VBCOAP 155mm SR – A disputa tem inicio

Foi publicado hoje, dia 03 de agosto de 2023, no portal da Comissão do Exército Brasileiro em Washington (CEBW), o lançamento do pedido de proposta / pedido de licitação (“request for proposal” – RFP / “request for tender” – RFT) nº 01/2023 para a obtenção da viatura blindada de combate obuseiro autopropulsado 155mm sobre rodas (VBCOAP 155mm SR) do Exército Brasileiro (EB), por meio da Chefia de Material (Ch Mat, ex-DMat), órgão do Comando Logístico (COLOG).

CAESAR, da KNDS

O projeto visa 36 viaturas, através de dois contratos (como ocorreu no VBC Cav): duas iniciais, para um lote protótipo de avaliação, e as 34 após a homologação, com as entregas ocorrendo ao longo de oito anos, de forma compatível com a disponibilidade de recursos e necessidades operacionais das unidades blindadas do EB. O objetivo final é dotar três grupos de Artilharia divisionária ou brigadas mecanizadas, com doze viaturas cada.

A documentação referente ao processo e orientações para participação estará disponível para download, a partir do dia 17 de agosto de 2023, no Portal VBCOAP155.

Histórico

O projeto remonta de 2016, com a criação do Subprograma Sistema de Artilharia de Campanha (SPrg SAC), do Programa Estratégico do Exército (Prg EE) Obtenção da Capacidade Operacional Plena (OCOP), com a primeira edição dos requisitos operacionais (EB20-RO-04.021) e técnicos, logísticos e industriais (EB20-RTLI-04.010), publicadas em 2018.

ATMOS, da Elbit Systems

Em agosto de 2022, já transferido para o Prg EE Forças Blindadas, foi lançada a consulta pública (“request for quote” – RFQ) número nº 01/2022, para sondar os mercados nacional e internacional acerca da capacidade de fornecimento deste sistema de armas; realizar pesquisa de preços; e coletar informações para o aperfeiçoamento e refinamento da segunda edição dos requisitos aprovados em abril 2022. Vinte empresas entraram em contato com o COLOG/DMAt, sendo que 19 se habilitaram a receber a documentação; oito responderam e uma informou que apresentará apenas quando do inicio efetivo do processo, a publicação do RFP.

Yavuz, da MKE

No Boletim do Exército do dia 28 de julho último, foi publicada a terceira edição do RO e RTLI do projeto, com alguns dos refinamentos propostos após a sondagem do RFQ, como a inclusão da plataforma utilizar o chassi Tatra T-815 (o mesmo da família ASTROS 2020 MK6 e viaturas de batalhões de Engenharia de combate blindados), como requisito técnico desejável (RTD), e ser integrado ao Sistema Gênesis, como requisito técnico absoluto (RTA).

Conforme publicado no relatório Nº 01 da consulta pública, o RFP busca compor uma “shortlist” com até cinco modelos, que deverão ter “produção seriada inicial ou consolidada e “que uma quantidade já tenha sido fornecida em definitivo para o país de origem ou exportada, sendo informado também que apenas o contrato assinadonão será considerado.

SH15, da NORINCO

Dentre as empresas que já demonstraram interesse em participar do certame estão a francesa KNDS, com o CAESAR; a israelense Elbit Systems, com o ATMOS; a sueca BAE Systems Bofors, com o Archer; a chinesa Norinco, com o SH15; a turca MKE, com o Yavuz; a sérvia Yugoimport, com o Nora-B52 M21 e Aleksandar MGS-25; e a eslovaca Konštrukta, com o EVA. Porém, os modelos da China e da Sérvia PODEM (destaque do autor) ser prejudicados pelo requisito que obriga a integração com os equipamentos de comando e controle (C2), caso sejam considerados sistemas sensíveis e sobre o controle de países membros da OTAN, como os rádios Harris RF-7800-VS560 padronizados na Força Terrestre, da mesma forma que ocorreu com a viatura ST1 no Projeto VBC Cav.

Com informações do Comando Logístico e da Chefia de Material

 

 

Copyright © 2023 todos os direitos reservados

Nenhuma parte desta publicação pode ser reproduzida ou transmitida em qualquer forma ou por qualquer meio, eletrônica ou mecanicamente, exceto nos termos permitidos pela lei, sem a autorização prévia e expressa do titular do direito de autor.

