Sistemas de optrônicos para carros de combate

A Hensoldt oferece equipamentos projetados para estender os ciclos de vida dos carros de combate da família Leopard 2 ou Marder. Conversamos sobre algumas dessas soluções com Luis Gueren, head de Marketing de Hensoldt para América Latina.

Manter a paz, garantir a integridade das fronteiras e proteger as sociedades é um desafio para qualquer nação. Para alcançar esses objetivos, as forças devem estar prontas de combater a qualquer hora do dia ou da noite, em clima adverso e em topografia acidentada. Para as forças terrestres, isso significa ser capaz de observar e avaliar o terreno e detectar, identificar e rastrear com absoluta segurança. Significa também estar atento ao ambiente e protegido de ameaças imperceptíveis a olho nu.

Com base em anos de experiência em soluções de radar, de guerra eletrônica e optrônicos, a Hensoldt desenvolveu um amplo espectro de sistemas para forças terrestres que auxiliam as operações militares em todo o mundo. Suas origens históricas remontam na invenção de dispositivos ópticos de precisão e compreende, cada vez mais, a necessidade premente de precisão e confiabilidade nos equipamentos de defesa e segurança.

 

Tecnologia&Defesa – Quais são os sistemas EO/IR atuais da Hensoldt? Poderia nos explicar as capacidades desses sistemas?

LG – Os nossos sistemas EO/IR fornecem capacidades de imagem multiespectral, desde o espectro visível até o infravermelho, além de marcação a laser, iluminação e designação. Os dados de imagem e alvo podem ser mesclados dando às forças uma imagem precisa das condições naquele momento. Esses sistemas são ideais para operações militares, bem como para segurança pública e outras aplicações de defesa.

 

T&D – Além disso, como os sensores da Hensoldt podem ser integrados em outras plataformas e quais são os benefícios?

LG – As nossas unidades de sensor de alvo podem ser facilmente integradas em estações de armas e em outras plataformas que necessitam de um pacote optrônico compacto, leve e de alto desempenho.

Além disso, podem ser facilmente instaladas em veículos novos sobre rodas, lagartas e blindados, ou podem ser integradas em sistemas clássicos. A integração dos novos equipamentos da Hensoldt podem ser tanto em sistemas novos quanto os já existentes, permitindo que as forças militares tenham a flexibilidade de atualizá-los conforme necessário.

Os equipamentos de estabilização e alvo garantem a tripulação a manutenção da consciência situacional independentemente das condições em que estejam operando. Com esses sistemas, podem realizar operações de mira de forma eficiente mesmo em alta velocidade ou em baixa visibilidade. Isso ajuda a aumentar a segurança e a eficácia das operações militares, bem como a capacidade dos veículos de se moverem com mais facilidade e rapidez em uma variedade de ambientes.

 

 

 

T&D – Poderia comentar sobre os sensores ATTICA-GL e ATTICA-GM da Hensoldt? Como esses podem melhorar o desempenho Leopard e dos Marder?

LG – A Hensoldt desenvolveu os sensores de última geração ATTICA-GL e ATTICA-GM, que são plug&play e podem facilmente substituir o visor termal WBG-X, hoje obsoleto, usado no carro de combate Leopard e no veículo de combate de infantaria Marder. Com interfaces mecânicas e elétricas idênticas e espaço disponível, essas soluções de atualização são de fácil integração. Além disso, a alta comunalidade das peças facilita a logística. Ambos os sistemas oferecem o mesmo desempenho de visão noturna, permitindo que os artilheiros cumpram suas missões de forma eficaz de dia ou de noite ou sob condições meteorológicas adversas. Desde dezembro de 2015, o WBG-X já sofre com deficiência na cadeia logística, mas as soluções ATTICA-GL e ATTICA-GM foram projetadas para atender a essa necessidade de atualização mantendo a eficácia operacional.

 

T&D – Como o ATTICA-GL pode melhorar o desempenho do Leopard 2?

