Marinha realiza batimento de quilha do navio polar Almirante Saldanha

Primeiro navio polar construído no Brasil já gerou 600 empregos diretos e seis mil indiretos

Por primeiro-tenente (T) Ohana Gonçalves

A Marinha do Brasil (MB) deu um importante passo na construção do navio polar (NPo) Almirante Saldanha ao realizar, hoje (17), a cerimônia de batimento de quilha da embarcação,  no Estaleiro Jurong Aracruz, no Espírito Santo. Na tradição naval, este evento é caracterizado pelo posicionamento de um dos blocos do navio, que faz parte da “espinha dorsal” dele, e pela colocação da moeda na estrutura que corresponde à quilha da embarcação. Simbolicamente, é uma forma de trazer sorte para a embarcação que está sendo construída.

O evento contou com a presença do ministro da Defesa, José Mucio Monteiro; do comandante da Marinha, almirante de esquadra Marcos Sampaio Olsen; do chefe do Estado-Maior Conjunto das Forças Armadas, almirante de esquadra Renato Rodrigues de Aguiar Freire; e do diretor-presidente da Empresa Gerencial de Projetos Navais (EMGEPRON), vice-almirante (IM) Edesio Teixeira Lima Júnior. Também estiveram presentes o chefe de missão e encarregado de negócios da embaixada da República de Singapura, Desmond NG; o vice-presidente executivo da Seatrium para as Américas, Marlin Khiew; o CEO da Sociedade de Propósito Específico Polar 1, Thangavelu Guhan; o vice-governador do Espírito Santo, Ricardo Ferraço; e o prefeito de Aracruz, Luiz Carlos Coutinho.

O ministro da Defesa externou a satisfação de acompanhar uma importante etapa de mais um projeto conduzido pela Marinha do Brasil, com elevada capacidade gerencial e espírito empreendedor. “Hoje tenho o privilégio de comparecer a essa tradicional cerimônia de batimento de quilha do navio polar Almirante Saldanha, cuja construção é realizada com muito orgulho em solo brasileiro e também representa investimentos em nosso país. Este é o exemplo do Brasil que eu acredito e que dá certo”.

O diretor-Geral do Material da Marinha,  Almirante de Esquadra Arthur Fernando Bettega Corrêa, externou a expectativa em torno do navio. “Esperamos ver, em breve, operando nas águas da região Antártica e no País como um todo. A Marinha e a EMGEPRON trabalham juntas na fiscalização e governança do projeto, que segue as boas práticas de gerenciamento de programas e prevê a realização de estudos e planejamentos necessários ao gerenciamento do ciclo de vida do navio e ao apoio logístico integrado”.

NAVIO POLAR

Conduzido pela MB desde 2019, executado pela Polar 1 e gerenciado pela EMGEPRON, o projeto culminará com a construção, pela primeira vez no Brasil, de um navio com capacidade de operar nas águas geladas da região Antártica. A entrega do NPo Almirante Saldanha está prevista para 2025.

O navio terá cerca de 103 metros de comprimento, hangar para duas aeronaves de porte médio, autonomia de 70 dias e tripulação de 95 pessoas, incluindo 26 pesquisadores. Na fase de construção, já foram gerados 600 empregos diretos e seis mil indiretos, além do fomento à indústria naval brasileira e à base tecnológica nacional.

O modelo reúne o que há de mais avançado em tecnologia naval, prevendo a construção por meio de blocos, confeccionados separadamente e, posteriormente, unidos, dando forma ao navio. Assim, é possível instalar acessórios e fundações de forma antecipada; facilitar a colocação de equipamentos a bordo; e permitir trabalhos em diversos estágios de maneira segregada.

O NPo Almirante Saldanha irá substituir o navio de apoio oceanográfico (NApOc) Ary Rongel. Ele terá capacidades aperfeiçoadas, possibilitando: a redução do tempo necessário para o reabastecimento da EACF, com a inclusão de guindastes modernos e de maior capacidade de carga e manobra ao novo navio; maior segurança na aproximação do navio com a praia, para desembarque de material e de pessoal, em função dos sofisticados sistemas de navegação e de controles; e a ampliação da área passível de ser visitada pelos pesquisadores, incluindo as regiões oceânicas e terrestres.

PROHIDRO

A construção do Navio Polar faz parte do Programa de Obtenção de Meios Hidroceanográficos e de Apoio Antártico (PROHIDRO), que prevê a obtenção de navios hidroceanográficos a serem empregados na Amazônia Azul e em águas polares para que a MB possa cumprir as suas atribuições referentes às atividades hidrográficas, oceanográficas, meteorológicas, cartográficas e de sinalização náutica, garantindo o suporte à aplicação do Poder Naval, além da prestação de apoio de transporte e logística da Estação Antártica Comandante Ferraz (EACF). Entre os ganhos esperados com a iniciativa estão o aprimoramento na coleta e acurácia de dados geoespaciais marinhos nas águas jurisdicionais brasileiras e nas águas internacionais de interesse do País, a melhoria na eficácia dos auxílios à navegação e o apoio à pesquisa nacional no ambiente marinho.

Fonte: Agência Marinha de Notícias

Artigos Relacionados

Formulação Conceitual dos Meios Blindados do Exército Brasileiro ESTADO-MAIOR DO EXÉRCITO-PORTARIA Nº 162-EME, DE 12 DE JUNHO DE 2019 Documento...

Pela primeira vez no Brasil, foi realizado o reabastecimento em voo (REVO) por helicóptero, foi a chamada Operação MANGA. Na...

No dia de hoje, 24 de maio, a Agência de Cooperação de Segurança de Defesa (Defense Security Cooperation Agency – DSCA)...

A capital turca, Istambul, foi palco de discussões sobre segurança e defesa nos dias 21, 22 e 23. A Feira...

De acordo com a portaria nº 443-COTER/C Ex, o Exército Brasileiro (EB), através do Comando de Operações Terrestres (COTER), constituiu...

Após um breve período de calmaria, que parecia que a tragédia ambiental no Sul estava chegando ao seu final, uma...

Comentários

Uma resposta

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

DISPONÍVEL