Gladiador II, o mais moderno blindado policial brasileiro

6
4008

A primeira unidade de produção da viatura blindada multitarefa – leve sobre rodas (VBMT-LR) Gladiador II, um blindado concebido pela Inbra para atender os rígidos requerimentos do Exército Brasileiro (EB) e das forças de segurança públicas, entrará em operação no Batalhão de Operações Policiais Especiais (BOPE) da Polícia Militar do Estado de Rondônia (PMRO).

Esta aquisição ocorreu no final de fevereiro deste ano, sendo anunciado pelo secretário de Segurança Pública do Estado de Rondônia (SESDEC), coronel PM José Hélio Pachá, e pelo comandante Geral da PMRO, coronel PM Alexandre Luís de Freitas Almeida, em visita à empresa.

Após a inspeção final, realizada no dia 20 por integrantes da SASDEC e PMRO, a viatura foi embarcada ontem, dia 25, em uma carreta com destino à cidade de Porto Velho (RO), com a entrega oficial agendada para o próximo dia 02 de dezembro.

O Gladiador II é um projeto pioneiro de blindagem e outras soluções tecnológicas que chega ao mercado com a vantagem de ter sido desenvolvido e construído no Brasil, pelo Grupo Inbra, em parceria com diversos fornecedores brasileiros, visando à nacionalização de componentes, e com recursos provenientes da Financiadora de Estudos e Projetos (FINEP).

Trata-se de uma viatura blindada com tração 4X4 integral e flexibilidade para reconfigurações, podendo atender as mais diversas missões, tais como, intervenção tática, operações rurais, esquadrão de bombas, dentre outras.

Está equipada com um motor Cummins ISB4.5, de quatro cilindros, com 210HP de potência, 760Nm de torque e certificação EURO III; câmbio automático Allison 2500SP, com seis marchas à frente e uma à ré; caixa de transferência GHM Transmission MTC25/350, com três posições (velocidade normal, reduzida e neutro); e cardans tipo “Heavy Duty”. Possui peso em ordem de marcha de 8.200 kg e capacidade de carga de 1.000 kg.

O Gladiador II possui uma estrutura monobloco e sua versão policial conta com uma proteção balística total Nível III, de acordo com as normas NBR 15.000 e NIJ 0108.01, sendo resistente a disparos de fuzil 5,56x45mm e 7,62x51mm FMJ.

Conforme informado pelo coronel José Hélio Pachá, “a Secretaria de Segurança Publica, Defesa e Cidadania de Rondônia foi motivada a fazer essa aquisição em decorrência de uma emboscada sofrida por seus policiais. O principal direcionamento para utilização deste blindado será na área rural de Porto Velho. Uma vez que o Governo do coronel Marcos Rocha, tomou como prioridade à segurança e levar paz ao campo, tanto é que estamos realizando operações contastes para tal nos últimos quatro a seis meses, inclusive com o apoio da Força Nacional. Com isso, estamos enfraquecendo as lideranças, identificando os braços armados e os financiadores, através de investigações com a policia civil, numa operação chamada Operação Canaã”.

De acordo com José Antonio Silva Pinto, CEO & CFO do Grupo Inbra, “a entrega da primeira unidade do Gladiador II à Secretaria de Estado da Segurança, Defesa e Cidadania de Rondônia, deixa a todos nós extremamente honrados. É a constatação de que o trabalho com seriedade e determinação, sempre, promove os resultados almejados. O Grupo Inbra está pronto para suprir as demandas de mais este produto ao mercado nacional e internacional”.

Por se tratar de um veículo extremamente versátil, de manutenção logística simplificada, com a maioria de seus componentes encontrados no mercado nacional e que atende os requisitos militares de mobilidade e de proteção da tripulação mais exigentes, espera-se que esta seja a primeira de muitas encomendas, já de diversas organizações estão em contato com a empresa.

A equipe de desenvolvimento da viatura (Imagens: Inbra)

Um pouco da história

O Grupo Inbra, na época Inbrafiltro, foi fundado em 1979 no segmento têxtil, com a produção de filtros e tecidos técnicos industrial. Com seu desenvolvimento, foi se consolidando no mercado através de novas tecnologias aplicadas em seus produtos, tornando-se hoje, um dos maiores fabricantes brasileiros de equipamentos de proteção à vida.

Seu primeiro projeto de viatura blindada surgiu em 2002, através de uma parceria com o Centro Universitário da FEI, de São Bernardo do Campo (SP), com a criação do Veículo Blindado Leve (VBL) 4X4, o primeiro veículo deste segmento projetado para atender as normas técnicas, legislações de segurança veicular e ambiental no mercado automobilístico nacional.

O modelo, com tração 4X4 integral, foi baseado na Land Rover Defender 110, com motor turbo diesel Internacional HS 2.2L, mas com um sistema monobloco integral, com seu chassi substituído por uma estrutura autoportante em aço balístico e carroceria desenvolvida levando em consideração os esforços estruturais causados pelo peso adicional da blindagem e da estrutura.

Este projeto teve como objetivo principal atender requisitos exigidos pelo Exército Brasileiro (EB) à época, com proteção balística que resistisse a projéteis 7,62x51mm, e foi exposto no Congresso da SAE 2002, realizado em novembro, na cidade de São Paulo (SP), chegando a ser testado no Centro de Avaliação do Exército (CAEx), do EB.

