O declínio do Poder Naval – Uma ameaça à sobrevivência nacional

Paulo Maia

Para Geoffrey Till, renomado historiador naval britânico e professor emérito do King’s College London, o Poder Naval, componente militar do Poder Marítimo de um país, contribui sobremodo para o fortalecimento dos demais elementos do referido poder, entre eles, sociedade e governo, economia do mar, geopolítica, infraestrutura portuária, construção naval e Marinha mercante. Dessa forma, quanto mais forte for uma Marinha militar, mais fortes serão os componentes desse segmento, gerando um círculo virtuoso na consolidação do Poder Marítimo de um estado, conclui Till. 

Os oceanos exercem um papel fundamental na globalização econômica e na política internacional e, nos últimos anos, as massas oceânicas têm tido sua importância cada vez mais destacada em função de ser relevante fonte de riquezas e um dos principais meios de locomoção e conexão entre redes comerciais e países, além de permitir que as nações mais desenvolvidas projetem seu poder econômico e militar seja em âmbito regional ou global. A capacidade de projeção de poder tem sido o principal motivo que faz com que os estados, desde a antiguidade, procurem desenvolver e consolidar suas capacidades nos oceanos através da construção de um Poder Marítimo dominante. É importante destacar que o Poder Naval contribui para garantir a estabilidade e o equilíbrio na segurança da economia e dos mares, além de garantir a soberania e sobrevivências das nações que estão interligadas às respectivas maritimidades.

Corroborando a importância que os estados nacionais mais desenvolvidos dedicam à construção e manutenção de Poder Naval com capacidades dissuasórias de efetiva credibilidade, por exemplo, dos 12 países mais ricos do mundo, com a “honrosa exceção do Brasil”, todos contam com programas navais abrangentes, complexos industriais ativos e detentores de tecnologias próprias e Marinhas militares de ascendência global ou local. Pode-se nomear os Estados Unidos, China, Reino Unido, Rússia, França, República da Coreia, Japão, Alemanha, Canadá, Itália e Índia.

As Marinhas desses países, de maneira isolada ou integrando alianças militares, podem realizar com elevado nível de prontidão e em grandes áreas oceânicas as quatro tarefas do Poder Naval que são o controle de área marítima, a negação do uso do mar, a projeção de poder sobre a terra e a dissuasão, explorando com eficiência as características básicas deste atributo que são a mobilidade, permanência, versatilidade e flexibilidade.

O ataque hediondo do grupo terrorista Hamas contra civis israelenses no dia 7 de outubro provocou a mobilização de Forças Navais capazes de realizar plenamente tais tarefas.Observe-se o deslocamento de dois CSG (Carrier Strike Group) compostos pelos navios-aeródromo USS Dwight D. Eisenhower e USS Gerald R. Ford e navios-anfíbios dos Estados Unidos, França e Inglaterra para o Mediterrâneo Oriental, em apoio direto a Israel. Tais meios de grandes potências ocidentais possuem a capacidade de explorar com êxito a graduação do emprego de força, atuando em um arco que vai da dissuasão até a projeção de poder sobre terra.

O Brasil, apesar de integrar o grupo de países mais ricos do planeta, devido à exportação de “commodities”, acaba por ser associado às nações ainda em desenvolvimento por possuir um Poder Nacional incompatível com suas dimensões e importância devido a sua debilidade política, psicossocial, cientifico-tecnológica e militar, sendo incapaz de proteger e defender seus interesses onde for necessário, assim como fazem os governos protagonistas do planeta.

A fragilidade do Poder Nacional brasileiro, a partir de uma visão mais direta em contraste a conceitos ou opiniões mais elaboradas, pode ser creditado a alguns fatores. A falta de grandeza da elite política que, ao longo da história, tem se dedicado com muita energia a seus próprios projetos em vez de construir um projeto nacional de crescimento, progresso e prosperidade. O resultado evidente do fracasso dessa elite intelectualmente medíocre é a falta da geração de estadistas e a existência ao longo do tempo de líderes populistas com soluções pontuais e demagógicas para os problemas nacionais apoiados por pessoas ou grupos, incluídos funcionários públicos da mais alta hierarquia dos três poderes, que desejam apenas a manutenção de seus status quo em detrimento da nação. A lamentável e insofismável comprovação de que a elite brasileira assim se comporta pode ser baseada em informações do Fundo Monetário Internacional (FMI). Entre as nações listadas por esta instituição o Brasil é o sétimo país mais rico em recursos naturais e, segundo projeções para o corrente ano, vai estar incluído entre as dez maiores economias. Entretanto, a renda per capita da população no ano de 2018 era a 65ª do mundo, demonstrando o grau de pobreza.

