Operação Arandu – O tiro do Astros

2
1883

Na final da manhã de hoje, 17 de novembro, ocorreu no Campo de Instrução Barão de São Borja (CIBSB), em Rosário do Sul (RS), o tiro da Bateria Astros do 16º Grupo de Mísseis e Foguetes (16º GMF), dentro do Exercício Combinado Operação Arandu.

Foi efetuado uma com uma salva de dezoito foguetes de treinamento SS-09TS, de 70 mm, em um alvo localizado a cerca de 8.000 metros de distância, por duas viaturas lançadoras (AV-LMU), sendo essa a segunda vez que o Astros atira nessa operação, tendo havido um tiro de ensaio noturno no dia 15.

O evento foi acompanhado com muita atenção pelos militares argentinos que estão participando do exercício.

De Norte a Sul em 60 dias

No dia 15 de setembro deste ano, uma bateria Astros pertence ao 6º Grupo de Mísseis e Foguetes (6º GMF), também composta por duas viaturas lançadoras (AV-LMU), efetuou a primeiros os primeiros disparos de foguetes do sistema de artilharia Astros na Amazônia Oriental, realizando uma salva completa de dezesseis foguetes SS-30, de 127 mm, e quatro SS-40, de 180 mm, em uma alvo localizado a mais de 40 km de distância, no campo de tiro do Centro de Instrução de Guerra na Selva (CIGS), dentro da Operação Amazônia 2020.

Já no dia 06 de outubro, uma Bateria formada por quatro lançadores, pertencentes ao 6º e 16º GMF, dispararam uma salva de foguetes de treinamento SS-09TS, de 70 mm, em um alvo localizado a 7.600 metros de distância, no Campo de Instrução de Formosa, dentro da Operação Treme Cerrado IX.

Esses exercícios, em locais tão distantes de sua base no Forte Santa Barbara, em Formosa (GO), mostram a enorme capacidade do Centro de Logística de Mísseis e Foguetes (C Log Msl Fgt), do Comando de Artilharia do Exército (Cmdo Art Ex), em dar todo o suporte operacional as Baterias Astros II, em qualquer ponto de território brasileiro, além da sua capacidade de deslocamento de forma rápida, eficiente e utilizando todos os modais de transporte disponíveis. Capacidade essa que será em muito aumentada com a entrada em plenitude operacional das aeronaves de transporte multimissão KC-390 Millennium, na Força Aérea Brasileira (FAB).

 

Vídeo enviado pela comunicação Social do Comando Militar do Sul

2 Comentários

  1. Armas pessoais – Eng. Paulo, bom dia! O material necessário (polímero) utilizados em tantas armas de porte pessoal é o mesmo que encontra-se em produção pela Imbel na coronha e guarda-mato do fuzil IA2? Há possibilidade e desejo (?) de produção deste tipo de armamento, neste material (polímero) pela Imbel? Interessante avaliar que as FFAA e as Polícias Militares e Civil, seriam clientes “certos” deste tipo de armamento! Qual o requisito de exclusividade (armamento restrito à venda), você poderia fazer uma matéria acerca de eventual produção de PST em polímero pela Imbel? Quais as vantagens deste tipo de material haja vista sucessos mundiais repetidos há mais de 40 anos das alemãs HK-VP 70 e da austríaca Glock.

  2. Paulo, boa tarde. Parabens por mais uma cobertura excelente. Com o advento de drones suicidas, como vimos há pouco no conflito Armenia x Azerbaijão, blindados foram facilmente neutralizados pelos referidos drones. Desta forma, qual seria a proteção adequada, inclusive no quesito custo x benefício, para o nosso sistema Astros?

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here