O Fim dos Super Porta-Aviões? Classe Gerald Ford ficará restrita a quatro navios (US Navy)

3
2558
Super Porta Aviões Nucleares com seus dias contados?
Em uma fabulosa história de Paul McLeary, da Breakdefense.com, o futuro da estrutura de força empregando Super Carriers da América é enfatizado, ou pelo menos o planejamento dessa futura estrutura de força.
Eu sugiro que você leia a matéria na íntegra, mas vale a pena detalhar alguns dos principais pontos aqui, pois eles terão um impacto substancial em muitos dos tópicos que abordamos ou que serão abordados daqui para frente.
Alguns dos pontos principais incluem:
A Força-Tarefa Future Carrier 2030 será introduzida em breve e participará de um estudo de seis meses que analisará a viabilidade e a capacidade de sobrevivência dos porta-aviões, refletindo as ameaças emergentes que questionam sua capacidade de projetar capacidade de combate relevante durante um conflito entre pares.
Essa força-tarefa procurará prever ameaças além de 2030, bem como as sensibilidades de construção naval que surgirão durante esse período.
As descobertas podem influenciar profundamente a futura estratégia de compras e operações de porta-aviões da Marinha.
O estudo será realizado em conjunto com o aprofundamento contínuo da estrutura de forças da Marinha e com os requisitos de construção naval nos próximos 30 anos, que serão liderados pelo vice-secretário de Defesa David Norquist.
O secretário interino da Marinha, Thomas Modly, está liderando a Força-Tarefa Future Carrier 2030. As duas iniciativas podem acabar em desacordo, pelo menos de alguma maneira.
Atualmente, estão planejados quatro super carriers da classe Ford, o último será entregue por volta de 2032. É possível, se não provável, que as compras da classe terminem naquele momento e que uma nova classe o substitua.
Provavelmente será um design mais barato e menor.
Está surgindo uma possível mudança no uso de porta-aviões nas operações da linha de frente para controlar grandes áreas oceânicas e reforçar as linhas críticas de suprimento durante um conflito entre pares.
O porta-aviões USS Dwight D. Eisenhower e seu grupo de ataque treinaram para esse papel na preparação para o maciço exercício Defender-Europa do Exército. O “Ike” e seus acompanhantes simulavam cruzar o Atlântico sob condições contestadas – uma realidade que a Marinha diz que já se manifestou.
Esse foi o primeiro exercício desse tipo desde 1986 e incluiu a luta contra submarinos simulados, guerra eletrônica e ataques aéreos. Em outras palavras, os navios basicamente abriram caminho através do Atlântico e protegeram um comboio carregado de reforços para a guerra terrestre, exatamente como na Batalha do Atlântico durante a 2ª Guerra Mundial.
O atual modelo de implantação de porta-aviões da Marinha é considerado falido e restrito pela estrutura de força que o sustenta.
O conceito Lightning Carrier, sobre o qual The War Zone foi o primeiro a relatar, está sendo examinado de perto como uma maneira de reforçar e ajudar a redefinir as opções de projeção de poder da Marinha.
Além disso, realocar destacamentos de F-35Bs em terra para campos de pouso austeros poderia fazer parte da futura doutrina de combates aéreos.
Todas essas questões foram discutidas antes, mas parece que elas estão ganhando força dentro do Pentágono.
Os navios anfíbios transformados em Lightning Carriers não substituiriam os navios de convés da Marinha, mas qualquer navio que vier depois da classe Ford provavelmente será menor.

Obviamente, nossos leitores estão familiarizados com os argumentos a favor de porta-aviões menores e com os benefícios que podem trazer para a US Navy (Marinha dos EUA), embora continue sendo um tópico estranhamente esquecido.

Mesmo abandonando os Super Carriers com deslocamento de 100.000 toneladas em favor de projetos menores, mas ainda grandes, cerca de 65.000 toneladas, isso é visto por muitos como sacrilégio, a mudança do combustível nuclear para o combustível convencional é ainda mais controversa.

Independentemente disso, parece que os poderes dentro do Pentágono estão finalmente chegando a um acordo sobre o custo imposto pela implementação de uma estratégia de compras totalmente voltada para os Super Carriers e como quão insustentável isso está a ficar.

Até o descarte de Super Carriers movidos a energia nuclear, após o término de suas vidas úteis, está se tornando um empreendimento extremamente caro.

Isso é um acréscimo às preocupações em torno de investir tanto em tão poucos cascos à luz dos ventos geopolíticos e dos crescentes recursos potenciais de negação de área e anti-acesso dos potenciais inimigos dos Estados Unidos (leia-se China).

No momento, podemos estar a apenas seis meses do surgimento de uma grande mudança na estratégia naval americana, que poderia degradar a noção de que enormes porta-aviões movidos a energia nuclear são a melhor maneira de alcançar os objetivos de defesa nacional dos Estados Unidos.

Entre em contato com o autor: Tyler@thedrive.com

3 Comentários

    • O português, que se escondia atrás do pseudônimo Xerem, só sabia falar merda sem graça, mas não sabia que o IP do computador de onde ele escreve as merdas é 200.97.98.158 e o e-mail dele é fabriciosantos40@hotmail.com, e ele já está identificado, inclusive sabemos onde mora, etc. Notificação a caminho, viu português? quer outra de português, Xerem?

  1. Gosto do conceito de porta-aviões menores dentro das 60 ou 70 toneladas máximas, acredito que uma boa quantidade seria melhor que grandes navios, propulsão nuclear é ideal mas, deveríamos estudar meios menos perigosos, sonho com o Brasil com uma frota de respeito com 10 navios aeródromos na casa das 60 toneladas, uma frota de 30 gripen naval e com toda uma esquadra de apoio. sem falar em submarinos na esquadra, mais alguns sozinhos fazendo patrulha em nossa amazônia azul.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here