O Humaitá já está no mar

1
1781

No dia de hoje, 11 de dezembro, a Marinha do Brasil lançou ao mar o submarino Humaitá (S41), no Complexo Naval e Industrial de Itaguaí (CNI), no sul do Estado do Rio de Janeiro, em meio às comemorações alusivas ao Dia do Marinheiro.

Na mesma oportunidade houve a junção simbólica da seção de popa do submarino Tonelero (S42) e a demonstração dos estágios de construção e testes das unidades previstas no Programa de Desenvolvimento de Submarinos, o ProSub.

O Tonelero, em primeiro plano, e o Humaitá, o fundo (Imagem: MB)

O evento contou com as presenças  do presidente da República, Jair Messias Bolsonaro, acompanhado do governador em exercício do Rio de Janeiro, Claudio Castro; dos ministros da Defesa, general-de- exército Fernando Azevedo e Silva e da Ciência, Tecnologia e Inovação, Marcos Pontes; dos comandantes da Marinha, almirante de esquadra Ilques Barbosa Junior e da Aeronáutica, tenente-brigadeiro do ar  Antonio Carlos Moretti Bermudez; além do diretor-presidente da Itaguaí Construções Navais (ICN), André Portalis, do embaixador dos Estados Unidos da América no Brasil, Todd C. Chapman, que se juntaram a diversas outras autoridades civis e militares, brasileiras e estrangeiras.

André Portalis, do ICN, alertou em seu discurso para a falta de uma política de defesa brasileira clara e contínua, e que isso poderá pôr a perder todos os ganhos conseguidos com tanto custo pelos atuais programas militares. “Para manter essa soberania brasileira, aqui no Complexo Naval de Itaguaí, com a ICN, precisa o Brasil desenvolver uma política industrial de defesa, o que significa sustentar a atividade dos parceiros industriais chaves”, disse ele.

Destacou-se a participação do submarino nuclear USS Vermont (SSN 792), da Marinha dos Estados Unidos (US Navy), que atracou na Base de Submarinos da Ilha da Madeira (BSIM) no dia de ontem. A esposa do ministro da Defesa, Adelaide Azevedo e Silva, “madrinha” do Humaitá conduziu a tradicional cerimônia da quebra da garrafa de champagne.

A Senhora Adelaide Azevedo e Silva, esposa do ministro da Defesa e “madrinha” do Humaitá, na hora do “batismo” (Imagem: MB)

O Humaitá é a segunda belonave da Classe Riachuelo (Projeto S-BR), baseada no modelo francês Scorpène. O programa prevê um investimento total de R$ 37, 1 bilhões e cerca de R$ 20,8 bilhões já foram utilizados.

O USS Vermont: participando de exercícios navais com a esquadra brasileira no inicio da semana, atracando no BSIM ontem e recebendo a visita do presidente Bolsonaro hoje (Imagens: MB)

1 Comentário

  1. Muito top, mas a Marinha precisa construir mais, acredito que 15 submarinos desse da Classe Scorpéne + o Tikuna, seria ideal para ajudar na defesa da nossa Amazônia Azul.

    16 submarinos seria muito bom para reforçar, apesar de ainda ser pouco.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here