Guarani é o primeiro blindado da Brigada Pára-quedista

12
3794

O 1º Esquadrão de Cavalaria Pára-quedista (1º Esqd C Pqdt), o “Esquadrão Coronel Ozíres”, organização militar subordinada a Brigada de Infantaria Pára-quedista (Bda Inf Pddt), recebeu sua primeira viatura blindada de transporte de pessoal  – média sobre rodas (VBTP-MSR) 6X6 Guarani, dentro do Programa Estratégico do Exército (Prg EE) GUARANI.

Os “Centauros Alados”, como é conhecido o Esquadrão, recebe finalmente seu primeiro blindado, o que configura um importante passo para a consolidação de seus meios como tropa de Cavalaria, consolidando, assim, sua doutrina de emprego do Esquadrão no âmbito da Brigada, já que dispunha apenas de viaturas leves e motocicletas para a função.

A viatura, que é prevista em quadro de dotação de material (QDM) do Esquadrão e orgânica das Seções de Mísseis Anticarro dos Pelotões de Cavalaria Pará-quedista (que também receberá mísseis Spike), pode ser aerotransportada por aeronaves C-130 Hércules e KC-390 Millennium da Força Aérea Brasileira (FAB), tendo a capacidade de ser empregada em pouso de assalto, no contexto de uma operação aeroterrestre.

As características da VBTP- MSR 6X6 Guarani, como proteção blindada e mobilidade, proporcionam ao Esquadrão a ação de choque necessária para o cumprimento de missões de reconhecimento e segurança em proveito da Brigada.

Fotos da Comunicação Social da Bda Inf Pqdt

12 Comentários

  1. Prezado PAULO: temos notícias de ter havido um teste de transporte do Guarani, seja em um C130 ou no KC390?
    Não me parece ser viável o lançamento aéreo, devendo esta viatura ser desembarcada em pista com a aeronave parada. Há alguma previsão de lançar a partir de uma aeronave em voo?

    • “…pode ser aerotransportada por aeronaves C-130 Hércules e KC-390 Millennium da Força Aérea Brasileira (FAB), tendo a capacidade de ser empregada em pouso de assalto, no contexto de uma operação aeroterrestre”. 😉
      Atualmente não dispomos de meios para lançar de paraquedas viaturas maiores que um Jipe Agrale Marruá.

  2. Em tempo: desejo um FELIZ NOVO ANO a todos! Que o excelente trabalho jornalistico do T&D continue sendo um sucesso.

  3. Prezado, apenas melhorando minha colocação anterior: entendo que o denominado “pouso de assalto” é executado com o aeronave rolando na pista, e não totalmente parada. Mesmo a essa operação (logicamente muito menos crítica do que com a aeronave a uns 10 m do chão) que me refiro parecer de difícil execução e com alto risco de falhas.

    • Imagino que a Brigada PQD esta criando uma doutrina de emprego para este novo sistema de armas.
      Espero poder abordar este tema com mais informações em um futuro breve.

      • Muito obrigado! Grande abraço! Reitero meus votos de um FELIZ ANO NOVO, com muita SAUDE e realizações para vc sua familia e todos os amigos do T&D.

  4. Paulo quais as vantagens dos paraquedistas operarem o Guarani em relação a uma brigada mecanizada ”pura”? Se a pista de pouso foi tomada por tropas aliadas eles podem muito bem transportar uma brigada mecanizada ou frações dela, não ?

    • As vantagens são que uma Brigada é uma unidade militar independente, e deve ser capaz de cumprir suas missões da forma mais autônoma possível.
      Outra questão é que a tropa paraquedista, pela natureza de sua missão, além de tomar o terreno, tem que mantê-lo e garantir sua segurança até a chegada das demais tropas.

  5. Ótima notícia!
    Paulo, na sua opinião o Guarani tem potencial para ser para nossas forças armadas o que é o CV90 para as da Suécia, guardadas as devidas proporções por serem veículos diferentes?
    Lá eles utilizam essa plataforma em diversas variantes, o que parece ser muito vantajoso financeiramente. Sei que blindagem adicional pode ser equipada no Guarani, mas a original, acho que STANAG 2, pode tirar um pouco de sua versatilidade?
    Obrigado e saúde neste novo ano!

  6. Prezado Paulo
    Considerando que atualmente só podemos lançar de paraquedas o Marruá e levando em conta a missão primordial dos paraquedistas, o próximo a ser lançado do ar não poderia ser o Cascavel?
    Seria uma ajuda a mais na tomada e na manutenção do terreno.
    Abraço e um Feliz Ano Novo
    PS: escrevendo pela primeira vez aqui.

Deixe um comentário para Rommel Santos Cancelar Resposta

Please enter your comment!
Please enter your name here