Guarani chega ao Nordeste

O dia 1º de Julho de 2021 é mais uma data histórica para o Exército Brasileiro (EB). Neste dia, o 10º Esquadrão de Cavalaria Mecanizado (10º Esqd C Mec), Esquadrão Forte das Cinco Pontas, recebeu a primeira a viatura blindada de transporte de pessoal, média sobre rodas (VBTP-MSR) 6X6 Guarani a ser operada no Nordeste.

O Esquadrão, aquartelado em Recife (PE) e subordinado à 10ª Brigada de Infantaria Motorizada (10ª Bda Inf Mtz), recebeu a viatura número EB 52418 (S/N 486), que ainda não teve o SARC REMAX instalado, que é a primeira de um total de quatro previstas de serem entregues ainda esse ano.

Imagens da Cerimônia de incorporação do Guarani (Imagens: 10º RC Mec)

De acordo com nota da própria unidade “o processo de transformação do Exército, em consonância com a Estratégia Nacional de Defesa, busca levar a Força Terrestre da Era Industrial para a Era do Conhecimento, sem alterar, no entanto, seus princípios, crenças e valores. Para tanto, a modernização de equipamentos e o desenvolvimento de tecnologias para recuperar a capacidade de operar com eficiência são imperiosos. Nesse contexto, o Projeto Estratégico do Exército (Prg EE) Guarani tem por objetivo modernizar as unidades mecanizadas do Exército Brasileiro. Para isso, novas viaturas estão em processo de desenvolvimento e irão compor a família de viaturas blindadas sobre rodas.”

O Comando Militar do Nordeste (CMNE) se soma aos do Sul (CMS), Leste (CML), Planalto (CMP), Oeste (CMO) e Sudeste (CMSE) na utilização desse moderno sistema de armas, faltando apenas os da Amazônia (CMA) e Norte (CMN) para completar mais essa fase da modernização da Força.

Nota da Redação: Tecnologia & Defesa agradece à Comunicação Social do Comando Militar do Nordeste pelo envio das informações e imagens para completar esta matéria.

 

Veja também

Anhanguera recebe Guarani

Artigos Relacionados

Formulação Conceitual dos Meios Blindados do Exército Brasileiro ESTADO-MAIOR DO EXÉRCITO-PORTARIA Nº 162-EME, DE 12 DE JUNHO DE 2019 Documento...

Pela primeira vez no Brasil, foi realizado o reabastecimento em voo (REVO) por helicóptero, foi a chamada Operação MANGA. Na...

A Comissão do Exército Brasileiro em Washington (CEBW) publicou, na última sexta-feira, dia 19 de abril, um pedido de cotação...

O crescimento da Base Industrial de Defesa e Segurança Pública (BIDS) torna esse setor ainda mais estratégico e relevante para...

Em comemoração a semana do Exército, o Comando Militar do Sudeste (CMSE) está organizando uma série de eventos na Capital Paulista,...

O Ministério da Defesa (MinDef), por meio da Secretaria de Produtos de Defesa (SeProD), acompanhou, entre os dias 15 a...

Comentários

16 respostas

  1. Bastos porque algumas viaturas não tem torre remax? principalmente alguma que foram entregues para a infantaria essas viaturas vão receber algum outro modelo de torre? Se for vai ser a de 30mm para o apoio a infantaria.

    1. No planejamento do Pgr EE Guarani está que as viaturas de transporte deverão ser equipadas SARC REMAX ou torre manual, a ser definida.
      Os Guarani com UT30BR são para apoio de fogo e não transporte de tropas.

  2. Obrigado pela atenção Bastos, sempre e bom ter suas dúvidas respondia por quem sabe do assunto. So uma última pergunta porque o EB nunca definiu sua torre manual? Tem alguma novidade sobre a escolha da torre manual.

    1. O EB ainda esta avaliando a REMAN, da Ares, mas existem outras possibilidades, porem isso deve demorar um pouco devido ao contingenciamento dos recursos e a priorização do Programa do VBC Cav 8×8.

      1. O Programa da da VBC Mrt Guarani já esta concluída até a fase de escolha do Sistema de armas, cuja concorrência era para ter iniciado no final do ano passado, mas, devido as mesmos motivos do que dei para a torre manual, ele esta andando em passos lentos, mas vai sair. Será a próxima versão do Guarani depois do veículo engenharia.