Isso leva o Brasil a ser apenas uma liderança regional, a qual poderá a vir sofrer contestação. Por outro lado, também tem conduzido a uma relativa subserviência aos interesses ou influência de outras nações, notadamente as grandes potencias políticas, econômicas e militares, que procuram transformar outros países em estados vassalos, sob suas esferas de influência.

Ainda, como resultado da ação política fisiologista e clientelista, existem grandes dificuldades para a implantação do que seria o primeiro grande passo para um salto de patamar, um programa poderoso de educação gerando amplo conhecimento e estimulando a inteligência e a técnica nacionais. A má qualidade da educação impacta diretamente em todos os aspectos do Poder Nacional. Isso pode ser verificado, dentre outras situações, pela formação anual de engenheiros. Enquanto que no Brasil a média tem sido em torno de 40 mil profissionais, na República da Coreia, Índia, Rússia e China os números são de 90 mil, 220 mil, 450 mil e 650 mil, respectivamente. Ressalte-se que esses quatro países, além do desenvolvimento econômico e tecnológico, possuem complexos navais militares em plena atividade e Marinhas modernas com elevado nível de prontidão.

A debilidade política, psicossocial e cientifico-tecnológica do Poder Nacional se reflete diretamente no Poder Militar brasileiro que é subdimensionado e incompatível com o nível de riquezas e da população que deve proteger e defender. Seus três pilares (naval, terrestre e aéreo) apresentam uma série de deficiências que têm sido uma preocupação constante das Forças Armadas, que encontram dificuldades em conseguir o eco em seus planos de modernização e ampliação de capacidades junto aos políticos que, invariavelmente, menosprezam a agenda de Defesa.

Neste contexto o Poder Naval tem sido o que tem sofrido o maior nível de degradação durante os últimos anos. A falta de prioridade de sucessivos governos e o alto nível de investimentos para obtenção, operação, manutenção e modernização de meios tem contribuído para uma diminuição gradativa e constante da Marinha do Brasil (MB), com o agravante da obsolescência de navios em bloco, que levará a uma redução da atual frota em cerca de 40 % até o ano de 2028, agravando as vulnerabilidades.

O comandante da Marinha, almirante-de-esquadra Marcos Sampaio Olsen, em reportagem publicada no jornal “O Estado de São Paulo” no final do mês de outubro e reverberada nas redes sociais, sinalizou com a significativa retirada de navios e advertiu que o corte de verbas ameaça a Defesa Nacional.  De acordo com a matéria, os efeitos do ajuste fiscal previsto pelo governo federal colocam em risco, entre outros, recursos para o funcionamento regular da instituição como combustível e munições. Dos R$ 79 milhões indispensáveis para recompor a munição da MB, foram alocados em 2023 apenas R$ 6,8 milhões, além de receber apenas 57% do combustível mínimo previsto para manter os navios operando.

O almirante Olsen, atentou para a reportagem, sobre a grave crise da Força Naval. Informou que nos últimos cinco anos, a MB deixou de receber R$ 3,3 bilhões para a manutenção de seus investimentos. Como resultado da grave restrição orçamentaria 43 navios de diversas Classes estão no fim da vida útil e devem ser retirados nos próximos cinco anos. As estas previsões devem ser somados os meios navais desincorporados entre os anos de 2000 e 2022, entre esses um navio-tanque, dois navios-aeródromo (Minas Gerais e São Paulo), três navios-anfíbios, três submarinos, três navios-varredores e 11 navios-de-escolta. Para substituir esta miscelânea de meios o governo disponibilizou recursos, no mesmo período, que permitiram que fossem obtidos, por compra de oportunidade ou construção, apenas um navio porta-helicópteros (Atlântico, renomeado navio-aeródromo multipropósito), um navio-desembarque doca (Bahia), uma corveta (Barroso) e dois submarinos (Tikuna e Riachuelo). Para a recomposição do núcleo combatente da MB, a Esquadra, estão em construção somente três submarinos, em graus diversos de prontificarão e quatro fragatas, mais os primeiros passos na construção de um submarino de propulsão nuclear, que será equipado com sistemas de armas convencionais, previsto para incorporação lá em 2037.    

