Exército Italiano completa etapa do Programa “Forza NEC”

4
1483
O blindado Centauro II do EI mostrou toda sua capacidade de operar de forma integrada à brigada

A Brigada “Pinerolo”  encerrou, no dia 28 de outubro , a sessão de integração operacional (SIO) 2021, no âmbito da Campanha de Experimentação do projeto “Forza NEC” (“network enabled capability”), após mais de quatro semanas de intensa atividade no terreno do Polígono Militar “Torre Veneri“, em Lecce, na presença do general do exército Giovanni Fungo, comandante das Forças Operacionais Terrestres e Comando Operacional  do Exército Italiano (EI).

O projeto conjunto Defesa-Indústria, denominado Forza NEC, visa reduzir os tempos de comunicação e aquisição de informação em operações militares por meio de novas tecnologias de informação.

O exercício, realizado sob a coordenação do Estado-Maior do EI, foi conduzido pela Brigada Mecanizada “Pinerolo” (Brigata Meccanizata “Pinerolo”, em italiano), integrada por meios especializados de outros departamentos das Forças Armadas, também teve como objetivo desenvolver as capacidades do EI na dimensão forças combinadas.

O general Fungo visitou os postos de comando digitalizados, implantados no polígono de Lecce

Após uma situação no projeto Forza NEC e na sessão de integração em curso, realizada respectivamente pelo chefe do IV Departamento de Logística do Estado-Maior do Exército, general de divisão Maurizio Riccò, e pelo comandante da Brigada “Pinerolo”, brigadeiro General Luciano Antoci.

Durante a Sessão de Integração Operacional, a sinergia entre sistemas e veículos permitiu obter um fluxo de comunicações entre postos de comando digitalizados (navegação, geolocalização, mensagens formatadas, gestão da observação, identificação e engajamento de alvos), com o consequente conhecimento em tempo real da situação tática amigável e inimiga. Pela primeira vez em um SIO, graças à presença de estruturas especializadas em guerra eletrônica e segurança cibernética, foi possível testar a resiliência de sistemas de comando e controle, equipamentos de rádio e sistemas de geolocalização a esses tipos de ataques.

Entre os principais sistemas de nova geração testados, o nível de maturidade do Posto de Comando digitalizado em toldo, o posto de comando tático no veículo tático multitarefa médio (VTMM) Orso, o veículo tático multitarefa Leve (VTLM) Lince II, a última versão do sistema de controle e comando de navegação (SICCONA) instalado no veículo blindado médio (VBM) Feccia e no novíssimo blindado Centauro II, bem como o sistema de controle e comando de navegação (C2D / N) EVO instalado no VBM Freccia.

Também foi testado o TCCK (targeting and communication command kit), solução projetada para o gerenciamento do campo de batalha por operadores JTAC (joint terminal attack controller) e observadores JFO (joint forward observer), aeronave remotamente pilotada para vigilância em ambientes urbanos e em todas as condições de luminosidade e o veículo blindado de reconhecimento (VBR) CBRN, para reconhecimento especializado em ambientes caracterizados por risco químico, biológico, radiológico e nuclear.

A atividade permitiu adquirir uma capacidade efetiva de operar de forma totalmente digitalizada, utilizando sistemas de comando e controle, meios táticos e também equipamentos individuais em contexto de combate.

Texto e imagens: Exército Italiano

4 Comentários

  1. Olá Senhores camaradas do Tecnodefesa!

    Bastos Jr, obrigado pela reportagem e belas fotos.
    Até foi possível termos um antegosto da possível nova dobradinha do EB… (foto n°3)

    CM

    • Muito legal. O Freccia é um bichão de respeito. Vi na internet uma foto em que um Ariete estava equipado com a torre do Centauro II. Que o EB saiba e possa ($$$) aproveitar as soluções da Iveco.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here