Operação Amazônia 2020 – A participação da 2ª Brigada de Infantaria de Selva

5
1768

Direto do Front

Na última quarta-feira, dia 23 de setembro, encerrou-se o maior exercício militar já realizado na Amazônia Ocidental, a Operação Amazônia 2020. Agora os comandos avaliam seus resultados e identificam todas as dificuldades de uma operação desse vulto, bem como suas tropas retornaram a suas unidades.

A 2ª Brigada de Infantaria de Selva (2ª Bda Inf Sl), Brigada Araribóia, conhecida como “A mais indígena do Exército”, sediada em São Gabriel da Cachoeira (AM), distante 1.132 km de Manaus, e com o acesso unicamente fluvial com apoio do Centro de Embarcações do Comando Militar da Amazônia (CECMA), apresenta seu vídeo de retrospectiva da operação.

A 2ª Bda Inf Sl, deslocou ao todo 853 militares, pertencentes as Companhia de Comando da 2ª Brigada de Infantaria de Selva (Cia C/2ª Bda Inf Sl), 2° Batalhão Logístico de Selva (2º B Log Sl), 2º Pelotão de Comunicações de Selva (2º Pel Com Sl), 3º Batalhão de Infantaria de Selva (3º BIS), 21ª Companhia de Engenharia de Construção (21ª Cia E Cnst) e Comando de Fronteira Rio Negro e 5º Batalhão de Infantaria de Selva (Cmdo Fron RN/5º BIS), e uma frota fluvial própria, composta por 59 embarcações, sendo:

  • 04 Ferryboats;
  • 01 Embarcação para Transporte de Tropa (ETP);
  • 01 lancha comando;
  • 02 Embarcação Tática de Grupo PBL Guardian 25′;
  • 51 Embarcações Patrulha Grupo (EPG), “Voadeiras” para 9 ocupantes;
Parte da frota da 2ª Brigada na operação Amazônia 2020 (foto 2ª Bda Inf Sl)

Essa força foi a responsável por estabelecer contato e substituir a Força Velame (aeroterrestre), da Brigada de Infantaria Pára-quedista (Bda Inf Pqdt), e da reconquista das estratégicas cidades de Novo Airão e Moura, um dos vértices do chamado “Delta Prometido”, e para tanto se uniu aos 10º Grupo de Artilharia de Campanha de Selva (10º GAC Sl) e 12º Esquadrão de Cavalaria Mecanizada (12º Esqd C Mec).

Vídeo: Comunicação Social da 2ª Bda Inf Sl

5 Comentários

    • Ola Bueno, em novembro haverá uma grande manobra militar no SUL, com a Argentina, envolvendo forças blindadas e mecanizadas, a Operação Arandu, que também pretendemos cobrir.
      Esse deslocamento deve ser uma preparação, mas vou averiguar.

  1. Paulo Bastos em uma live acredito que do comandante Farinazzo você exibiu imagens da retomada de uma cidade durante a Operação Amazônia 2020 eu percebi que não havia misseis antitanque no inventario da tropa o exercito apenas utilizam AT-4 e canhão sem recuo de 84mm não se faz necessário um armamento destes se o inimigo por acaso possuir blindados nível MBT em plena selva o AT-4 e Canhão de 84mm será que darão conta do recado ?

    • O problema é a utilização de MBT’s, ou veículos mais pesados, na Amazônia.
      Veja bem, a região tem um acesso terrestre muito limitado, sendo sua principal via de deslocamento a fluvial, ou seja, se quer conquistar a Amazônia, deve-se conquistar seus rios. Por isso, em minha opinião, lanchas blindadas e armadas são mais importantes que carros de combate.
      A utilização de blindados na região se da apenas nos poucos pontos de acesso terrestre as principais cidades, principalmente no eixo Manaus-Boa Vista.
      A Amazônia, devido a sua complexa logística, é um mundo a parte do Brasil, e deve-se pensar em soluções próprias.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here