A falta de navios na Esquadra e nos Distritos Navais, voltados para a segurança do tráfego marítimo e com funções análogas às de uma Guarda Costeira, prejudicam a prevenção e o combate a inúmeras ameaças nas Águas Jurisdicionais Brasileiras (AJB). Como uma das alternativas para que esta situação crítica possa ser equacionada, o almirante Olsen propõe parâmetros como reduzir a quantidade de militares de carreira substituindo-os por temporários e realizar concursos para preencher vagas civis, com o objetivo de reduzir custos com pessoal. Destaca também a importância da harmonia com o Poder Civil, além da obtenção de recursos para os projetos estratégicos da Força em andamento.      

“A disponibilidade de meios operativos – navios, aeronaves e meios de Fuzileiros Navais – é uma variável que deve ser analisada com base no fator tempo. Em razão do limite da vida útil, 43 embarcações da Marinha do Brasil devem ser desativadas até 2028, o que corresponde a aproximadamente 40% dos meios operativos da Força. Essa expectativa pode sofrer variações de acordo com avaliações técnicas da estrutura e das condições operativas dos navios, sem alterar significativamente, contudo, o quadro geral desse cenário. A baixa de um meio sem a correspondente recomposição pode implicar na degradação de capacidades da Força Naval e sua prontidão para atender a diversas tarefas previstas, em particular aquelas voltadas à defesa da soberania, à segurança marítima, ao atendimento de tratados internacionais dos quais o Brasil é signatário e ao apoio às ações do Estado, como calamidades públicas, assistência às populações ribeirinhas e combate a crimes transfronteiriços e ambientais“, disse.

A fragilidade da Força Naval além do impacto direto no combate a ameaças nas AJB repercute na missão constitucional da MB e em sua capacidade de cumprir as tarefas básicas do Poder Naval em benéfico da nação no entorno estratégico brasileiro, que tem uma área de 55 milhões de Km².

ENTORNO ESTRATÉGICO

 A definição do entorno estratégico (EE) é muito mais um resultado da Intelligentsia Naval do que do Poder Político, sendo fato que a MB é reconhecida internacionalmente pelo alto nível profissional de seus integrantes que extraem de meios navais vetustos os melhores resultados operacionais e doutrinários. Entretanto, a visão circunscrita da maioria dos atores políticos referente à geopolítica e importância deste EE e da necessidade de liderança positiva do Brasil junto aos países integrantes dessa grande área geográfica, limitam o crescimento do Poder Militar nacional e, cumulativamente, a influência política e psicossocial.

Evidente que tal quadro vai permitir que potências estrangeiras operem com desenvoltura e exerçam grande ascendência nas nações africanas e sul-americanas naquele que deveria ser um “Mare Nostrum” brasileiro. A ampliação da presença de navios de Marinhas do Hemisfério Norte, inicialmente dos integrantes da Organização do Tratado do Atlântico Norte (OTAN), ganhou a adição de navios asiáticos e do Oriente Médio.

A presença constante de navios de países da OTAN no Golfo da Guine é o resultado de uma linha de ação que vem sendo desenvolvida desde o século passado. Em dezembro de 1988, a então secretária de Estado norte-americana Madeleine Albright, durante reuniões para avaliar propostas de novas missões para a OTAN, defendeu com veemência a ampliação da esfera de atuação da organização militar mencionando, entre outras regiões, a África Atlântica. Pode-se, ainda, nomear a Antártica, fundamental para o equilíbrio do ecossistema sul-atlântico e consequentemente para toda América do Sul, sem contar que as suas inúmeras riquezas minerais sob os auspícios de pesquisas cientificas já foram ‘’batizadas’’ como territórios antárticos por alguns países.

O RV Maria S. Merian recolhendo dispositivo após a intervenção da fragata brasileira

O Atlântico Sul tem sido alvo de diversas ações realizadas por nações que não são integrantes desta região do planeta. São exemplos desta presença, que têm aumentado significativamente, a realização de pesquisas ‘’cientificas’’. Em abril do corrente ano a fragata Independência foi acionada para interceptar o moderno navio de pesquisa alemão RV Maria S. Merian que estava operando na Elevação de Rio Grande, em AJB, sem autorização. O deslocamento de grandes frotas pesqueiras da China, que atuam de forma predatória, pode comprometer a segurança alimentar dos países costeiros.