LG – O ATTICA-GL é um visor termal de terceira geração projetado especificamente para o Leopard 2, oferecendo qualidade de imagem muito maior do que seus predecessores WBG-X ou OPHELIOS. Com o ATTICA-GL, o artilheiro pode detectar, reconhecer e identificar alvos a distâncias maiores e a tomar as medidas adequadas. Além disso, oferece uma série de funções opcionais como foco automático, homogeneização, compressão dinâmica e aprimoramento de borda, bem como zoom digital de 2x. Também é possível adicionar um monitor extra. O ATTICA-GL é o complemento perfeito para as soluções de mira para o periscópio PERI R17 e PERI RTWL. Com ambos, artilheiro e comandante tem a visão da mesma imagem, ampliando a eficiência da missão.

 

T&D – Quais são os principais produtos da Hensoldt para os Leopard e como eles melhoram a eficiência e a segurança no campo de batalha? Poderia comentar sobre o sistema de defesa ativa MUSS?

LG – Além do ATTICA-GL, o PERI R17 é uma solução de mira para o comandante do Leopard oferecendo excelente qualidade de imagem, ampla gama de funções e grande facilidade de uso. Inclui um sistema de controle de armamento e um sistema de observação periscópica. O PERI RTWL é uma mira para o comandante e o artilheiro fornecendo qualidade de imagem excepcional e uma série de funções avançadas, como a capacidade de detectar e seguir automaticamente alvos.

O OTS (Optronic Targeting System) é um sistema de mira que oferece excelente precisão no rastreamento e identificação de alvos, mesmo em condições adversas. Também fornece um alto nível de estabilização de imagem e um amplo campo de visão.

Por sua vez, o Spectus é um sistema de sensor eletro-óptico de alta performance que utiliza uma câmera de imagem térmica e um canal de imagem diurno oferecendo desempenho superior em condições de pouca luz e visibilidade limitada. Também possui uma série de funções adicionais, incluindo rastreamento automático de alvos, zoom de alta resolução e capacidade de transmitir informações para uma central de comando e controle.

O MUSS (multifunctional self-protection system) é um sistema de defesa ativa desenvolvido pela Hensoldt que é utilizado em tanques como o Leopard para protegê-los contra ameaças como mísseis antitanque e granadas propulsadas por foguetes.

Sendo facilmente integrado em várias plataformas, utiliza sensores de alta tecnologia para detectar ameaças em potencial e, em seguida, acionar um sistema de contramedidas para neutralizá-las antes que atinjam o tanque. As contramedidas incluem a emissão de fumaça, a realização de manobras evasivas e a ativação de interferidores eletrônicos.

Em resumo, o MUSS aumenta significativamente a proteção do tanque, permitindo a sua operação com maior segurança em zonas de conflito aumentando a sobrevivência da tripulação.

 

Artigos Relacionados

Formulação Conceitual dos Meios Blindados do Exército Brasileiro ESTADO-MAIOR DO EXÉRCITO-PORTARIA Nº 162-EME, DE 12 DE JUNHO DE 2019 Documento...

Pela primeira vez no Brasil, foi realizado o reabastecimento em voo (REVO) por helicóptero, foi a chamada Operação MANGA. Na...

Durante a Eurosatory 2024, que esta ocorrendo no Centro de exposições Paris-Nord Villepinte, localizado nos arredores de Paris, a empresa...

Variante com uma nova torre é  apresentada na feira de Paris A BAE Systems está apresentando o CV90MkIV com uma...

Na quarta-feira (12), o mercado de defesa se agitou com a notícia divulgada pelo portal britânico Janes de que o...

A AVIBRAS Indústria Aeroespacial S/A, que em tempos passados foi considerada uma das maiores empresas  de defesa do mundo, mas...

Comentários

Uma resposta

  1. Paulo uma dúvida já se sabe se a torre hitfact IIBR vai usar sensores Elbit ou Hensolt? tendo em vista que a Leonardo dona de 25% da Hensolt… até porque isso não só tem eco no programa de modernização dos Leopard com no seu substituto já que seria 3 plataformas usando um mesma cadeia logística.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

DISPONÍVEL