Realizado mais um teste de tiro do MSS 1.2 AC

O Centro de Avaliações do Exército (CAEx), o Campo de Provas da marambaia,localizado em Guaratiba (RJ), realizou, em 22 de maio do corrente, o teste de lançamento para avaliação técnica do Míssil Superfície-Superfície 1.2 Anticarro (MSS 1.2 AC).

O teste foi executado por engenheiros e técnicos, militares e civis, cuja atividade foi conduzida pelo chefe do CAEx, general de brigada João Paulo Zago, e verificou a segurança no emprego do material e o cumprimento dos requisitos técnicos projetados, além de ratificar os quesitos de segurança e eficácia. Na ocasião, o míssil foi lançado contra um alvo com blindagem e, para averiguar o êxito do teste, foi utilizado um conjunto de câmeras e drones que registraram sua  trajetografia.

O Míssil MSS 1.2 Anticarro é equipado com sistema de visão noturna infravermelho que permite seu emprego em condições de pouca visibilidade. Seu peso também favorece a utilização por tropas aeroterrestres e aeromóveis. 

Essas características conferem versatilidade ao armamento, que pode ser empregado em operações militares contra diversos tipos de ameaças, como veículos blindados, construções fortificadas, depósitos de combustível e munição, embarcações e até contra helicópteros pairando à baixa altura.

A evolução do Míssil MSS 1.2 Anticarro até a sua versão atual é resultado do projeto elaborado pela Seção de Mísseis e Foguetes do CTEx em parceria com a empresa nacional SIATT – Sistemas Integrados de Alto Teor Tecnológico.

O desenvolvimento do míssil MSS 1.2 pelo Exército Brasileiro insere-se no escopo da Ciência, Tecnologia e da Inovação e coopera com o desenvolvimento nacional. Entre os principais benefícios sociais do projeto, estão a geração de empregos e o fortalecimento da Base Industrial de Defesa, além da projeção internacional do Brasil pela geração de novas capacidades militares.

Fonte: Departamento de Ciência e Tecnologia

PARA SABER MAIS

Exército confirma o envio de mísseis anticarro para Roraima

Artigos Relacionados

Formulação Conceitual dos Meios Blindados do Exército Brasileiro ESTADO-MAIOR DO EXÉRCITO-PORTARIA Nº 162-EME, DE 12 DE JUNHO DE 2019 Documento...

Pela primeira vez no Brasil, foi realizado o reabastecimento em voo (REVO) por helicóptero, foi a chamada Operação MANGA. Na...

A Condor Tecnologias Não Letais anunciou detalhes dos integrantes do Conselho de Administração, após a recente aquisição de uma participação...

Acordo entre França, Bélgica, Chipre, Estônia e Hungria, assinado em 19 de junho, celebra a cooperação estratégica para a aquisição...

A KATIM, uma empresa do Grupo, e a Thales começarão a discutir o co-desenvolvimento de tecnologias de rádio definido por...

Durante a Eurosatory 2024, que esta ocorrendo no Centro de exposições Paris-Nord Villepinte, localizado nos arredores de Paris, a empresa...

Comentários

12 respostas

  1. Sr. Paulo Bastos, saberia informar se esse teste refere-se a homologação do MSS 1.2 AC fabricado pela empresa SIATT?

  2. Particularmente, acredito que a SIAT deveria colocar um nome mais comercial no produto do que MSS 1.2 AC; só uma sugestão.

  3. Boa Noite! A Siatt deve agregar mais capacidades / atualizações a este produto, ou o senhor acredita que o projeto do Mss permanecerá intocado?

  4. é uma boa nosso país começar a fazer teste com míssel pra proteger nossa nação e mais tá ficando muito preocupado com estes país vizinhos estão vindo muito para Brasil e de ficar preocupados vamos cuidar mais do nosso país ,fui militar também vamos cuidar da nossa nação brasil acima de tudo

  5. Devemos Fortalecer as Indústrias de Armas Brasileiras. Aumentar para 3% do PIB o Orçamento de Defesa. Pois o Mundo está de Olho no Território do Brasil: Cobiça.

  6. Esse missil , infelizmente a tecnologia e muita ultrapassada , mais vale a pena pelo menos investirmos em outro modelo de guiagem.

  7. Maravilha! Que comprem milhares de mísseis e centenas de lançadores. É com a escala industrial que vamos ver lançamentos de versões aprimoradas. É de tremenda utilidade ter a capacidade de produzir em massa um armamento como este em caso de necessidade. Sem falar nos empregos que vamos gerar.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

DISPONÍVEL