A OTAN, no Golfo da Guiné, com a justificativa de combater atos de pirataria tornou-se rotina, em uma tarefa que deveria ser das Marinhas locais.  O fornecimento de navios militares pela China aos países africanos e a visita de navios chineses amplificam a já notável influência daquela superpotência no continente, movimento que tem sido acompanhado de perto pela Rússia que também busca garantir seu “quinhão” em uma das regiões mais ricas do planeta. Os Estados Unidos, ao reativar o comando da IV Frota, componente naval do Comando Sul (USSOUTHCOM), em 2008, demonstrou estar interessado em restabelecer sua liderança nos espaços do Atlântico Sul, contendo o avanço de outros atores. Contudo, a presença extra regional mais emblemática é a da Inglaterra que domina um cinturão de ilhas, incluindo algumas bases militares, que no caso de uma crise ou conflito Norte x Sul podem ser utilizadas para atingir os litorais da Argentina ou do Brasil e seus campos de exploração de petróleo no mar. Estas ilhas, em caso de um bloqueio naval, podem ser inseridas na repaginação moderna do Plano Anaconda, criado pelo general Winfield Scott durante a Guerra Civil americana.

Outro aspecto que pode ser considerado como crucial em relação às possessões britânicas é a sua utilização em uma estratégia antiacesso e negação de área, através de formas permanentes da geografia, que podem ser empregadas como plataformas para o lançamento de misseis balísticos ou de cruzeiro de longo alcance e aeronaves convencionais ou remotamente tripuladas. É o que vem sendo implementado pela China no Mar do Sul, inclusive com a construção de ilhas artificiais.   

O contraponto poderia ser a existência da Zona de Paz e Cooperação do Atlântico Sul (ZOPACAS), estabelecida por meio da Resolução 41/11 da Assembleia Geral das Nações Unidas, em 27 de outubro de 1986, por iniciativa do Brasil e apoiada pela Argentina. Entretanto este fórum não se organiza como uma aliança defensiva e, se tivesse esta atribuição, a soma dos Poderes Navais dos membros seria diminuta quando comparada às potências extraregionais.

A ZOPACAS, integrada por África do Sul, Angola, Argentina, Benin, Brasil, Cabo Verde, Camarões, Congo, Costa do Marfim, Gabão, Gâmbia, Gana, Guiné, Guiné-Bissau, Guiné-Equatorial, Libéria, Namíbia, Nigéria, República Democrática do Congo, São Tomé e Príncipe, Senegal, Serra Leoa, Togo e Uruguai, tem como principal proposta atuar como um mecanismo dinâmico de articulação no Atlântico Sul (área marítima compreendida entre a Antártida e o paralelo 16° N). Este fórum busca promover a cooperação regional para o desenvolvimento econômico e social, proteção do meio ambiente, conservação de recursos vivos e minerais, a segurança de toda a região através da integração multilateral fundamentada em iniciativas relacionadas à não proliferação de armas nucleares e de destruição em massa.  

PODER NAVAL E A SOBREVIVÊNCIA DA NAÇÃO

 A América do Sul pode ser considerada como uma grande ilha ligada à porção norte do continente através do istmo da América Central, sendo que o Brasil ocupa uma posição predominante no Atlântico Sul do qual depende amplamente para seu desenvolvimento econômico e sua segurança.  

As AJB, integradas pela Zona Econômica Exclusiva (ZEE) e a extensão da plataforma continental proposta pelo Brasil à Organização Marítima Internacional somam um total de 5.700.000 Km². A área de Busca e Salvamento (SAR) marítima sob de sua responsabilidade compreende uma extensa área do Oceano Atlântico, que abrange toda a costa brasileira e se estende na direção leste até o meridiano de 10º oeste, em um total de mais de 14.000.000 Km².

