MANSUP – Marinha realiza mais um lançamento

O míssil é o quarto lançamento do projeto e o primeiro na fase de qualificação

Por Agência Marinha de Notícias

Nesta terça-feira (20), a Marinha do Brasil (MB) lançou com sucesso, pela quarta vez, o Míssil Antinavio de Superfície (MANSUP). Ocorrida na região ao sul de Cabo Frio (RJ), a operação contou com a participação das Fragatas “Constituição” e “Liberal”. O lançamento marcou o início da fase de qualificação do míssil e possibilitou testar alguns subsistemas já em sua versão final de produção. Novos lançamentos de qualificação ainda estão previstos antes do início da produção do MANSUP.

Para o Diretor de Sistemas de Armas da Marinha, vice-almirante Marco Antonio Ismael Trovão de Oliveira, a fase está avançando conforme o planejado. “Na etapa anterior foram testadas, por meio do lançamento de três protótipos, as soluções de engenharia adotadas para que o míssil atendesse aos requisitos estabelecidos. Na etapa atual, estão sendo testados os subsistemas já aperfeiçoados, o que garantirá que o míssil seja fabricado com a melhor tecnologia disponível, adicionando maior robustez e eficiência ao produto, e atendendo a todas as condições impostas inicialmente”.

O Almirante Trovão acrescentou que no primeiro lançamento também foi realizada nova avaliação do desempenho do motor-foguete e do efeito dos ajustes no software de controle do míssil, tendo como base os resultados dos lançamentos anteriores. “Na ocasião, foi testado também o novo sistema de telemetria, agora com maior alcance, ângulo de visada mais amplo e mais resistente às condições meteorológicas”.

Segundo Robson Duarte, da empresa Sistemas Integrados de Alto Teor Tecnológico (SIATT), que é Gerente do Programa do MANSUP, outro grande avanço em relação aos lançamentos anteriores foi a utilização do novo Console Lançador de Míssil (CLM). “Quando a Marinha do Brasil decidiu investir no desenvolvimento do MANSUP, foi imposto o requisito que o míssil fosse totalmente compatível com os lançadores e consoles existentes em seu estoque. Hoje, além do míssil, a SIATT está nacionalizando toda a infraestrutura de lançamento. Desta forma, uma nova janela de oportunidades se abre, havendo a possibilidade de revitalizar navios antigos que estejam com seus consoles inoperantes, como também a instalação de todo um sistema de lançamento nacional em novos navios”.

Um outro requisito estabelecido pela MB foi a utilização de componentes designados como “ITAR Free”, ou seja, livres de embargos (limitação de compra e venda de determinados componentes críticos para operações de área de defesa e aeroespacial). Segundo Robson isso foi possível “com o uso de tecnologia nacional e componentes ITAR free. Com isso a Marinha e o Brasil alcançaram um grau de autonomia conquistado por pouquíssimos países no mundo”.

O diretor-geral do Material da Marinha, almirante de Esquadra José Augusto Vieira da Cunha de Menezes, ressaltou a relevância do desenvolvimento de um projeto como esse, destacando “que todos os engenheiros e técnicos envolvidos no Projeto MANSUP são brasileiros, formados nos diversos centros acadêmicos do Brasil. A tecnologia empregada no projeto é desenvolvida por brasileiros e todos os recursos empregados são investidos dentro do País. O MANSUP permitirá a Marinha contar com um armamento eficaz no prazo e na quantidade que se fizer necessária, contribuindo para a defesa dos interesses nacionais e de nossa soberania na Amazônia Azul”.

Além da Fragata “Constituição”, que foi o navio lançador, participaram da operação: a Fragata “Liberal”, como navio assistente; a aeronave UH-12 “Águia” 87, responsável pela telemetria  (tecnologia que permite a medição remota e em tempo real dos parâmetros necessários para avaliar o funcionamento e o desempenho do míssil); e as aeronaves UH-12 “Águia” 82 e P-3, para limpeza de área.

Características do MANSUP

Texto: segundo-tenente (RM2-T) Leonardo Ferreira Trindade, embarcado na “Constituição”
Imagens: Marinha do Brasil

Artigos Relacionados

Formulação Conceitual dos Meios Blindados do Exército Brasileiro ESTADO-MAIOR DO EXÉRCITO-PORTARIA Nº 162-EME, DE 12 DE JUNHO DE 2019 Documento...

Pela primeira vez no Brasil, foi realizado o reabastecimento em voo (REVO) por helicóptero, foi a chamada Operação MANGA. Na...

Durante a Eurosatory 2024, que esta ocorrendo no Centro de exposições Paris-Nord Villepinte, localizado nos arredores de Paris, a empresa...

Variante com uma nova torre é  apresentada na feira de Paris A BAE Systems está apresentando o CV90MkIV com uma...

Na quarta-feira (12), o mercado de defesa se agitou com a notícia divulgada pelo portal britânico Janes de que o...

A AVIBRAS Indústria Aeroespacial S/A, que em tempos passados foi considerada uma das maiores empresas  de defesa do mundo, mas...

Comentários

4 respostas

  1. Existe algum estudo para a atualização do para obter um alcance maior e a possibilidade de ser lançado por outros meios?

    1. Deve haver, Em relação a ser lançados por outros Meios há projetos para ser lançado tanto por caças como por submarinos. (Manaer/Mansub)
      Porém precisa primeiro de um míssil funcional e pronto para produção para dai partirem para uma versão aprimorada.
      As melhorias em questão de alcance e só seguir os passos do Exocet block 3 (Booster de combustível solido e um turbojato de combustível liquido).
      A Turbomachine esta ai só aguardando uma parceria ou ate mesmo aproveitando o TJ1000 que e produzido sob-licença pela Avibrás.

  2. Teoricamente é o primeiro míssil anti navio feito no Brasil, tem muito a aprender no conhecimento e na experiência, a minha pergunta é, como o míssil vai lidar com a guerra eletrônica moderna?, e bom extrair o máximo de conhecimento em cada texte p otimizar custos e progressos alcançados…

  3. Pergunta a empresa Francesa por que do atraso nos sequências dos submarinos convencionais. Acho que a Marinha do Brasil Está em dia com as suas atribuições.
    O atraso já é muito significativo para a esquadra.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

DISPONÍVEL