107 mm;
  • Venezuela: o Exército possuía 21 Dragoon 300PM e alguns AMX-VTT, com morteiro de 81 mm, embora sua operacionalidade seja muito duvidosa após o recebimento de  um lote de sistemas 2S23 e 2S31 VENA 8×8 de origem russa.
TAM VCTM do Exército Argentino, um dos principais sistemas de morteiro autopropulsada em serviço na América Latina.

A experiência na Ucrânia e o “Shoot and Scoot”

A guerra na Ucrânia está mostrando uma nova realidade no uso de artilharia de todos os tipos, onde alcance, precisão e cadência de tiro são imprescindíveis, mas a importância das táticas “Shoot and Scoot” (“atirar e fugir”) para qualquer sistema de fogo indireto. Ser capaz de se posicionar e atirar mais cedo, fazê-lo com precisão, com maior alcance (idealmente além do alcance das armas inimigas), com uma alta cadência de tiro e poder sair da posição antes que o inimigo comece a bater isso, têm sido mostrados como chaves para o sucesso. As forças ucranianas conseguiram em grande parte equilibrar a superioridade numérica da artilharia russa graças a essas premissas que as armas ocidentais lhes deram. Esta tática tem o efeito de estender as possuibilidadees do ataque para além do alcance efetivo de seus sistemas, pois, considerando que os morteiros de ambos os lados têm um alcance semelhante e ambos os lados estão tentando manter seus morteiros fora do alcance do outro lado, se um deles avançar, disparar e correr rapidamente para uma distância segura, suas granadas atingirão alvos menores, além de sua posição segura.

Morteiro 120mm Ventura Defense Alakran, em um veículo VAMTAC.

Novos recursos

Os sistemas mais modernos podem levar menos de um minuto para se posicionar e iniciar o fogo, algo impossível em um morteiro rebocado. Isso graças ao seu computador de controle de fogo, que permite fazer rapidamente a solução de tiro de acordo com a posição do morteiro, o alvo e as condições ambientais.

Pode-se então sair de posição muito rapidamente, antes que o inimigo possa iniciar o fogo de contra-bateria. Tomando como exemplo um dos sistemas mais modernos do mercado, como o RUAG Cobra, tal operação consiste nas seguintes sequências: colocação e preparação do disparo (30 segundos), disparo (quatros granadas em 20 segundos), rolagem (30 segundos segundos) e rolagem, tudo em 1:20 minutos. Este tipo de operação requer um sistema integrado de controle de incêndio e um computador balístico, com ajuste do valor alvo via transferência de dados.

Nos novos morteiros, o sistema de controle de fogo e o computador balístico permitem calcular o azimute, elevação e carga, ao mesmo tempo em que toma a posição do veículo a partir de seu sistema de navegação inercial e/ou GPS, além de integrar as informações meteorológicas, os disparos tabelas da munição a ser disparada e fazer as correções necessárias. Elementos de elevação e azimute de fogo são inseridos na unidade de exibição do artilheiro e o sistema de mira aponta automaticamente o morteiro, após a aprovação do artilheiro.

O sistema de carregamento semiautomático permite que os operadores não sejam expostos ao fogo inimigo ou estilhaços, pois não precisam se inclinar para fora do veículo.

Durante o tiro, o tubo se estabilizará automaticamente na posição de tiro necessária (azimute e elevação), independentemente de outros fatores de influência. Além disso, os modernos morteiros autopropulsados têm seus movimentos de travessia e elevação elétricos, muitos com capacidade de girar 360º, o que permite maior velocidade e precisão, sem gerar a assinatura de calor dos sistemas hidráulicos.

Enquanto os primeiros morteiros ​​ocidentais foram instalados dentro do veículo, com escotilhas que se abrem no momento do início da missão de fogo, como o M106 montado em um chassi M113, outros desenvolvimentos têm os morteiros montados em uma torre, tão semelhante ao um tanque, como o Royal Ordnance Armored Mortar System (AMS) ou o Patria AMOS e NEMO.

Além disso, quem dirige o fogo costuma ter outros métodos para detectar alvos (radares de artilharia, detectores de som, VANTs, sistemas infravermelhos, etc., com as coordenadas enviadas pelo “Sistema de Gerenciamento de Batalha” (Sistema de Gerenciamento de Combate) e calcular a sua posição (telêmeros a laser ou alguns dos sistemas de detecção acima mencionados), podendo enviar esses dados para o morteiro através de sistemas criptografados.