Nas AJB estão localizadas 13 bacias petrolíferas (Pelotas, Santos, Campos, Cumuruxatiba, Jequitinhonha, Camamu-Almada, Sergipe-Alagoas, Pernambuco-Paraíba, Potiguar, Ceará, Barreirinhas, Pará-Maranhão e Foz do Amazonas) e as que se encontram em plena produção são responsáveis pelo fornecimento de mais de 90% do petróleo nacional. Especialistas estimam que nas principais bacias petrolíferas as reservas existentes atinjam mais de 150 bilhões de barris. 

A chamada Bacia do Pré-Sal que abrange as de Santos e Campos está localizada entre 150 a 300 km da linha da costa. O comércio exterior (importações e exportações) brasileiro é realizado por via marítima através de mais de 40 portos e terminais marítimos costeiros e fluviais organizados. A movimentação de navios na costa brasileira é de aproximadamente 136 navios por dia, volume comparável com o tráfego marítimo europeu.

O Brasil possui 14% das reservas mundiais de água-doce distribuídas em 12 bacias hidrográficas (Amazônica, São Francisco, Tocantins-Araguaia, Paraná, Parnaíba, Uruguai. Paraguai, Atlântico Nordeste Oriental, Atlântico Nordeste Ocidental, Atlântico Leste, Atlântico Sudeste, Atlântico Sul) e os rios que as constituem são verdadeiras estradas líquidas que contribuem para a integração e desenvolvimento.

A maior parte da população e os maiores centros industriais se concentram no litoral, do mesmo modo as maiores densidades demográficas (acima de 100 habitantes/km²) estão situadas em torno de eixos espaciais intensamente urbanizados em áreas costeiras ou próximas ao extenso litoral.

No ano de 2004, o almirante-de-esquadra Roberto Guimarães Carvalho, na época comandante da Marinha, publicou um magnifico texto chamado de ‘’Amazônia Azul’’. Tratou-se de mais um alerta, dos muitos anteriormente realizados por diversos chefes navais e órgãos de impressa comprometidos de fato com os legítimos interesses nacionais, a respeito do potencial de imensas riquezas pertencentes aos brasileiros, ocultos sob a imensa massa liquida oceânica. Foi um vigoroso alerta sobre a necessidade de vigiar, defender e garantir a posse deste potencial fundamental para a sobrevivência do País como nação soberana e próspera. Quase vinte anos depois, diante das profundas transformações que estão ocorrendo no mundo, o artigo do ilustre almirante se reveste de uma atualidade indiscutível.

Entretanto, apesar dos alertas, que continuaram a ser feitos e da importância vital da maritimidade do Brasil a Esquadra foi reduzida drasticamente e a MB continuará sofrendo este processo brutal até o ano de 2028, sem que haja a garantia da mínima reposição dos meios que serão baixados.

Navios chineses são responsáveis pelo maior percentual de pesca ilegal no mundo

 Os programas de submarinos e de fragatas da Classe Tamandaré, são da maior relevância, porém a sua dimensão está muito distante da efetiva reconstrução e implantação de um Poder Naval com capacidade dissuasória crível, ou seja, capaz de causar danos em qualquer adversário, como definiu didaticamente o almirante Olsen. 

O anuncio do PAC, em sua vertente Defesa, no último mês de agosto abriu a perspectiva que ocorreria de fato uma aceleração e ampliação dos projetos em andamento e que, no caso da MB, poderia ocorrer o planejamento para obtenção de navios de diversas Classes que já fazem falta a prontidão e operacionalidade da Força como navios-anfíbios e de apoio, além da ampliação do, mesmo que modesto, número de submarinos e fragatas. Contudo, ao ser analisado, o PAC permitirá apenas, no máximo, a continuidade dos programas em andamento, desde que não haja descontinuidade de ações planejadas e contingenciamentos orçamentários. Em síntese, considerando-se a conclusão daquilo que está em andamento e a previsão do início de outras iniciativas, como as de navios-patrulha, o Brasil continua na mesma condição de estar de “costas para o mar”.

No dia 04 de outubro passado, setores da sociedade mais desenvolvidos e comprometidos receberam uma excelente notícia. Ocorreu no Complexo Naval de Itaguaí a cerimônia de corte da primeira chapa da seção de qualificação do submarino Álvaro Alberto. Um momento significativo do ProSub que vai necessitar do Poder Político uma visão refinada de Estado para garantir os recursos necessários para a construção, operação e manutenção deste submarino e para a continuidade da série planejada pela MB que, em essência, tem conduzido o seu Programa Nuclear praticamente sem o apoio incondicional de sucessivos governos.  