Artigos Relacionados

Formulação Conceitual dos Meios Blindados do Exército Brasileiro ESTADO-MAIOR DO EXÉRCITO-PORTARIA Nº 162-EME, DE 12 DE JUNHO DE 2019 Documento...

Pela primeira vez no Brasil, foi realizado o reabastecimento em voo (REVO) por helicóptero, foi a chamada Operação MANGA. Na...

Variante com uma nova torre é  apresentada na feira de Paris A BAE Systems está apresentando o CV90MkIV com uma...

Na quarta-feira (12), o mercado de defesa se agitou com a notícia divulgada pelo portal britânico Janes de que o...

A AVIBRAS Indústria Aeroespacial S/A, que em tempos passados foi considerada uma das maiores empresas  de defesa do mundo, mas...

Empresas brasileiras destacam inovações e capacidades no cenário internacional A Associação Brasileira das Indústrias de Materiais de Defesa e Segurança...

Comentários

30 respostas

  1. Muito bom !!

    Pelas imagens o ATMOS é bem maior que os Veículos Trata que o EB recebeu… dever ser outra versão .. ou posso esta engando com as imagens

    1. O chassi Tatra T-815 tem várias versões, de 4×4 a 12×12. O Astros é 6×6 e o Atmos é 8×8.

      1. Sim Rafael, Estou dizendo do 8×8 Trata (VE-Eng TRNP PRTD) 8X8 T-815-7) que o EB recebeu , o link na materia.

  2. Esse conflito na Ucrânia pelo menos serviu para desmistificar a crença de que a artilharia estava ficando obsoleta. No tocante ao veículo, apenas acho que os sistemas franceses e suecos não seriam interessantes, pois estão sob o guarda-chuva da OTAN…e obviamente, sujeitos à vontade da mesma.

  3. Parabéns Bastos por mais um furo jornalístico em primeira mão. Sempre com conteúdos relevantes e objetivos. Uma dúvida: A definição na sua opinião sai ainda este ano?

    1. Obrigado pelas palavras.
      Vamos aguardar a abertura do Portal VBCOAP155 para publicar mais informações sobre o projeto, incluindo o cronograma previsto.

    1. O contrato em vigor é de 1.580 viaturas, que pode (por lei) ser reduzido em até 25% (mas isso não significa que o será), ou seja, o numero mínimo a ser adquirido, sem alterar o contrato é de 1.185 viaturas.

  4. Considerando o pagamento previsto a perder de vista, compensa gastar um pouco mais com o Archer e, a exemplo da vbcc adquirir o estado da arte no armamento.

  5. Parabens Bastos outra grande matéria, aguardamos o dia 17, mas acho que vai dar o francês ou israelense.

    1. Desde o inicio do programa, ainda no Sprg SAC em 2016, já se discutia munições guiadas, como a “Excalibur” (citada nos documentos), e atualmente existem requisitos operacionais absolutos com “munição assistida” e “munições especiais”, portanto isso está sendo levado em conta.

  6. Bastos, desculpe o off topic, mas o EB já recebeu as viaturas VBE-Soc, adquiridas nos EUA, para operar em apoio ao Guarani?

  7. Duas perguntas: Por que isso foi publicado numa comissão do exército em território estrangeiro e não do Brasil ? E por que o exército brasileiro continua usando sistemas de comando e controle fabricados fora do país ? Ou esses desenvolvimentos de rádio que a Imbel faz não passam de piada e conversa pra boi dormir ?.

  8. Paulo Roberto esse chassi Tatra do Astros poderia ser feito aqui no Paraná,na fábrica de Ponta Grossa?

  9. Muito se aprendeu com a guerra da Ucrânia e ninguém duvida que precisamos destes meios mas o Brasil precisa muito de sistemas antiaéreos e também contra drones e mísseis de nada adianta ter baterias móveis sem proteção eficaz. há alguma licitação ou estudo em andamento para aquisição de antiaérea ?

  10. Senhores..a empresa eslovaca com o EVA pode levar a disputa.. histórico a empresa tem, os produtos funcionam a décadas.. valor acredito ser o ponto maior. A Turca MKE com o YAVUZ também não podem ser desacreditada. Em opinião pessoal e até mesmo arrogante, espero o ATMOS como vencedor.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

DISPONÍVEL