Jammer da Hensoldt protegendo as tropas

Sistemas bloqueadores especializados (Jammers) da Hensoldt foram instalados em veículos blindados utilizados para proteger as tropas durante as operações de contraterrorismo no norte da África.

O GMJ9 impede a detonação de dispositivos explosivos improvisados controlados por rádio (“radio-controlled improvised explosive device” – RCIED), através de ataque eletrônico, ou “interferência” como é comumente referido, e impede a capacidade de um adversário de se comunicar e fazer uso do espectro de frequência, capacidade crucial no campo de batalha.

Projetado para a guerra assimétrica moderna, onde alto desempenho e flexibilidade são necessários, o GMJ9 é um jammer multirole definido por software de nova geração combina um jammer responsivo baseado em veículos, para combater RCIEDs em atividades de patrulha, e uma capacidade de interferência de comunicações táticas em um único sistema compacto, permitindo um alto nível de flexibilidade, pois a mesma plataforma pode ser usada para uma variedade de missões.

Jammer multiroler veicular GMJ9

Possui um design modular e compacto que atende aos requisitos exigentes de tamanho, peso e potência (SWaP) para soluções móveis, mas sem comprometer a integridade dos sistemas da plataforma, que o torna adequado para uma variedade de veículos de combate, desde veículos multifuncionais leves até veículos blindados pesados, podendo ser integrado aos sistemas do cliente.

Seu receptor de alto desempenho monitora continuamente o espectro em busca de sinais de ameaça, adaptando os métodos de interferência para direcionar com precisão os sinais que representam uma ameaça, e sua arquitetura avançada visa simultaneamente os links de rádio ponto-a-ponto e as redes celulares de nova geração, de forma integrada com canais de transmissão independentes e sobrepostos, com algoritmos de forma de onda adaptáveis.

Nos conflitos atuais, os RCIED causam muitas baixas, basta olhar para os destaques das notícias para obter uma prova muito vívida disso, e este equipamento foi concebido para evita-las. A série GMJ9000 contribuirá para a proteção do pessoal e do equipamento implantado, seja em conflitos de baixa intensidade ou operações de manutenção da paz, evitando com eficiência a detonação desses dispositivos e permitindo ao soldado se concentrar em sua missão principal.

GMJ9000G – Portátil

Informações técnicas do GMJ9

  • Cobertura de frequência de 20 MHz – 6,0 GHz;
  • Configurações ativas e reativas;
  • Capacidade de bloquear várias ameaças simultaneamente, fornecendo 5 canais de bloqueio independentes dedicados a bandas de ameaças de alto valor, como GSM900, GSM1800 e UMTS, ISM;
  • Interface de programação de missão baseada em ameaças avançada;
  • Recursos integrados de teste e diagnóstico;
GMJ9000G – Transportável

Com informações e imagens da Hensoldt 

Artigos Relacionados

Formulação Conceitual dos Meios Blindados do Exército Brasileiro ESTADO-MAIOR DO EXÉRCITO-PORTARIA Nº 162-EME, DE 12 DE JUNHO DE 2019 Documento...

Pela primeira vez no Brasil, foi realizado o reabastecimento em voo (REVO) por helicóptero, foi a chamada Operação MANGA. Na...

O Estado-Maior do Exército, por meio da portaria 1.294-EME/C Ex, de 03 de abril de 2024, aprovou a diretriz de...

Com o objetivo de desenvolver sistemas de alta tecnologia de propulsão e de  aeronaves não tripuladas, está sendo anunciada a...

De todas as novidades da FIDAE 2024, definitivamente a que mais surpreendeu o público não foi a vinda do caça...

A atuação dos drones na guerra entre a Rússia e a Ucrânia mudou os conceitos e doutrinas do atual cenário...

Comentários

4 respostas

    1. O veículo da foto de abertura da matéria é um MRAP Springbuck HD, da sulafricana DCD Protected Mobility.

  1. Mesmo que tenhamos a melhor artilharia anti aérea, como ela se defenderia de um jammer igualmente avançado? Existe essa contra medida?
    Já fora do assunto, vendo a foto dos blindados, que fim levou a suposta compra de blindados pela PF, PRF e PMERJ?

    1. Jammers são utilizados nos campos de batalhas há muitos anos. Aeronaves de guerra eletrônica, como os EF-111A Raven, da USAF, e os EA-6B Prowler, da US Navy e USMC, já bagunçam os radares de sistemas de defesa AAe desde os anos 70, mas existem diversos equipamentos para combater isso, os anti-jam systems.

      Sobre os blindados policiais citados, alguns já tiveram um contrato assinado e estão em desenvolvimento ou já na fase de construção. Tratarei desse tema em breve, quando tiver mais informações disponíveis.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

EM BREVE