Marinhas de pequeno ou mesmo de médio portes, geralmente, por terem poucos recursos, contam com reduzidos meios navais e aéreos, o que limita suas capacidades em realizar plenamente as tarefas básicas do Poder Naval. Considerando este fato, a negação do uso do mar a um eventual adversário, torna-se a principal tarefa e os submarinos seus meios mais importantes.

Na realidade, a boa notícia do dia 04 de outubro não consegue ofuscar o “réquiem” da Esquadra que continua a passos largos uma vez que, em 2023, a ForSub perdeu a metade dos submarinos de seu inventário, que se somam ao significativo número de meios de superfície retirados de serviço.

Desses, o Tamoio, por apresentar uma grave avaria técnica nos tubos de torpedos, de alto custo para solução, dificilmente teria sua baixa postergada. Mas o Timbira e o Tapajó, com apenas 27 e 24 anos de idade, respectivamente, poderiam, havendo recursos suficientes, continuarem em serviço por mais alguns anos até serem substituídos por um eventual segundo lote de novos submarinos. Deve-se assinalar que os submarinos alemães Type 209, quando submetidos a manutenções tecnicamente acuradas, possuem longa vida operacional. Registre-se o caso do submarino colombiano Type 209/1.200 Pijao, comissionado em 1975, que em setembro passado se deslocou para os Estados Unidos para participar do programa DESI (“Diesel Electric Submarine Iniciative” – iniciativa submarino diesel elétrico) junto à US Navy.

O Tapajó havia recebido o sistema de combate integrado da Lockheed Martin AN/ BYG 501 Mod 1D para operar torpedos pesados MK-48 Mod 6AT ADCAP

O caminho para o fim da Esquadra brasileira, provocado pela falta de prioridade da maioria dos políticos para a agenda de Defesa e a incipiente mentalidade marítima da população em geral, impedem que o Brasil adquira capacidades para proteger e defender seu mar territorial, mas também projetar influência sobre o Atlântico Sul, cuja importância cresce geometricamente. O fato é que o Brasil, por pelo menos um século, tem ‘’dado as costas para o mar’’.

A descoberta de amplos recursos petrolíferos, o conceito de Amazônia Azul que provocou o ressurgimento da mentalidade marítima na população brasileira, permitindo assim que haja por parte da sociedade os primeiros passos no entendimento da necessidade da construção de um Poder Naval polivalente, compatível com o entorno estratégico brasileiro, poderão no futuro permitir que a MB cumpra sua missão constitucional através da existência de uma grande capacidade de dissuasão perante o cenário internacional na sua principal área de interesse, garantindo as próximas gerações.

 

Matéria publicada na edição nº 173 da revista Tecnologia & Defesa

 

Artigos Relacionados

Formulação Conceitual dos Meios Blindados do Exército Brasileiro ESTADO-MAIOR DO EXÉRCITO-PORTARIA Nº 162-EME, DE 12 DE JUNHO DE 2019 Documento...

Pela primeira vez no Brasil, foi realizado o reabastecimento em voo (REVO) por helicóptero, foi a chamada Operação MANGA. Na...

As tripulações estão prontas para operar, a bordo do novo blindado, em todos os contextos operacionais. A Escola de Cavalaria...

O grupo italiano Leonardo vem registrando importantes marcas neste início de 2024. Dentre as conquistas e acordos de cooperação recentemente...

No dia de ontem, 27 de fevereiro, representantes da Diretoria de Fabricação (DF) do Exército Brasileiro visitaram a empresa Ares...

NOTA À IMPRENSA A Associação Brasileira das Indústrias de Material de Defesa e Segurança (ABIMDE) expressa seu entusiasmo e gratidão...

Comentários

27 respostas

  1. Excelente matéria, a MB carece e muito de meios de superfície em quantidades tanto para o mar quanto para os rios.

  2. Ótima análise.
    Mas penso que isentar o almirantado de culpa nesse processo de encolhimento da Marinha do Brasil já deveria ter sido superado. O São Paulo, por exemplo, e toda a sua conturbada história na MB, da aquisição até o seu desnecessariamente complicado descarte, é culpa da classe política?
    Como uma instituição como essa, que mal dá conta de submarinos convencionais, quer operar um nuclear? É preciso enumerar aqui as enormes responsabilidades que vêm junto com essa aquisição em relação ao ciclo dos reatores, da operação até o descarte? Falta um mea-culpa dos tomadores de decisão da MB, afinal, é muito cômodo culpar político, falta de verba, pouco interesse da sociedade e blá-blá-blá quando se possui um histórico de má administração.