Aproveitando a experiência adquirida com o modelo, em 2008, surge à segunda geração do VBL, mais moderno e este protótipo despertou a atenção de diversas forças policiais pelo Brasil, mas ele era ainda uma experimentação para um modelo muito mais ambicioso que estava sendo projetado.

Em abril de 2009, na feira LAAD, a Inbra surpreende a todos apresentando o mockup de um veículo completamente novo: o BLSR (Blindado Leve Sobre Rodas). Tratava-se de um blindado 4X4 leve, pesando cerca de 3,5 ton, com perfil baixo (1,70 m), com capacidade para sete ocupantes e emprego dual, destinado aos segmentos militar e de segurança pública, com dois protótipos construídos.

O primeiro foi da versão militar oferecida ao EB, cujo protótipo foi apresentado na LAAD 2011 com o nome de Gladiador VBL, e se destinava às missões de transporte de tropas, carga, ambulância e reconhecimento, podendo ser equipada com metralhados ou um canhão de até 20mm. Esta viatura foi avaliada pelo CAEx, durante a concorrência para projeto VBMT-LSR 4X4 do Programa Estratégico do Exército (Prg EE) GUARANI.

O Segundo foi da versão de segurança pública, que foi avaliado pelas polícias dos Estados do Espírito Santo, Paraná, Mato Grosso e Brasília, além da Força Nacional de Segurança Pública.

Na LAAD 2015, a empresa surpreendente a todos novamente com a apresentação do Gladiador II, um veículo com uma configuração completamente diferente.

Aproveitando de sua experiência nos projetos anteriores, a Inbra criou um blindado para atender os requerimentos dos conflitos do século 21, onde a mobilidade e a proteção de seus ocupantes é priorizada, com um nível de proteção balística podendo chegar nível 2 da norma STANAG 4569,  que resiste a impacto de projéteis de canhão de 20mm, de assoalho nível 2A, resistente à explosão de até 6 Kg de TNT sobre suas rodas, sendo que um protótipo desta versão foi construído e testado.

Além disso, possui pneus aro 20’ do tipo “off-road”, com anel toroidal (“run flat”) Hutchison, bancos especiais atenuadores de explosão, estrutura do teto reforçada para utilização de sistema de armas remotamente controladas (SARC), como o REMAX 3 ou o Samson Mini RWS.

A versão policial, devido à natureza de suas operações e as restrições impostas pela legislação, possui uma proteção balística um pouco inferior, porém ainda acima da maioria de seus concorrentes, tornando-o um veículo ideal para que as polícias enfrentem o atual nível de criminalidade com grande eficiência e segurança. E, provavelmente, veremos muitas entregas desta viatura nas páginas de Tecnologia & Defesa.

O Gladiador II, versão militar, equipado com um SARC REMAX 3, na LAAD 2015 (Foto: Gino Marcomini)

 

Características técnicas (Gladiador II 001)

  • Altura (s/ estação de armas): 2,25 m;
  • Largura máxima c/ retrovisores recolhidos: 2,38 m;
  • Largura máxima c/ retrovisores estendidos: 3,00 m;
  • Comprimento: 5,33 m;
  • Distância entre eixos: 3,60 m;
  • Bitola: 1,88 m
  • Vão livre do solo: 0,44 m;
  • Ângulo de entrada / saída: 64° / 36°;
  • Velocidade máxima: 100 km/h;
  • Capacidade do tanque de combustível: 120 litros;
  • Número de ocupantes: oito (motorista, comandante e seis agentes).

 

Copyright © 2021 todos os direitos reservados

Nenhuma parte desta publicação pode ser reproduzida ou transmitida em qualquer forma ou por qualquer meio, eletrônica ou mecanicamente, exceto nos termos permitidos pela lei, sem a autorização prévia e expressa do titular do direito de autor.

6 Comentários

  1. Na minha opinião este seria o veículo ideal para batalhões especiais em todos os postos de fronteiras inclusive com uma versão de patrulha diuturna utilizando cada uma até dois Orbis Santos Lab equipados com Câmeras e sensores para não passar nada escondido.

  2. Seria ótimo para as Policias Civil e Militar aqui no RJ. Chega de blindados gambiarras tipo carros fortes adaptados sem mobilidade alguma nas comunidades dominadas pelo tráfico.

  3. Na minha opinião particular, é lastimável esse blindado não ter sido adquirido pelas forças armadas. O Iveco LMV é um excelente blindado 4×4, mas é aquela coisa…ele não é nacional.
    Se o Guará da Avibras, ou o Gladiador, tivessem tido, prioridade para serem incorporados no exercito brasileiro, hoje nós já teríamos grande autonomia, na área de blindados leves 4×4.

    • Concordo com seu pensamento em relação a nacionalização, mas eles é que irão operar, eles é que irão escolher o que mais se adequa.
      Lembra? Foi dito o mesmo com relação ao Gripen, pois alegavam o Rafalle ser melhor, pode até ser, mas o Gripen se adequa mais ao que a FAB queria.

  4. Me pareceu um ótimo veículo, só que na minha visão, mesmo para as forças auxiliares (polícia militar e até a civil) merecia uma torre giratória fechada, para um operador verificar o terreno em segurança e efetuar disparos se necessário.

  5. Essa máquina com Remax em operações em áreas de domínio de milícias e ou traficantes em morros etc faria aquela diferença viu, precisão no abate dos coisa ruim com menos danos colaterais e proteção dos agentes de segurança.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here