  3. Obrigado por tira minha dúvida Bastos, uma última pergunta porque o EB nunca definiu sua torre manual? Você tem alguma novidade sobre o assunto? E o Guarani porta morteiro sera que sai esse ano Bastos?

  4. Muito bom vê a continuidade das entregas do Guarani. Agora uma pergunta: não seria mais viável financeiramente tanto para adquirir quanto para manter o Guarani 6×6 com a Torc30 ao invés do veículo 8×8? Manteria a linha de montagem por mais tempo, manteria a comunidade de peças e teríamos um veículo nacional com armamento moderno.

    1. O Guarani não suporta um canhão de 105/120mm, A ideia do veículo 8×8 e ser um caça carros para substituir os Cascavel enquanto o Guarani está substituindo o Urutu.
      Ou seja um canhão de 30mm serve apenas para atacar APC’s e AFV’s enquanto um MBT suporta tranquilamente.

      1. A torre Torc30 tem capacidade de lançar mísseis AC. O cascavel, na verdade, com seu canhão de 90 mm também não consegue mais abater CC modernos, ainda mais sem sistema de mira e visão noturna é presa fácil.

        1. Suporta 4 Misseis anti-tank, Enquanto um canhão de 105/120mm comporta ate 30 munições tanto Perfurante como HE.
          Acredito que um Guarani com misseis anti-tank não desempenharia bem a função de caça carros, Já que a ideia em si e ir na linha de frente junto com os MBT’s então no combate e aquela lançou seus 4 misseis e correr e torcer para não ser abatido.
          Para um VBCI talvez seja funcional o uso de Anti-Carro caso ocorra de encontrar um MBT por acaso no campo de combate possa lançar um míssil e correr o máximo que conseguir.
          Sim o Cascavel não consegue mais abater CC modernos no máximo veículos de Infantaria e MMBT’s por isso o novo programa para aquisição dos veículos 8×8.

  5. Guarani 6X6 com UT30 para apoio de fogo nos BIMec… um conceito no mínimo questionável – e a se pensar- quando a maior parte do mundo lá fora utiliza bldos SR armados com torre e can 30mm como VBCI há décadas, e que hoje, estão recendo mísseis AC também além dos próprios canhões orgânicos. Os russos foram prolíficos neste aspecto.
    Isto me parece um misto de ausência de doutrina e desconhecimento puro e simples do emprego de VBCI’s.
    Imagino, conquanto, que um Guarani 6×6 com a torre TORC30 equipada com um canhão 40mm (ela foi projetada também para operar com este calibre) seria um vetor mais propício para reconhecimento e apoio de fogo ao BIMec, na Cia Cmdo Ap, além dos demais veículos orgânicos (AC, AAe, Mrt, PC, Comunicações?).
    Isto seria algo a se pensar também, ao invés de tentar colocar um monstrengo 8×8 de 25/30 ton armado com um canhão de 105/120mm. Mesmo nos EsqCavMec das brigadas de infantaria mecanizada um Guarani com TORC30 equipada quiçá com canhões de 57mm ou 76mm poderia ser um vetor adequado. E evitaria misturar linhas logísticas diferentes dentro de uma mesma GU. Lembrar que esta torre é de propriedade do EB, que pode modificá-la conforme seus interesses e necessidades.

    1. Concordo FCarvalho, o EB não terá condições de repor o Cascavel com o mesmo número de 8×8, com isso, sou mais o Guarani 6×6 com a Torc30, o que simplificaria a logística.

    2. Meu amigo, te contar uma coisa. O EB estar á procura do 8×8 e futuramente um MMBT, não é por acaso. Chama-se: Projeto Nova-Couraça. Aqui mesmo no T&D existe matéria falando desse projeto.

    3. Sempre apoiei o Guarani 6×6 com a Torc-30 mas o projeto Guarani sempre constou o veículo 8×8 com canhão 105 ou 120mm. Vejo que seria interessante a Torc-30 nos Guarani para defesa antiaérea das colunas de blindados.

  6. Sei do projeto Nova Couraça e sei também do parto que está sendo o EB ter verba para comprar o Guarani, um veículo 6×6 barato, com o prazo de término do projeto postergado várias vezes, imagina um MBT e um 8×8 com uma torre moderna com canhão de 120 mm.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

DISPONÍVEL