    1. Prezado 737-800RJ.
      Agradecemos a especial atenção e mensagem.
      No texto quando fazemos referência aos ocupantes dos mais altos cargos dos três poderes. estamos responsbilizando todos pelos descalabros em praticamente todas as áreas que acontece no país. Quando fazemos referência a “elite” todos estão incluídos, entretanto quem assina o cheque são os políticos. Um exemplo a TIDEWISE captou. recentemente 10 milhões para desenvolver com tecnologia de ponta drones navais, por outro lado no começo deste ano uma artista decadente, embora amiga de alguns políticos, recebeu 5 milhões para realizar 38 palestras.
      Os caras do DF a muito tempo, muito tempo mesmo vem cagando ralinho para o Brasil, evidencia disto o lixo da educação que produz milhões de analfabetos funcionais.
      grato pela atenção.

      1. a artista captou verba de uma lei de incentivo cultural, onde uma empresa de inscreve para usar 1 % do Imposto que deve , para investir em cultura e ter seu nome divulgado.

        1. A educação ser como é não é incompetência. É projeto. Projeto eficientemente conduzido. A educação brasileira é de baixa performance para que ela não represente ameaça de concorrência com a rede privada de ensino. O loby das escolas privadas é apenas um entre tantos outros que atuam umbilicalmente junto ao seus representantes políticos nas diferentes esferas de poder.

  3. Parabens ao especialista naval senhor Paulo Maia
    materia belissima.

    2-Acredito que teremos o segundo lote de fragatas
    porem como disse o Alte. Cunha serão navios diferentes da Tamandare.

  4. Mas ai fica uma dúvida, a ser respondida sem “paixões”, a resposta ao problema é a falta de dinheiro ou (também) uso ineficiente da verba existente?
    Normalmente, quando você tem pouco dinheiro, é necessário mais criatividade, racionalidade (eliminar desperdício), austeridade e também priorização.
    Fazemos isso aqui no Brasil?

  5. A MB está colhendo o que plantou. Desmandos, falta de fico, elegendo prioridades inversas, enfiando dinheiro em PMGs de sucatas intermináveis, para em seguida “descobrir” que não era viável e dar baixa no navio, vide NDD Rio de Janeiro, BDD Bahia, NDCC M Maia e não vamos falar do Nae São Paulo para não entrarmos em uma crise de furia e depressão. Enfiou mais de 100 mhoes de dólares na modernização dos Trackers e acabou pagando uma multa cavalar pela rescisão do contrato. Coloquem mais uns 100 milhões de dólares nos A 4 e nos logo veremos porque chegamos ao ponto de ter meia dúzia de escoltas com idade média de 35 anos

    1. perfeito, e sobre o efetivo da Marinha? gostaria de ver uma comparação com as as marinhas citadas, sobre a proporção de pessoal embarcado e pessoal em terra realizando tarefas burocráticas, tipo dirigir para Almirante . Assim como a FAB que nos últimos anos virou táxi aéreo de políticos.

  6. O artigo é excelente. A análise das causas e consequências das atitudes da nossa classe política, intelectualmente e moralmente deficientes, igualmente dos altos escalões das FFAA, mostram a irrelevância do que elas representam. A “elite” não pensa a Nação. Para eles o que importa é o poder pelo poder, o lucro fácil e a vaidade e a arrogância de se sentirem superiores. infelizmente somos um país subdesenvolvido. Lendo os comentários aqui publicados (independente da opinião) fico feliz por existirem pessoas que ainda pensam, discutem e desejam um Brasil maior.

  7. a MB bota a culpa na classe politica enquanto mantem 80.000 efetivos, 75% deles no RJ.
    O EB não está assim.AFAB não está assim.
    A culpa é exclusivamente da administração da MB e de seus devaneios de grandeza.

    1. Cara esse bla bla bla de que o efetivo maior está no RJ é porque a Base da Esquadra é aqui, o AMRJ é aqui, a Base de Subs é aqui, as maiores OMs da MB e Fuzileiros é aqui. Se fosse espalhar pelo país, o que é meio impossivel , seriam muito mais gente!!

