Mac Jee finaliza testes de bombas de queda livre no CAEx

Em 16 de junho, a empresa brasileira Mac Jee, com sede no Vale do Paraíba (SP), finalizou com sucesso o teste das linhas de bombas de queda livre MK83, MK84, e BLU-109, realizados no Centro de Avaliações do Exército (CAEx).

Todo o material foi desenvolvido e é fabricado pela Mac Jee, atendendo aos padrões internacionais (NATO / MIL). Foram testados, com sucesso, os “boosters” (dispositivos que aumentam a potência da explosão) das bombas MK83 e BLU109, para garantir o acionamento da carga explosiva. Essa verificação é essencial para o correto funcionamento das bombas em situações reais.

Os especialistas também realizaram o “ensaio de arena” da linha MK, uma série de detonações monitoradas por sensores para medir a velocidade dos fragmentos resultantes da explosão das bombas. Esta etapa é necessária para validar o modelo de simulação apresentado ao Instituto de Fomento e Coordenação Industrial (IFI), órgão certificador ligado ao Ministério da Defesa.

Imagem da BPB-2000 Lbs (BLU-109) “anti-bunker”, no CAEx, concebida para ser empregada nas operações de bombardeio ar-solo contra alvos constituídos de instalações de concreto reforçado (Imagens: Mac Jee)

 

Foram quatro dias de testes bem sucedidos no Campo de Provas da Marambaia, em Guaratiba (RJ).

O local possui toda a infraestrutura necessária e tem proximidade com a sede da Mac Jee, no interior paulista, o que facilita a logística envolvida na operação. Todos os testes foram realizados por especialistas da empresa com participação e apoio da Seção de Testes do CAEx.

“Essa operação é de enorme importância, pois nos permite verificar o desempenho, a capacidade e a segurança do nosso produto. Os resultados são fundamentais para garantir o atendimento aos requisitos técnicos e operacionais necessários e certificar a qualidade de nossos produtos”, finalizou Élcio Ribeiro, diretor industrial do Grupo Mac Jee.

Imagem da explosão da BPB-2000 Lbs (BLU-109)

Fonte: Mac Jee

Artigos Relacionados

Formulação Conceitual dos Meios Blindados do Exército Brasileiro ESTADO-MAIOR DO EXÉRCITO-PORTARIA Nº 162-EME, DE 12 DE JUNHO DE 2019 Documento...

Pela primeira vez no Brasil, foi realizado o reabastecimento em voo (REVO) por helicóptero, foi a chamada Operação MANGA. Na...

Um valor em torno de U$ 400 milhões, resultante de acordo entre o grupo britânico e o Exército da Dinamarca...

As tripulações estão prontas para operar, a bordo do novo blindado, em todos os contextos operacionais. A Escola de Cavalaria...

O grupo italiano Leonardo vem registrando importantes marcas neste início de 2024. Dentre as conquistas e acordos de cooperação recentemente...

No dia de ontem, 27 de fevereiro, representantes da Diretoria de Fabricação (DF) do Exército Brasileiro visitaram a empresa Ares...

Comentários

7 respostas

  1. Será que vai aparecer um videozinho….
    Fora esse detalhe, parabéns à MacJee. Está se mostrando uma empresa muito promissora.

  2. E uma empresa muito jovem e que pouco a pouco vem crescendo. Mas sobre o vídeo acho difícil esses tipos de coisas são pouco mostradas a publico mas só pela imagens mostradas já dá pra vem o estrago que fez.

  3. Eu acho surpreendente a evolução da Mac Jee. Uma empresa com 15 anos e a cada dia lançando novos produtos, aparentemente sem depender de financiamento e encomendas das nossas Forças Armadas.

  4. Essa BLU-109 da MacJee com um kit de guiagem seria um armamento de respeito. No mais, parabéns aos colaboradores e a empresa pelo produto.

  5. Pessoal

    Por favor, qual teria sido a aeronave que fez o lançamento? Teria sido um AMX? Um Super Tucano?

    Penso que a depender da aeronave utilizada mostra o quanto operacional teríamos a bomba em nossos quartéis, se é que posso dizer isso.

    Do mais… Fico imaginando uma versão Bomber do KC-390 dispensando tais bombas assim como o B-52 faz… seria uma visão aterrorizante para quem estiver em baixo.

    1. Aparentemente as bombas não foram lançadas por aeronave, mas apenas testadas em cima de bancadas.

  6. Excelente vídeo..
    Uma detonação estática para verificar seu funcionamento e, provavelmente, também, realização do Círculo de Estihaçamento para levantamento da “Curva de Matar e Atingir”..

    Saudades desse CPrM (CAEx)

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Disponível

DISPONÍVEL