Hensoldt amplia mercado antidrone na América Latina

Nos últimos anos, a venda de drones cresceu de maneira exponencial na América Latina, e especificamente no Brasil. Esses objetos voadores, que estão se tornando cada vez mais comuns em áreas públicas, podem colocar em risco a segurança de civis e, em determinado cenários, ameaçar a atividade das forças armadas.

A Hensoldt acaba de receber um pedido para dois sistemas Xpeller no Brasil, num contrato de mais de 1 milhão de euros.

O contrato foi precedido por testes ao vivo após o primeiro simpósio de defesa de drones, na qual a Hensoldt demonstrou as capacidades modulares do Xpeller com uma equipe multidisciplinar da Europa, África do Sul e América Latina.

“Causamos uma boa impressão em termos de velocidade de instalação e configuração do sistema, desempenho de detecção e proteção contra drones invasores”, disse Luis Guerén, Diretor Regional de Marketing para a América Latina.

As variantes adquiridas consistem numa combinação otimizada com sensor EO/IR, radar, detecção de RF, bem como bloqueio como contramedida para defesa contra drones intrusos.

O Xpeller é capaz de detectar e identificar o drone, avaliar seu potencial de ameaça em distâncias de algumas centenas de metros a vários quilômetros, protegendo áreas sensíveis contra invasores de pequeno e grande porte, protegendo áreas que vão desde edifícios individuais, grandes eventos e até aeroportos e áreas militares.

Assim que a ameaça é identificada, um jammer interrompe o link entre o drone e o piloto e/ou sua navegação.

O Xpeller tem eficácia elevada, combinando dados de sensores de diferentes fontes com a fusão de dados, análise de sinal e tecnologias de bloqueio, avaliando o potencial de ameaça com base em uma extensa biblioteca. Esse trabalho é feito em frações de segundo, em tempo real.

Ainda é possível rastrear a posição do piloto que posteriormente pode ser identificado e preso.

Através da tecnologia Smart Responsive Jamming, desenvolvida pela Hensoldt Sensors, os sinais de interferência bloqueiam apenas as frequências relevantes usadas para operar o drone, enquanto as demais nas proximidades permanecem operacionais.

Como a tecnologia de interferência contém recursos versáteis de recepção e transmissão, medidas mais sofisticadas, como classificação de controle remoto e falsificação de GPS, também podem ser utilizadas. Isso permite um bloqueio eficaz e específico e também uma tomada controlada do drone.

 

Artigos Relacionados

Formulação Conceitual dos Meios Blindados do Exército Brasileiro ESTADO-MAIOR DO EXÉRCITO-PORTARIA Nº 162-EME, DE 12 DE JUNHO DE 2019 Documento...

Pela primeira vez no Brasil, foi realizado o reabastecimento em voo (REVO) por helicóptero, foi a chamada Operação MANGA. Na...

A Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) planeja testar uma das mais avançadas tecnologias de imageamento por satélite. Isso será...

A IACIT fortaleceu sua posição no mercado ao estabelecer uma colaboração estratégica com a Omnisys Engenharia, subsidiária da Thales, e a Meteomatics,...

A MBDA assinou uma emenda contratual com a Organização para Cooperação Conjunta em Armamento (OCCAR) para aumentar as capacidades técnicas...

A equipe de Tecnologia & Defesa esteve a bordo do super navio-aeródromo USS George Washington (CVN 73), um navio de...

Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

DISPONÍVEL