Rheinmetall produzirá munição do Gepard para a Ucrânia

Atuando em nome da Ucrânia, o Ministério da Defesa alemão instruiu a Rheinmetall Waffe Munition GmbH (RWM) a fornecer 300.000 cartuchos de munição de 35×228 mm para a viatura blindada de combate de defesa antiaérea Gepard, utilizado pelo Exército de Kiev. O valor do pedido não foi divulgado, mas está na casa de três dígitos de milhões de euros.

A Rheinmetall fornecerá dois lotes de 150.000 munições, com projéteis do tipo APDS-T (“Armor Piercing Discarding Sabot – Tracer”) e HEI-T (“High Explosive Incendiary – Tracer”), que permitirão sua utilização em uma infinidade de alvos. As primeiras entregas com APDS-T deverão ocorrer no segundo semestre de 2023 e a mudança de produção para HEI-T está planejada para meados de 2024.

Em sua fábrica localizada em Unterlüß, na Alemanha, a RWM está atualmente montando uma linha de produção adicional para munição de médio calibre, que deve entrar em operação no próximo semestre, mas a construção desta nova linha de produção, a empresa está respondendo ao forte aumento da demanda global.

A Rheinmetall é um dos principais fabricantes mundiais de sistemas avançados de armas de defesa aérea. Líder de mercado em sistemas baseados em armas e mísseis guiados é o único fornecedor mundial de tecnologia de controle de fogo, canhões automáticos, lançadores de mísseis guiados integrados e munições antiaéreas programadas AHEAD. Entre seus sistemas de defesa aérea mais avançados está o Skyranger 30 montado no veículo blindado multifuncional com rodas 8X8 Boxer.

Foto Rheinmetall

Fonte: Rheinmetall

Artigos Relacionados

Formulação Conceitual dos Meios Blindados do Exército Brasileiro ESTADO-MAIOR DO EXÉRCITO-PORTARIA Nº 162-EME, DE 12 DE JUNHO DE 2019 Documento...

Pela primeira vez no Brasil, foi realizado o reabastecimento em voo (REVO) por helicóptero, foi a chamada Operação MANGA. Na...

Após um breve período de calmaria, que parecia que a tragédia ambiental no Sul estava chegando ao seu final, uma...

A Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) planeja testar uma das mais avançadas tecnologias de imageamento por satélite. Isso será...

A IACIT fortaleceu sua posição no mercado ao estabelecer uma colaboração estratégica com a Omnisys Engenharia, subsidiária da Thales, e a Meteomatics,...

A MBDA assinou uma emenda contratual com a Organização para Cooperação Conjunta em Armamento (OCCAR) para aumentar as capacidades técnicas...

Comentários

6 respostas

  1. Cansaram de pedir nossas munições? kkkk agora vão ter que por ativa novamente a linha de produção ativa

  2. Essa antiaérea é mais eficiente do que eu pensava. Eu achava, que o Gepard, teria mais sucesso, se usado contra helicópteros e no máximo, aviões de ataque ao solo, em voos de baixa altura.
    Mas um tempo atrás, eu vi um vídeo, de uma dessas, abatendo um míssil de cruzeiro russo, em fase de aproximação do alvo.

    1. A CBC não produz essa munição.
      O Exército comprou munição junto com o blindado e vai usando ela a conta-gotas até acabar a vida útil do equipamento.

  3. Uma boa madrugada de sábado a todos os senhores camaradas do TecnoDefsa!

    Muito interessante a declaração do secretário geral da NATO:

    “O secretário-geral da OTAN, Jens Stoltenberg, disse a repórteres nesta segunda-feira (13/02) que a aliança militar está aumentando suas metas de armazenamento de munição, em meio ao rápido esgotamento de seus estoques.

    Mesmo com a mobilização do Ocidente e o apoio da aliança militar OTAN, a Ucrânia segue enfrentando dificuldades na frente de batalha. Um dos maiores desafios no momento é a escassez de munição. Ou seja: o exército ucraniano está disparando muito mais munição do que as empresas de armamento ocidentais são capazes de produzir”.

    “A guerra na Ucrânia está consumindo uma enorme quantidade de munição”, afirmou Stoltenberg, na véspera da reunião do grupo de contato para a Ucrânia, que acontece nesta terça em Bruxelas, com participação de representantes de mais de 50 países. “Os gastos com munição na Ucrânia são muitas vezes maiores do que nossas taxas de produção atuais. Isso coloca nossas indústrias de defesa sob pressão”, destacou.

    Atualmente, as fábricas de munições estão trabalhando em plena capacidade e os prazos de entrega são enormes. Por exemplo: quem encomenda balas de grande calibre hoje precisa esperar 28 meses pela entrega.

    “Inicialmente, cobrimos as enormes necessidades da Ucrânia somente com nossos estoques. Mas não podemos continuar assim”, disse o secretário-geral. “

    Não tenho nenhuma preferencia por quem irá ganhar essa guerra na Europa Oriental (me preocupo com a defesa de meu país), mas acho que o que disse logo quando a guerra fez 3 meses, que logo a “água bateria na bunda” da NATO. Vale lembrar que a Russia está quase que sozinha conduzindo as operações, ao passo que a Ucrânia está somente de pé até o momento porque tem gente pagando a fatura do cartão de crédito…mas uma hora o caixa destas nações também secarão…

    Sgtº Moreno
    (CM)

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

DISPONÍVEL