Norinco SM-4.

Pontos essenciais

Ao analisar os sistemas de morteiros autopropulsados, há vários pontos que são essenciais, começando pelo alcance da munição. Isso será dado pelo tubo (o tubo se expande com a ignição da carga e quanto maior a expansão a munição tem menor alcance) e a carga de munição, principalmente pela forma como a pólvora queima e a composição da mesma , o que permitirá obter maior ou menor potência no tiro. Também dependerá do uso de cargas extras para ampliar o alcance e sua qualidade. Atualmente, a maioria dos morteiros de 120 mm tem um alcance de cerca de 7 km, embora o RUAG tenha conseguido com o Cobra exceder confortavelmente 9 km com munição padrão.

O comprimento do tubo é um dos fatores essenciais para um maior alcance. O Elbit Spear e o Cobra oferecem tubos de 2 m, mas os tubos de 1,6/1,8m são os mais comuns.

O segundo ponto é dado pela precisão, quando se busca reduzir a possibilidade de danos colaterais e ao mesmo tempo conseguir acertar o alvo com menos tiros e em menos tempo. Isso começa com os próprios sistemas de morteiros em termos da possibilidade de receber informações diretamente do diretor de incêndio, processando-as para gerar uma solução precisa e apontar corretamente o morteiro com o menor erro possível.

Por outro lado, hoje existem munições guiadas, que diferem daquelas especificamente desenvolvidas como tal ou kits de precisão que podem ser instalados em munições não guiadas. Entre estes estão aqueles que o fazem por GPS, por sistema de navegação inercial (INS), por laser semi-ativo (SAL, Semi-Active Laser) ou possuem sistema próprio para encontrar o alvo e guiar (auto-homing), como por calor ou outro sistema. Uma munição guiada pode ter uma margem de erro de até 10 metros, contra mais de 70 de uma não guiada se as coordenadas do alvo forem conhecidas com precisão.

Outro aspecto central é o sistema de carregamento, onde os sistemas semiautomáticos são cada vez mais utilizados, como é o caso do Thales 2R2M, do Aselsan Alkar e do RUAG Cobra. Embora isto torne o morteiro mais complexo, proporciona maior segurança para a tripulação, que não fica exposta ao carregar, enquanto seu trabalho é muito mais simples e consiste em alimentar o sistema de carregamento dentro do veículo.

Todo o pessoal que trabalha com essas armas é vulnerável ao fogo da contra-bateria, portanto, trabalhar atrás da blindagem do veículo é essencial para a sobrevivência. Assim, o carregamento manual na boca do tubo significa exposição extrema ao teto do veículo, sacrificando em grande parte a vantagem da blindagem. Isso é essencial em missões de fogo de longa duração, onde a carga de trabalho excessiva não apenas afeta a velocidade de recarga, mas também aumenta a probabilidade de acidentes. Além disso, permitiu que o número de operadores fosse reduzido para apenas um, o que permite mais espaço para munição ou combustível e, assim, mais capacidade de combate para o veículo.

Essa redução na carga de trabalho permite que o operador se concentre em obter a carga correta para o alcance de cada tiro, menos erros ao colocar cargas na granada e melhor desempenho. Por outro lado, em alguns desses sistemas foi alcançada uma taxa sustentada de quatro tiros por minuto, que é o valor padrão para o carregamento manual com uma equipe devidamente treinada, mas com uma cadência máxima que pode chegar até a 20, valor impossível para os sistemas manuais.

Singapore Technologies SRAMS MkII

Modelos disponíveis no mercado

Entre os modelos leves, estão os mencionados:

  • Alakran 120mm, da Ventura Defense da Espanha;
  • Sistema integrado de morteiro EXPAL (EIMOS), da Espanha;
  • Elbit Spear de Israel (a variante LR – “Long Range” – inclui um carregador semiautomática e já se enquadra na categoria pesada);
  • Scorpion, da Thales South Africa Systems da África do Sul; e
  • Didgori Meomari, da Geórgia.

