Militares argentinos se capacitam para o uso de “Drones Kamikazes”

Gonzalo Maria

Representantes da empresa israelense Uvision realizam curso de duas semanas no campo de tiro do Regimiento de Caballería de Tanques 8 (RC Tan 8), em Magdalena, para implantação das munições vagantes (“loitering munition”) HERO-30 e HERO-120.

O curso teve como objetivo instruir os primeiros operadores no uso de munições, tanto inertes quanto explosivas, bem como operar o simulador e treinar futuros instrutores, participando oito instrutores e onze alunos das três forças armadas.

Este sistema de armas foi incluído no Plano Plurianual de Aquisição de Munições (PAMP) do Estado-Maior Conjunto das Forças Armadas, tendo sua compra efetivada em dezembro de 2022, após assinatura de um acordo entre o ministro Da Defesa da Argentina, Jorge Taiana, e o chefe da Diretoria de Cooperação em Defesa Internacional do Ministério da Defesa de Israel (SIBAT), Yair Kulas. Chegaram ao país em setembro deste ano.

Ambos os modelos são amplamente configuráveis ​​de acordo com o nível de ameaça e podem ser adaptados para alvos antipessoal, blindados ou combinações de ambos. Sua configuração pode incluir detonação por proximidade, impacto ou atraso.

Este tipo de armamento, que no Exército Brasileiro é classificado como munição remotamente pilotada (MRP), tem â capacidade de permanecer em voo por certo período de tempo, o qual varia em função do modelo, procurando por alvos pré-determinados e atacando assim que são localizados e identificados, com uma ogiva explosiva. Trata-se de uma tecnologia disruptiva, que introduzirá novas técnicas e procedimentos na doutrina militar, bem como novas funções para o pessoal das forças armadas argentinas e a sua capacidade multidomínio permite a sua utilização transversal nas três forças e nas diversas especialidades dentro delas.

Durante o período de “vagagem” o operador acompanha todo o vôo por vídeo, recebendo diversas informações em tempo real. A capacidade de cancelar um ataque, mesmo momentos antes do impacto, é conseguida graças às asas em formato de cruz, que conferem à munição a resistência necessária para suportar forças de até 8Gs.

Com vida útil de 10 anos, a principal limitação é a autonomia da bateria. Porém, através de uma atualização de meia-vida (“mid-life update” – MLU), é possível estender a durabilidade dessas munições para 15 anos. Além disso, estas munições têm a capacidade de serem despojadas da sua carga explosiva para a realização de missões de vigilância e reconhecimento, com a opção de serem recuperadas posteriormente.

Sequencia de recuperação de uma munição lançada

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS

 

Hero-30

  • Peso: 7,8 kg (com unidade de lançamento);
  • Duração da voo: 30 minutos;
  • Altitude de voo: Entre 198 e 503 metros; e
  • Objetivos: tropas a pé e veículos levemente blindados.

Hero-120

  • Peso: 18 kg;
  • Duração do voo: 60 minutos;
  • Altitude de voo: Entre 366 e 915 metros; e
  • Objetivos: Alvos com maior blindagem; pode ser lançado em cargas múltiplas (entre 4-12).

Fotos do autor

Artigos Relacionados

Formulação Conceitual dos Meios Blindados do Exército Brasileiro ESTADO-MAIOR DO EXÉRCITO-PORTARIA Nº 162-EME, DE 12 DE JUNHO DE 2019 Documento...

Pela primeira vez no Brasil, foi realizado o reabastecimento em voo (REVO) por helicóptero, foi a chamada Operação MANGA. Na...

O Grupo EDGE, estatal de tecnologia os Emirados Árabes, anunciou que formalizou uma “joint venture” (JV) com a empresa espanhola...

O Exército Brasileiro (EB), por meio da Chefia de Material do Comando Logístico (CMat/CoLog), publicou hoje, dia 04 de março,...

Durante a HAI Heli Expo 2024, que aconteceu no final de fevereiro, nos Estados Unidos, a Safran Electronics & Defense...

Um valor em torno de U$ 400 milhões, resultante de acordo entre o grupo britânico e o Exército da Dinamarca...

Comentários

3 respostas

  1. os irmão já perceberam que vai ficar sem grana por um longo período.
    que não adianta sonhar com leopard alemão…

    a guerra mudou e eles parecem ser mais espertos que nós

  2. O dia que o Hamas descobrir uma forma de copiar essa tecnologia, vai dar ruim pra Israel. Voando baixo vai complicar as coisas pro domo de ferro.

    1. Mas e o Irã que arma e financia o Hamas e os Houthis, E o proprio Irã fabrica drones Kamikazes.
      No dia do ataque a Israel atacaram alguns Merkava com Drones tanto que adicionaram após uma proteção improvisada.
      Os Houthis tentaram atacar uma Fremm Francesa recentemente com esses Drones.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Disponível

DISPONÍVEL