Operação Vanguardeiro I, os Leopard simulam um ataque coordenado

5
2010

Entre os dias 04 e 07 de julho, o 1º Regimento de Carros de Combate (1º RCC), o “Regimento Vanguardeiro”, aquartelado em Santa Maria (RS),  realizou a Operação Vanguardeiro I.

A operação foi realizada pela Força-Tarefa da Força de Prontidão (FORPRON), composta pelas viaturas blindadas de combate carros de combate (VBC CC) Leopard 1A5BR e as viaturas blindadas de transporte de pessoal (VBTP) M113BR, que executou no terreno todas as fases de um ataque coordenado, cuja finalidade foi aprimorar as técnicas, táticas e procedimentos dos pelotões.

A atividade iniciou com o recebimento da ordem de operações do Comando do Regimento, seguido pelo planejamento e aprestamento do material individual e coletivo. Em seguida, o efetivo ocupou a zona de reunião no Campo de Instrução de Santa Maria para a emissão das ordens à subunidade e aos pelotões. Estabelecidas todas as diretrizes, as frações executaram o ataque coordenado.

Além das frações do 1º RCC, participou do exercício um pelotão do 29º Batalhão de Infantaria Blindado (29º BIB), o “Batalhão Cidade de Santa Maria”.

 

Com informações do 1º Regimento de Carros de Combate
Fotos: soldado  Moura e cabo Eduardo Müller

5 Comentários

    • Bueno, antes de uma progressão com blindados é feito um planejamento se levando em conta vários aspectos (pelo menos é isso que está preconizado na doutrina), incluindo o terreno e a capacidade do inimigo, o que determina a forma que o deslocamento será feito. Ou seja, todos os riscos serão mitigados com a utilização de táticas adequadas ou viaturas de apoio.
      Devemos lembrar que uma Força Tarefa Blindada é compostas por seus meios blindados, e elementos de apoio, observação, defesa e, principalmente, artilharia.

  1. Bom dia A Todos,

    Caro Paulo,

    Tenho uma dúvida e solicito
    seu sempre valioso retorno
    e esclarecimento:

    Acredito que o Helicóptero entre as diversas capacidades de executar tarefas multimissões é um vetor e fator multiplicador de poder de fogo, inquestionável, principalnente quando atua em conjunto com uma força de blindados. Neste caso, tomando como exemplo, as unidades estacionadas em Santa Maria/RS, e demais cidades da Região Sul, incluindo aí, também a infraestrutura da Base Aérea de Santa Maria, não entendo como que até agora não existe um Bavex neste Grande Comando ? Penso que, ao não termos helicópteros junto a estas unidades, deixamos de ter todo o potencial de fogo e a vital projeção de força que pode fazer toda a diferença num futuro conflito na região.

    Qual a sua avaliação ?

    Obrigado,

    Arlindo

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here