VBC Cav 8X8 – A disputa tem inicio

16
4995
O Centauro 2, da CIO, possui a vantagem de ter um suporte logístico comum aos outros veículos do Programa GUARANI (Imagem: CIO)

Na última quinta-feira, 04 de março, a Diretoria de Material (DMat), órgão do Comando Logístico do Exército Brasileiro (EB), tornou pública a realização de Consulta Pública (Request for Information – RFI) Nº 01/2021, com objetivo sondar o mercado nacional e internacional acerca da capacidade de fornecimento visando à execução do Projeto de Obtenção da Viatura Blindada de Combate de Cavalaria (VBC Cav) e coletar contribuições para o aperfeiçoamento das descrições contidas na Minuta dos Requisitos Operacionais e na Minuta dos Requisitos Técnicos, Logísticos e Industriais e realizar pesquisa de preços.

No dia seguinte (05), foi publicado no Boletim do Exército 09/2021 a portaria EME/C Ex Nº 320, de 24 de fevereiro, que altera e corrige a redação da portaria EME/C Ex nº 275, passando o VBC Cav 8X8 do Programa Estratégico do Exército (Prg EE) Obtenção da Capacidade Operacional Plena (OCOP), dentro do Subprograma Forças Blindadas (S Prg EE F Bld), para o Prg EE GUARANI.

A intenção inicial é de se adquirir 221 veículos, preferencialmente até 2026, além do planejamento e implantação de suporte logístico integrado (SLI) durante esse período, semelhante àqueles apresentados para as modernizações do Cascavel e do Leopard.

O GDELS Mowag Piranha possui uma versão (na foto da versão IIIC) com uma torre CMI CT-CV, equipada com um canhão de 105mm (Imagem: GDELS Mowag)

O EB busca como objetivo mais poder de fogo e capacidade de combate anticarro, aos regimentos e esquadrões de Cavalaria mecanizados, principalmente no âmbito das Brigadas Guarani, complementando e depois substituindo, as VBR EE-9 Cascavel, as quais devem ganhar um tempo adicional de serviço de mais 15 anos.

Os requisitos iniciais desse programa, o EB20-RO-04.058, ainda com a designação VBC AC-MSR e criados no âmbito do antigo Grupo de Trabalho (GT) NOVA COURAÇA, foram publicados em fevereiro de 2020 e devem sofrer algumas pequenas alterações, porém seus principais pontos deverão ser mantidos, que são:

  • Sistema de tração 8X8;
  • Armamento principal (canhão) de calibre mínimo de 105mm;
  • Dotação de sistema de comando e controle (C2) interoperável com o sistema da Força Terrestre e com as versões adotadas nas viaturas de família de blindados Guarani; e
  • Comunalidade entre os diversos subsistemas com o projeto de modernização da VBR EE-9 Cascavel.
O Patria AMVxp possui um protótipo equipado com uma torre Hitfact, a mesma que equipa o Centauro 2 (Imagem: Patria)

Esse programa deve movimentar o mercado internacional de defesa e se espera a participação de diversas empresas do segmento, sendo que, até o momento, já houveram negociações ou sondagens dos seguintes veículos:

  • Centauro 2, da Iveco-Oto Melara Consortium (CIO);
  • Piranha, da GDELS Mowag;
  • AMVxp, da finlandesa Patria;
  • ST1, da família VN1, da chinesa Norinco;
  • Tigon, da sul-coreana Hanwha.

Algo que se deve ter ciência é que apenas os blindados da família Centauro/Centauro 2, da CIO, e o Tipo 16, da japonesa Mitsubishi, foram desenvolvidos especificamente para a função que o EB está buscando, sendo o restante viaturas de transporte adaptadas, e que a maioria ainda se encontram na fase de protótipos, exigindo um maior investimento inicial.

O alemão Boxer, da Artec, é um veículo modular, e um de seus módulos em desenvolvimento possui uma torre CMI 3105 , equipada coo um canhão de 105mm. Apesar das inegáveis qualidades desse veículo, seu alto custo de aquisição e manutenção dificulta sua utilização em exércitos com menores recursos.

Em breve, mais informações sobre esse programa estarão disponíveis nas páginas de Tecnologia & Defesa.

16 Comentários

  1. No período de desenvolvimento do Guaraní 6×6, havia informações de que o Guaraní 6×6 já vinha com um espaço entre eixos para inclusão de outro eixo e alongamento da estrutura para uma versão 8×8.
    Pelo jeito essa informação era falsa.
    Espero que ao menos desta vez o EB desenvolva uma versão 8×8 com maior número de peças e desenho baseado no Guarani.
    Chega de importar projetos importados, já temos a capacidade (na verdade sempre tivemos) para desenvolver e fabricar algo localmente.
    É esperar para ver cenas dos próximos capítulos.
    Pior que o final já vejo se desenhado no horizonte.

