Nota Oficial da Avibras sobre o cenário atual da empresa

Nota à Imprensa

A Avibras agradece as últimas manifestações de reconhecimento da sua importância
estratégica para a soberania do Brasil. A empresa está fortemente empenhada em
garantir a sua recuperação, enfrentando os desafios e as dificuldades do momento com
o apoio, a resiliência e o engajamento dos seus colaboradores.
Após quase dois anos da pandemia da COVID-19, sem dúvida a pior crise sanitária na
história recente da humanidade, a empresa entrou em Recuperação Judicial, medida
que auxilia as empresas em sua reestruturação econômico-financeira. Mesmo com as
condições impostas durante pandemia, a Avibras manteve as operações e preservou
ao máximo os empregos, porém não houve como a companhia minimizar os impactos
da crise em seus negócios. Em paralelo ao processo de Recuperação Judicial, a
companhia segue focada no esforço de vendas tanto no Brasil quanto no exterior. O
governo brasileiro também está mobilizado em apoiar ativamente a empresa nas suas
iniciativas de recuperação.

A Avibras está buscando ampliar seu capital através de investimentos diretos de
empresas estratégicas e o governo acompanha de perto a evolução deste processo,
que é complexo e sigiloso. Há vários investidores interessados, porém nenhuma
transação ocorreu até o momento. Na busca de novos investidores, a prioridade da
Avibras e do governo brasileiro é manter as operações da empresa no Brasil juntamente
com seu capital humano, físico e intelectual, preservando assim a sua história de
conquistas construída ao longo de mais de seis décadas.

A Avibras reforça o seu empenho e compromisso com a sua recuperação, com os seus
colaboradores, parceiros e clientes. A companhia está confiante de que superará todos
os desafios e retomará o crescimento em breve com trabalho, inovação e criatividade.

Assessoria de Imprensa

Artigos Relacionados

Formulação Conceitual dos Meios Blindados do Exército Brasileiro ESTADO-MAIOR DO EXÉRCITO-PORTARIA Nº 162-EME, DE 12 DE JUNHO DE 2019 Documento...

Pela primeira vez no Brasil, foi realizado o reabastecimento em voo (REVO) por helicóptero, foi a chamada Operação MANGA. Na...

Decisão evitará prejuízos a empresas do setor que corriam risco de perder contratos e contribuirá para a sustentabilidade e a...

O cabo Raony Osório, da Polícia Militar do Estado de Santa Catarina (PMSC), que desde maio de 2022 está como...

O Estado-Maior do Exército (EME) publicou no Diário Oficial da União da última sexta-feira, dia 23 de fevereiro, uma nova...

A África do Sul voltou a dar andamento ao programa do míssil ar-ar de curto alcance guiado por infravermelho A-Darter,...

Comentários

13 respostas

  1. Excelente !!! Faço votos que a empresa se recupere e que, se for o caso, o governo compre 51% de suas ações para manter o controle brasileiro da empresa que é a maior e mais estratégica de todas as empresas de nossa BID .

    1. Verdade é absurdo uma empresa dessas não ser controlada pelo governo no aspecto formal, não no operacional

  2. Pela nota, eles aceitam até vender o controle. O que não está em jogo é a transferência pata outro país e desfazer o quadro técnico da empresa.

    1. na verdade expandir o capital como e no caso da airbus e a Empresa pátria só que com investirmentos que no caso seria compras ou novos acionistas assim aumentar o lucro da empresa dentro do pais como a avibras disse na nota pareça tem investidores interessados o que ela quis dizer provavelmente é que tem interessado nos produtos da avibras para comprar los e faz sentido já que a avibras vem negociando com muitos países a vende de seus produtos então só falta o governo investir diretamente na empresa para contribuir ainda mais para recuperar e pra empresa cresce novamento

  3. espero que a Avibras continue no Brasil e que ela saia disso mais forte que entrou… assim como nossa Embraer essas empresas não podem sair daqui.. se vender é questão de tempo para tirarem a planta daqui e levar para outro lugar… pais querendo uma empresa dessa da até briga…

  4. O que é preciso é um bom diretor, um executivo que realmente entenda do ramo, que faça cortes e investimentos realmente necessários, lembro do grande Ozires Silva, quando pegou a Embraer esfacelada, e hoje é exemplo.

  5. Fui aluno da Fundação Avibras entre 1987 e 1989. Fiz meu estágio do curso técnico na empresa.
    Na epoca, passando por uma crise similar à atual.
    Foram tempos difíceis, vivi junto com todos os colaboradores da época, muitos momentos de incerteza. Mas depois, já longe da empresa, ao retornar para SJC para visitar amigos, descobri que a empresa havia voltado a se reerguer.
    Boa sorte aos que estão passando por essa situação, essa é uma empresa da qual me orgulho muito de ter colaborado. Cuidem bem dela, seu esforço hj trará frutos no futuro!

  6. Fico contente em saber q o governo brasileiro está trabalhando em conjunto para recuperar a Avibras. Não podemos entregar nas mãos estrangeiras. Sem dizer da preservação do capital intelectual, empregos mantidos, impostos. Não pode acontecer o mesmo q aconteceu com a Engesa

  7. “A Avibras está buscando ampliar seu capital através de investimentos diretos de
    empresas estratégicas” – creio que a única empresa estratégica brasileira com condições de investir (comprando parte do controle acionário) na Avibras seja a Embraer.

  8. O governo brasileiro devia se mirar na Turquia um País emergente semelhantes ao Brasil e que está se tornando um dos principais players no mercado de tecnologia de defesa mundial. E qual o segredo? A participação do estado. Quase todas as empresas de defesa da Turquia ou são estatais ou tem parceria com o estado. Logicamente pois é um setor sensível e estratégico cujo o maior mercado são os os estados nacionais… Então é dependente das políticas de estado. Não pode ser diferente. Por isso estão certos os que defendem a estatização da Avibras para trazer segurança e perenidade para I negócio…

  9. O estado não precisa ser o controlador, vira ninho de politico ladrão, mas pode ser acionista com voto especial /poder de veto.

  10. Se os diversos governos deste País realizassem, a exemplo de outros países mais desenvolvidos, lobby em favor de nossas empresas no cenário internacional e, principalmente, se nossas forças armadas comprassem mais daqui do que de fora, talvez a AVIBRAS não estivesse em recuperação judicial.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Disponível

DISPONÍVEL