 

E os mais pesados:

  • Thales 2R2M, da França;
  • Elbit Cardom, de Israel;
  • RUAG Cobra, da Suíça;
  • Singapore Technologies SRMS MkII (Super Rapid Advanced Mortar System), de Cingapura;
  • Rheinmetall Noruega MWS 120 Ragnarok e CV90 Multic, da Noruega;
  • Norinco SM4, da China, com morteiro de 120 mm, utilizando o chassi do 6×6 WMZ551;
  • Aselsan Alkar de 120 mm, da Turquia;
  • A MKE, dos Estados Unidos, lançou um morteiro de 120 mm para uso em veículos em 2019;
  • A Hanwha Defense e a S&T Dynamics, da Coreia do Sul, lançaram uma nova peça para seu seu sistema K242A1 de 107 mm, em 2022;
  • Taiwan desenvolveu o Mobile Mortar System (MMS) para morteiros de de 81 ou 120 mm; e
  • A Geórgia, apresentou o protótipo GMM-120, montado em um caminhão 6×6, com morteiro de 120mm.
O Patria AMOS oferece uma alta cadência de tiro e muita proteção à tripulação, embora o sistema seja mais pesado e mais caro.

Com torre

A Finlândia, terra natal destes sistemas, possui dois produtos: o Advanced Mortar System (AMOS) de tubo duplo e o mais recente NEMO (New Mortar) de tubo único, ambos no chassi do veículo modular blindado (AMV). Eles também desenvolveram uma versão do NEMO que é instalada em um contêiner, para caminhões 8×8 e para o Patria Blindado Wheeled Vehicle (AWV) 6X6 , que recentemente este foi oferecido para o Programa Guarani.

A sueca BAE Systems Haggluds possui o Mjölner, com dois tubos de 120 mm em uma torre, usando um chassi de veículo CV90.

A Rosomak, da Polônia, possui um morteiro de 120 mm em veículos blindados Patria 8X8 com torre HSW Rak.

A Rússia desenvolveu muitos modelos: o 2S9 (NONA) 120mm, usando chassi BMD blindado, alguns atualizados para 2S9-1M; o 2S23 baseado no 8X8 BTR-89; o 2S31 VENA em um chassi BMP-3; o 2S34 no chassi de uma arma autopropulsada 2S1 com o morteiro 2A80 do sistema VENA; o 2S41 DROK 82mm é usado em veículos Taifun K-4386. O 2S42 Lotos é um substituto do 2S9 em um novo chassi anfíbio, enquanto o UralVagonZavod Phlox de 120 mm usa um veículo 6X6.

O sistema NEMO foi oferecido recentemente para o projeto da viatura de combate morteiro do Guarani.

 

(*) Santiago Rivas é jornalista e fotógrafo argentino, especializado em defesa, editor da revista Pucará Defensa e colaborador de Tecnologia & Defesa na Argentina

Artigos Relacionados

Formulação Conceitual dos Meios Blindados do Exército Brasileiro ESTADO-MAIOR DO EXÉRCITO-PORTARIA Nº 162-EME, DE 12 DE JUNHO DE 2019 Documento...

Pela primeira vez no Brasil, foi realizado o reabastecimento em voo (REVO) por helicóptero, foi a chamada Operação MANGA. Na...

A Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) planeja testar uma das mais avançadas tecnologias de imageamento por satélite. Isso será...

A IACIT fortaleceu sua posição no mercado ao estabelecer uma colaboração estratégica com a Omnisys Engenharia, subsidiária da Thales, e a Meteomatics,...

A MBDA assinou uma emenda contratual com a Organização para Cooperação Conjunta em Armamento (OCCAR) para aumentar as capacidades técnicas...

A equipe de Tecnologia & Defesa esteve a bordo do super navio-aeródromo USS George Washington (CVN 73), um navio de...

Comentários

4 respostas

  1. Arma extremamente necessária no cenário atual e futuro e que se encaixa perfeitamente no Guarani.
    Em verdade, com o dinheiro que o EB pretende usar na “modernização” do Cascavel, daria para comprar dezenas de morteiros e canhões de 30mm para equipar os Guaranis, sendo um uso muito mais racional dos recursos financeiros.

    1. sem sobras de dúvidas, vemos no atual conflito do leste europeu o emprego maciço de morteiros e dos canhões de viaturas blindadas, são fundamentais!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

DISPONÍVEL