Robôs: maiores possibilidades

No final de abril, o 2º Batalhão de Engenharia de Combate (2º BE Cmb) realizou instruções com a ferramenta remota robô TEODOR, em apoio à Companhia de Defesa Química, Biológica, Radiológica e Nuclear (Cia DQBRN), do Comando de Operações Especiais (COpEsp).

As instruções, ministradas pelo Destacamento Especial de Engenharia para Desativação de Artefatos Explosivos (Dst Esp E DAE), tiveram como objetivo demonstrar as capacidades do robô na desativação de explosivos, que são internacionalmente conhecidas como EOD “Explosive Ordnance Disposal” (EOD), e suas aplicações em defesa química, biológica, radiológica e nuclear.

O equipamento possui diversos implementos com capacidade de detecção e identificação de agentes químicos e radiológicos, além de quatro câmeras de vídeo acopladas. Pode ser controlado de uma distância de até um quilômetro do local da operação, permitindo o manuseio de objetos sem o risco de contaminação por qualquer tipo de agente.

Todas as medidas sanitárias de prevenção à covid-19 foram tomadas, como utilização de álcool em gel, uso obrigatório de máscaras e o respeito ao distanciamento.

Fonte: 2º Batalhão de Engenharia de Combate
Fotos: cabo Pedro e soldado Abreu

Artigos Relacionados

Formulação Conceitual dos Meios Blindados do Exército Brasileiro ESTADO-MAIOR DO EXÉRCITO-PORTARIA Nº 162-EME, DE 12 DE JUNHO DE 2019 Documento...

Pela primeira vez no Brasil, foi realizado o reabastecimento em voo (REVO) por helicóptero, foi a chamada Operação MANGA. Na...

Empresas brasileiras destacam inovações e capacidades no cenário internacional A Associação Brasileira das Indústrias de Materiais de Defesa e Segurança...

Para celebrar os feitos dos mais de 25 mil homens e mulheres brasileiros que lutaram na 2ª Guerra Mundial, o...

Desde 1º de janeiro de 2023, o dr. Artur José Dian ocupa o cargo de Delegado-Geral da Polícia Civil do...

Em um surpreendente anuncio ocorrido hoje, dia 11 de junho, a empresa franco-germânica KNDS informou que encerrou as negociações de...

Comentários

2 respostas

  1. Paulo, novamente parabéns pela reportagem do uso do robo Teodor, mas gostaria: 1º) de uma “boa” explicação no caso dos caminhões HEMTT 984 – Oshkosh – lembrando que um dia antes, foi reportada uma “reunião” com o gal. Chefe do DMat – se não estou enganado. Será que o Chefe do DMat ignora a quantas andam as aquisição de meios pelo EB ? Lembrando que, pelo que aprendi aqui mesmo a aquisição de meios através do FMS-USA é bem específica (isenta de surpresas quero dizer)!! 2º) O robo Teodor possui “patente” dentre seus utilizadores? Poderia haver uma reportagem específica acerca de seu uso, fabricação e futuras possibilidades de nacionalização e uso? A distância de controle (1km) é considerada segura para os fins de contaminação/química/biológica?

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

DISPONÍVEL