Nanossatélite produzido no ITA completa dois anos em órbita da terra

2
1302

Dois anos atrás, o nanossatélite ITASAT, produzido pelo Centro Espacial do Instituto Tecnológico de Aeronáutica (ITA), com suporte da Agência Espacial Brasileira (AEB) e do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE), subia ao espaço, a bordo do foguete Falcon 9, da Space X, lançado a partir da base da USAF de Vandenberg, na Califórnia,EUA.

O lançamento, previsto inicialmente para o mês de novembro, teve que ser adiado por duas semanas devido aos fortes ventos que assolavam o centro de lançamento americano. O foguete subiu finalmente às 16h31 (horário de Brasília), do dia 3 de dezembro de 2018, levando em seu bojo o módulo SSO-A da Spaceflight, empresa aeroespacial americana, sediada em Herndon, Virgínia, um módulo dedicado para lançamento carona de diversos pequenos satélites. Nesse lançamento, foram lançados 64 satélites, sendo 15 microssatélites e 49 nanossatélites, sendo que apenas três possuíam a configuração 6U, composição de seis cubos com 10 centímetros de aresta, um deles o ITASAT. Três horas após o lançamento do Falcon 9, as estações de terra captaram os primeiros sinais do ITASAT. Coube ao radioamador Roland (PY4ZBZ), francês radicado no Brasil, em Sete Lagoas (MG), o mérito de capturar as primeiras telemetrias do ITASAT.

Com o satélite funcionando, o ITA o manteve, por cerca de um mês, no modo de segurança para avaliar os dados sobre a saúde do satélite. Em janeiro de 2019, o ITA iniciou o comissionamento das cargas úteis (colocação das cargas úteis em operação), operação que se estendeu até março de 2019. Após então, o ITASAT manteve o seu padrão de operação.

Em 3 de dezembro de 2019, o satélite atingiu um ano de operação, portanto, concluindo a sua missão, pois sua vida útil foi projetada para a duração de um ano. Na quinta-feira, 3 de dezembro de 2020, o satélite completa dois anos de operação contínua, atingindo o dobro de sua vida útil prevista em projeto. Em comemoração ao fato, telemetrias do ITASAT foram capturadas por radioamadores dentro do território brasileiro. Em conjunto com as estações de solo do INPE em Natal (RN) e Santa Maria (RS), puderam atestar que o satélite continua em operação. Foram recebidos dados do ITASAT no Brasil, Argentina, Japão e Taiwan.

O Reitor do ITA, Professor Dr. Anderson Ribeiro Correia, comentou a conquista. “O ITASAT é o principal nanossatélite desenvolvido no ITA, com fins educacionais para auxiliar na formação de especialistas na área aeroespacial, abriu portas para novos projetos e parcerias com renomadas instituições nacionais e internacionais. É um grande sucesso”, destacou.

O radioamador, Edson Pereira (PY2SDR), comentou sobre a ação. “Em nome dos Radioamadores Brasileiros, é com grande satisfação que a LABRE/AMSAT-BR parabeniza a equipe do CubeSat educacional ITASAT pela passagem do seu segundo aniversário. Projetos como o ITASAT não são só excelentes ferramentas no ensino de STEM (termo em inglês que se refere às disciplinas de ciência, tecnologia, engenharia e matemática) para nossos futuros profissionais das áreas de ciência e tecnologia, mas são também motivo de orgulho por elevarem a imagem do Brasil no competitivo setor espacial mundial”, disse.

Já o Coordenador de Satélites e Aplicações da AEB, Dr. Rodrigo Leonardi, ressalta que foram muitos os desafios que tiveram que ser vencidos para poder comemorar. “A AEB sempre acreditou e apoiou o desenvolvimento desse projeto que agora serve de legado para futuras missões nacionais e que permitiu a qualificação em nosso País de vários jovens engenheiros. Os meus sinceros votos de parabéns para toda a equipe do ITASAT”, finalizou.

Texto: CAP Fábio Cox /ITA
Fotos: CEI – ITA

2 Comentários

  1. Hello! I could have sworn I’ve been to this blog before but after browsing through some of the post I realized it’s new to me. Anyways, I’m definitely happy I found it and I’ll be book-marking and checking back frequently!

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here