Iniciados os estudos para modernização dos A-29 Super Tucano

A Embraer e a Força Aérea Brasileira (FAB) anunciaram hoje, dia 19 de junho, durante a 54ª edição do Paris Air Show International, que deram início aos estudos para atualização tecnológica conhecida como midlife upgrade (MLU) das aeronaves A-29 Super Tucano.

Desenvolvida para atender aos exigentes requisitos da FAB, atualmente a aeronave A-29 é utilizada no território brasileiro em missões de treinamento, interceptação aérea e vigilância, além de ser usada pelo Esquadrão de Demonstração Aérea (EDA), a famosa “Esquadrilha da Fumaça”.

“A FAB poderá contar  com uma extensa lista de atualizações já implementadas ao longo da vida da aeronave, que mantiveram a plataforma tecnologicamente atualizada sem impactar o baixo custo operacional”, disse Bosco da Costa Junior, presidente e CEO da Embraer Defesa & Segurança. “E caso a FAB avalie, durante os estudos, a necessidade de novas funcionalidade e capacidades ainda não desenvolvidas, a Embraer pode desenvolver e implementar sob demanda.”

“Desde sua entrada em operação na Força Aérea Brasileira, o A-29 tem desempenhado com excelência as diversas missões para as quais foi designado. A atualização proposta deverá permitir à Força Aérea manter a plataforma moderna e ampliar o uso operacional dessa versátil e extremamente confiável aeronave por muitos anos à frente”, disse o comandante da Aeronáutica, tenente-brigadeiro do Ar Marcelo Kanitz Damasceno.

Exemplos de atualizações e evoluções já aplicadas ao produto, e que poderão beneficiar a FAB, são encontrados no sistema aviônico de quinta geração com capacidade de expansão, sistemas de navegação e comunicação, na ampliação da gama de armamentos, nos sensores de vigilância e de autoproteção da aeronave, além do aumento da consciência situacional com melhorias na interface homem-máquina.

Atualmente a FAB possui uma frota de 60 aeronaves A-29, operando em cinco esquadrões diferentes, com mais de 325 mil de horas de voo. Com mais de 260 unidades entregues em todo o mundo, a aeronave já foi selecionada por mais de 15 forças aéreas, incluindo a Força Aérea dos Estados Unidos (USAF).

Extremamente versátil, o A-29 pode realizar uma ampla gama de missões, incluindo ataque leve, vigilância e interceptação aérea e contra-insurgência. Robusto e versátil, o A-29 tem a capacidade de operar a partir de pistas remotas e não pavimentadas em bases operacionais avançadas com pouco apoio logístico, tudo isso aliado a baixos custos operacionais e alta disponibilidade.

Além das funções de combate, a aeronave é amplamente utilizada como treinador avançado. Sua capacidade de simular missões de combate e fazer upload e download de dados de voo o tornaram uma plataforma de treinamento altamente eficaz. Como uma verdadeira aeronave multimissão, o A-29 é flexível o suficiente para fornecer às forças aéreas uma única plataforma para ataque leve, reconhecimento armado, apoio aéreo aproximado e treinamento avançado, otimizando assim suas frotas.

É equipado com uma variedade de sensores e armas de última geração, incluindo um sistema eletro-óptico/infravermelho com designador de laser, óculos de visão noturna, comunicações seguras de voz e dados. Por tudo isso, o A-29 Super Tucano representa o melhor de sua classe, combinando excelente desempenho com armas do século 21, sensores integrados e sistemas de vigilância para criar um componente altamente eficaz de poder aéreo.

(E-D) Francisco Gomes Neto, Presidente e CEO da Embraer. Comandante da Aeronáutica, Tenente-Brigadeiro do Ar Marcelo Kanitz Damasceno, e Bosco da Costa Junior, Presidente e CEO da Embraer Defesa & Segurança

Fonte: Embraer

Artigos Relacionados

Formulação Conceitual dos Meios Blindados do Exército Brasileiro ESTADO-MAIOR DO EXÉRCITO-PORTARIA Nº 162-EME, DE 12 DE JUNHO DE 2019 Documento...

Pela primeira vez no Brasil, foi realizado o reabastecimento em voo (REVO) por helicóptero, foi a chamada Operação MANGA. Na...

A AVIBRAS Indústria Aeroespacial S/A, que em tempos passados foi considerada uma das maiores empresas  de defesa do mundo, mas...

Empresas brasileiras destacam inovações e capacidades no cenário internacional A Associação Brasileira das Indústrias de Materiais de Defesa e Segurança...

Para celebrar os feitos dos mais de 25 mil homens e mulheres brasileiros que lutaram na 2ª Guerra Mundial, o...

Desde 1º de janeiro de 2023, o dr. Artur José Dian ocupa o cargo de Delegado-Geral da Polícia Civil do...

Comentários

3 respostas

  1. Não eram 99 unidades?

    Quanto a modernização em si o que entendi é que até agora o que já foi implementado como melhorias por outras forças aéreas, poderá ser considerado ao par que TB serão consideradas novas tecnologias.

    É isso???

  2. eu também sabia desde sempre que eram 99 aeronaves. Mas acredito que o restante deve estar em reserva. Estocados.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

DISPONÍVEL