Maj Brig Scheer – O CATRE e a Aviação de Ataque

Para se manter atualizada frente às novas doutrinas e demandas operacionais, na década de 1970, a Força Aérea Brasileira realizou uma série de mudanças no processo de formação do Oficial Aviador da Força Aérea e na especialização do piloto militar na Aviação de Ataque.
Testemunha ocular de um período de transformação, o Major Brigadeiro Scheer relembra aqueles anos pioneiros voando o AT-26 Xavante no antigo Centro de Aplicações Táticas e Recompletamento de Equipagens, o CATRE, em Natal.

Apoio – ⁠https://tecnodefesa.com.br/⁠ | ⁠Esquadrões de Combate⁠

Ouça também pelo ⁠Apple Podcasts⁠⁠Deezer⁠⁠Google Podcasts⁠⁠Spotify⁠ e ⁠Youtube⁠

Conheça os nossos livros em ⁠https://www.esquadroesdecombate.com.br/livros⁠

Artigos Relacionados

Formulação Conceitual dos Meios Blindados do Exército Brasileiro ESTADO-MAIOR DO EXÉRCITO-PORTARIA Nº 162-EME, DE 12 DE JUNHO DE 2019 Documento...

Pela primeira vez no Brasil, foi realizado o reabastecimento em voo (REVO) por helicóptero, foi a chamada Operação MANGA. Na...

A Condor Tecnologias Não Letais anunciou detalhes dos integrantes do Conselho de Administração, após a recente aquisição de uma participação...

Acordo entre França, Bélgica, Chipre, Estônia e Hungria, assinado em 19 de junho, celebra a cooperação estratégica para a aquisição...

A KATIM, uma empresa do Grupo, e a Thales começarão a discutir o co-desenvolvimento de tecnologias de rádio definido por...

Durante a Eurosatory 2024, que esta ocorrendo no Centro de exposições Paris-Nord Villepinte, localizado nos arredores de Paris, a empresa...

Comentários

2 respostas

  1. Olá senhores camardas do TECNODEFESA!

    Resido próxim ao PAMA-SP, tenho muitas boas lembranças de ver e escutar os “Xavantão” passando por cima de minha casa e depois quando servi no CPOR/SP em Santana.

    O som do motor “Siddeley Viper Bristol Siddeley Mk.11” é muito caracteristico e gostoso de escutar.

    Assim como também éra legal escutar os P16 com seus radiais roncando de longe…

    Pena que depois do AT26 a EMB não teve o incentivo do GF (de todos sejam eles militares ou civís) em dar seguimento a projetos que nos levariam hoje a ter um LIFT para fazer um HI-LO com o F39.

    Sgtº Moreno

  2. também tive o prazer de escutar o ronco de ambas as aeronaves, infelizmente a FAB apostou todas as fichas no A29 e agora terá que rever todo o planejamento com relação ao Gripen. O binômio A29/F39 não fecha a conta, a demora no cronograma do F39, a incerteza do terceiro lote e a aposentadoria do AMX e F5 vão deixar uma lacuna em aberto, será inevitável a adoção de um LIFT se TOT e a curto prazo!!!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

DISPONÍVEL