  2. ”Algo que se deve ter ciência é que apenas os blindados da família Centauro/Centauro 2, da CIO, e o Tipo 16, da japonesa Mitsubishi, foram desenvolvidos especificamente para a função que o EB está buscando, sendo o restante viaturas de transporte adaptadas, e que a maioria ainda se encontram na fase de protótipos, que exigiria um maior investimento inicial.”

    Não precisa de mais.

  3. O Centauro 1 ou 2 tropicalizado, com ajustes para utilizar peças do guarani. A torre Hitfact com produção nacional da ares/imbel, proposta que já foi ofertada alguns anos atrás. A torre poderia entrar até na modernização dos Leopard, que futuramente seriam retirados e colocados no próximo blindado nacional. Lembrando que a Hitfact pode usar canhão de 105 e 120 mm. Seria o cenário ideal comunidade altíssima entre todos os veículos do EB e com grande nível de nacionalização

    • Centauro I ou Centauro II ”tropicalizado”, não creio que a Itália vá querer um concorrente no mercado. Faz muito mais sentido o Exército Brasileiro adquirir o Centauro II com canhão de 120mm com transferência de tecnologia. O que tudo indica que será isso tendo em vista que os demais concorrentes desse programa, são apenas protótipos, ou seja, se levaria alguns anos para que o Exército Brasileiro detenha, caso escolhesse algum concorrente ainda possui somente o protótipo. Nós já temos a fabrica da IVECO aqui e a parceria entre IVECO-Brasil nunca esteve tão boa. Não tendo dúvidas de que será o Centauro II com canhão de 120mm. Será um salto tecnológico e de poderio bélico absurdo em nossa região. Ai é torcermos para que tenhamos um ‘tank’ também com canhão de 120mm no futuro.

    • Prezado Colombelli: o senhor como especialista considera que o Centauro II seria uma alternativa aos Leopards ou uma complementação em determinados cenários? Obrigado!

      • A pergunta não foi para mim mas são viaturas que se complementam. Alias o 8×8 vai ser utilizado junto comas brigadas mecanizadas com 6×6. Ele é caça Carros. Salvo melhor juízo!! O Colombelli é do ramo!!!

  4. Gostaria também de externar a minha predileção pelo Centauro II dotado com canhão de 120mm.
    Um outro ponto, só com um foco adicional: considero que o Urutu e o Cascavel foram inquestionáveis sucessos no mundo todo, não só devido ao desempenho operacional testado em combate mas também porque suas peças e acessorios em grande parte foram oriundos de veiculos civis fabricados em série. Assim a predileção pelo Centauro II não é só porque outros concorrentes tenham sido derivados de aplicações mais leves a partir da qual foram adaptados, mas sim por suas qualidades destacadas em matérias divulgadas pela imprensa especializada.

  5. O AMV da PATRIA mantém a capacidade anfíbia mesmo armado com a torre mais pesada? Caso mantenha pode ser uma vantagem para o Brasil devido a grande quantidade de cursos d’água em nossa topografia, caso não mantenha essa capacidade acho que o centauro II 120mm seria o melhor.

  6. Centauro 2, da Iveco-Oto Melara é o escolhido, os outros só tão fazendo figuração pra dizer que tem concorrência

  7. Vão adquirir, muito provavelmente, o Centauro II. Uma VBC sobre rodas, que não tem a função primária do enfrentamento cara a cara, do choque direto, etc, mas que é armada com canhão 120 mm, mais potente que o canhão do nosso MBT. Não seria mais lógico primeiro solucionar a questão dos Leopard 1A5? Substituí-los por um CC mais moderno ou ao menos aplicar uma modernização profunda, que incluiria também a substituição do canhão 105 mm por outro 120 mm? Depois disso solucionado, aí sim se partiria para o Centauro II ou similar.

  8. Incrível a semelhança do natimorto EE-18 Sucuri com o Centauro… sem dúvida, uma concepção a frente de seu tempo nos idos de 80…

  9. Bem, tenho cá minhas dúvidas de que haverá de fato uma concorrência justa e igual para todos.
    De qualquer forma, em havendo o próximo passo que é o RFP, esperamos que as empresas que se apresentarem façam com que os italianos da Iveco se esforcem para oferecer uma proposta realmente vantajosa para o exército. Do contrário, há quem dentro da força simpatizaria muito com um Patria 8×8 nas cores verde-oliva há muito tempo.

  10. Gostaria externar que estamos atentos a todos os comentários feitos pelos senhores na Tecnodefesa (a quem agradeço pela matéria) . Estamos atentos às suas observações e buscando a melhor opção para nosso Exército. Fiquem à vontade para participar também de forma oficial na Consulta Pública, que está aberta tanto para empresas como para pessoas físicas. Obrigado!!!

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here