Operação Coxilha – O primeiro exercício operacional dos M109A5+BR do 3º GAC AP

O 3° Grupo de Artilharia de Campanha Autopropulsado (3º GAC AP), o Regimento Mallet, aquartelado em Santa Maria (RS) e subordinado a 6ª Brigada de Infantaria Blindada (6ª Bda Inf Bld), participou, no período de 19 a 23 de outubro, da Operação Coxilha 2020, no Campo de Instrução Barão de São Borja (CIBSB), Saicã. Na oportunidade, a Organização Militar cumpriu diversas missões de tiro empregando os novos obuseiros M109A5+BR.

A atividade registrou o inédito feito do primeiro exercício, dentro de um contexto tático, com a realização de tiros pelas novas Viaturas Blindadas de Combate Obuseiros Autopropulsados M109 A5+BR do 3º GAC AP.

 

M109A5+BR

Em 2014, o Exército brasileiro adquiriu um lote de 40 Viaturas Blindadas de Combate Obuseiro Autopropulsado (VBC OAP) M109 A5, diretamente do governo dos Estados Unidos, através de seus programas de Artigos de Defesa Excedente (Excess Defense Articles – EDA) e Vendas Militares Estrangeiras (Foreign Military Sales – FMS). Desses, 2 foram recuperados e transformados em treinadores pelo Parque Regional de Manutenção da 5a Região Militar (Pq R Mnt/5), e 6 seriam para reaproveitamento de componentes (spare parts).

Os 32 remanescentes foram modernizados pela empresa BAE Systems a um custo de aproximadamente US$ 54 milhões, sendo transformados na versão M109A5+BR, sendo enviados ao 3º e 5º GAC AP.

A modernização, além dessas viaturas s A modernização, além dessas viaturas retornarem ao “estado de novas”, ganharam radares de medição de velocidade inicial e bloqueador remoto do tubo (ambos originais da versão A6), equipamentos de sistema digital de direção de tiro, navegação inercial e GPS (que possibilitarão a automação de procedimentos e integração com cartas digitais em tempo real), rádios digitais Harris Falcon III, que é o mesmo utilizado pelas demais viaturas das tropas blindadas, e intercomunicadores Thales SOTAS.

Esses implementos possibilitarão uma melhora considerável no poder de fogo das unidades com o aumento da capacidade de resposta em missão de tiro, maior velocidade de preparação e realização dos disparos, redução de erros de dados do alvo, aumento de precisão dos cálculos balísticos, comunicação digital com mais segurança e transmissão de dados, em relação à versão A5 original.

O 3º GAC recebeu seus obuseiros no final do ano passado, onde substituíram as VBCOAP M108, de 105 mm, e atualmente operam em conjunto com os remuniciadores M992A2.

 

Com informações da Comunicação Social do 3º GAC AP

Artigos Relacionados

Formulação Conceitual dos Meios Blindados do Exército Brasileiro ESTADO-MAIOR DO EXÉRCITO-PORTARIA Nº 162-EME, DE 12 DE JUNHO DE 2019 Documento...

Pela primeira vez no Brasil, foi realizado o reabastecimento em voo (REVO) por helicóptero, foi a chamada Operação MANGA. Na...

A AVIBRAS Indústria Aeroespacial S/A, que em tempos passados foi considerada uma das maiores empresas  de defesa do mundo, mas...

Empresas brasileiras destacam inovações e capacidades no cenário internacional A Associação Brasileira das Indústrias de Materiais de Defesa e Segurança...

Para celebrar os feitos dos mais de 25 mil homens e mulheres brasileiros que lutaram na 2ª Guerra Mundial, o...

Desde 1º de janeiro de 2023, o dr. Artur José Dian ocupa o cargo de Delegado-Geral da Polícia Civil do...

Comentários

3 respostas

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

DISPONÍVEL