ÁREA DO CLIENTE

Mudanças nos sistemas de defesa antiaérea do Exército Brasileiro

No Boletim do Exército de hoje, 24 de março, foram publicadas as portarias EME/C Ex 993 e 994 que desativam os sistemas de defesa antiaérea Oerlikon/Contraves, de 35 mm, e Bofors /FILA, de 40 mm, respectivamente. Estas entram em vigor no dia 3 de abril de 2023.

O sistema de Oerlikon Contraves, composto por dois canhões automáticos geminados de 35×228 mm, com 90 calibres, e um equipamento de direção de tiro (EDT) Superfledermaus, começaram a chegar ao Brasil no 1º semestre do ano de 1977. Já o sistema Bofors, composto por um canhão automático de 40×365 mm R, com 70 calibres, e um EDT FILA (“Fighting Intruders at Low Altitude”, ou “atacante de invasores à baixa altura”, em português), que foi desenvolvido na década de 1980 pela empresa Avibrás Aeroespacial, juntamente com o Centro Tecnológico do Exército (CTEx) e em cooperação com a empresa sueca Bofors, foi adquirido em 1983. Ambos eram sistemas autorebocáveis e representaram, na época, uma enorme evolução na capacidade antiaérea do Exército.

Com a desativação destes sistemas, a defesa antiaérea da Força Terrestre contará apenas com as 34 viaturas blindadas de combate Gepard 1A2 (dotadas com os mesmos canhões Oerlikon de 35 mm) e os mísseis de curto alcance Ptt 9K338 Igla-S, russo, e RBS 70, sueco, ambos do tipo MANPADS (“man-portable air-defense systems”).

Canhão d 35mm Oerlikon C90 (Foto: EB)

Cientes da carência neste importante espectro da guerra moderna, o EB é a Força líder no programa de obtenção conjunta do Sistema de Artilharia Antiaérea de Média Altura/Médio Alcance do Ministério da Defesa, que pretende adquirir um novo sistema com capacidade de engajamento horizontal mínimo de 2.000 metros e máximo de 40.000 metros; e vertical mínimo de 50 metros e máximo de 15.000 metros, contra aviões, helicópteros, drones ou mísseis de cruzeiro, de alta ou baixa performance, em qualquer perfil de voo, desde velocidade zero até 2.880 km/h, e integrados ao SISDABRA.

O projeto busca a aquisição de até 15 baterias para as três Forças, sendo esperado o lançamento da consulta pública para ainda este ano. Diversas empresas Já manifestaram interesse m participar do certame, sendo os sistemas mais cotados o europeu IRIS-T e os israelenses Barak e Spider-MR.

Além disso, o EB também já estuda a aquisição de um sistema de defesa antiaérea para suas brigadas mecanizadas com o desenvolvimento de nova versão para sua viatura blindada 6X6 Guarani, cujo conceito será apresentado na próxima edição da LAAD.

Canhão 40mm M985 L70 Bofors (Foto: Roberto Caiafa)

 

Copyright © 2023 todos os direitos reservados

Nenhuma parte desta publicação pode ser reproduzida ou transmitida em qualquer forma ou por qualquer meio, eletrônica ou mecanicamente, exceto nos termos permitidos pela lei, sem a autorização prévia e expressa do titular do direito de autor.

COMPARTILHE