      1. Pois é, mas Marinha Australiana, por exemplo que tem tantas responsabilidades junto a imensa costa Australiana e inserida em um TO só com a fina flor da bagacerada mundial,tem um terço do efetivo da MB e obsetva o que são os meios da marinha Australiana e o que são os nossos.

        1. Excelente comparação Juarez e ,pra mim, vale observar todas as forças armadas australianas e os meios que dispõem e os programas correntes e comparar conosco. E isso independe do entorno do país em si pois o Brasil deveria se equipar melhor devido a quantidade absurda de recursos naturais e minerais que possui e que ,queiramos ou não, algum momento será a bola da vez na mira dos grandões geopolíticos.

      2. concentraçao nao é desculpa pra 80.000. E o Brasil nao é so.o RJ. Faz décadas que isso nao se justifica mais. isso ai é gente que quer praia e futebol de areia. A MB com a esquadra é praticamente Rio-Santos. E a foz do Amazonas, e o saliente Nordestino, e o atlántico sul com presença chinesa? nao se trata de bla bla. Trata se de combater o corporativismo e o comodismo

        1. Não tem cabimento termos 80 mil militares na marinha brasileira. Os kras tem menos embarcações que a Marinha italiana. O problema no Brasil não é a falta de preocupação da classe política, é a evidente picaretagem mesmo que é o serviço público no Brasil. Toda autarquia pública brasileira sofre do mal do leviatã. Elas crescem exponencialmente criando mais burocracias para burocracias. E isso gera um grau de ineficiência imenso.

          As pessoas tem essa mania de achar que tudo é corrupção, mas como um paper que eu li na faculdade de economia demonstra, o problema não é corrupção é ineficiência. O setor público está cheio de redundâncias, 5 ou 6 pessoas fazendo o que uma poderia. Para vocês terem uma ideia o índice de ineficiência no Brasil é de 67%. Ou seja, para cada 1 real gasto 0,67 centavos simplesmente somem no ralo da ineficiência. E eles não são desviados, só somem mesmo, em burocracias e rotinas inúteis.

          Com 30 mil efetivos dava e sobrava pra armar a marinha até os dentes, mas vai lá convencer os princesos do oficialato a perder privilégios e mordomias.

          1. Você esqueceu a parte mais importante, a que a marinha faz também o papel de guarda costeira e que grande parte das unidades do MB são destinadas a esse fim, e já que 90% do tráfego marinho fica no sudeste, não tem outra saída do que essa. Se for contar que marinha italiana, australiana etc, lembre-se de contar com suas respectivas guardas costeiras.

  8. Matéria muito boa,a marinha com o PIB aumentando já deve adquirir pelo menos mais lotes dos submarinos Riachuelo e fragatas Tamandaré para ampliar a frota e suprir possíveis defasagens quando a classe Niterói for aposentada e ampliar os meios como construir a MEKO A-200 em Itajaí e outros meios navais franceses em Itaguaí como corvetas Gowind e fragatas Belharra já ofertados pela França e ampliar os novos navios patrulha de 500 toneladas para todos os DNs.

  9. Complementando o acima escrito:…e como exemplo…na Itália, pais de 52 milhões de habitantes,existem 45 “Institutos Técnicos Nauticos” de nível superior , formando alunos em várias áreas do setor marítimo….consultar lista com esse titulo..!!!

  10. Cadê a indústria Naval do Brasil? Não somos capazes de construir embarcações para patrulhar nossos rios? Entendo que Submarino Nuclear seja uma necessidade e que com os drones isso complementa nossa frota mas os rios estão abandonados e é por lá que silenciosamente somos invadidos.

  11. Alexandre os navios patrulha fluvial estão
    patrulhando nossos rios agora quando serão substituidos não sei
    são navios antigos.

  12. Ótima matéria, exclarecedora e profícua. Penso que existe pouca a divulgação, informação e concientização dos problemas e soluções da MB para com a sociedade civil, pois é justamente esta que pode influenciar a a política. Do mesmo modo o Brasil precisa saber aonde quer chegar e traçar este plano, coisa que não o fez atpe hoje. Forte Abra;

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Disponível

DISPONÍVEL