Exército combate o garimpo ilegal na Amazônia

A 16ª Brigada de Infantaria de Selva (16ª Bda Inf Sl) está realizando, desde 14 de julho, a “Operação Curaretinga IV”, uma das diversas ações do Comando Militar da Amazônia (CMA) para combater os crimes transfronteiriços e ambientais na região da Tríplice Fronteira Norte (Brasil, Colômbia e Peru), além de intensificar a presença do Exército Brasileiro na região do Vale do Javari.

A ação é realizada por tropas do Comando de Fronteira Solimões do 8º Batalhão de Infantaria de Selva (CFSOL/8º BIS), da 16ª Base Logística de Selva (16ª Ba Log Sl), do 16º Pelotão de Comunicações de Selva (16º Pel Com Sl) e dos Pelotões Especiais de Fronteira do Exército Brasileiro (EB), em conjunto com agentes do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (IBAMA) e outras forças de segurança.

Até o momento já foram aprendidas ou destruídas 11 dragas, além de diversos materiais empregados no garimpo ilegal, como motobombas, motosserras, baterias, espingardas, celulares, balanças de precisão.

Já foram percorridas mais de 1.070 km em ambiente de selva que, devido à dificuldade de localização das áreas de garimpo, obrigam que as ações sejam sempre pontuais e baseadas em dados de inteligência, atuando em crimes como a mineração ilegal de ouro, a caça e a pesca predatórias, e o tráfico de drogas e de armas. As tropas também atuam na proteção das comunidades indígenas e na fiscalização da fronteira.

Neutralização de pista de pouso

Na ultima sexta-feira, dia 21, em coordenação com as agências e órgãos de segurança pública, as Forças Armadas realizaram a neutralização da pista de pouso que sustentava o garimpo ilegal em Rangel, rompendo o seu fluxo de apoio logístico e colaborando assim com a interrupção da atividade.

No dia 20, na mesma região, a ação registrou a prisão de 13 garimpeiros, além da destruição de três embarcações, seis motores, uma motobomba, um quadriciclo, um alojamento com cantina e um acampamento completo.

Além disso, as tropas abordaram duas embarcações tipo canoa e encontraram quantidades de ouro, avaliadas em aproximadamente 66 mil reais. A operação continua em andamento e as tropas estão empenhadas em combater todos os crimes ambientais na região.

A Operação Ágata Fronteira Norte, na qual a Curaretinga IV está inserida,  é uma operação interagências coordenada entre Órgãos de Segurança Pública, Agências e Forças Armadas, estabelecida pelo Decreto nº 11.405, de 30 de janeiro de 2023, alterado pelo Decreto nº 11.575, de 21 de junho de 2023.

Com informações e imagens da Comunicação Social do Comando Militar da Amazônia

Artigos Relacionados

Formulação Conceitual dos Meios Blindados do Exército Brasileiro ESTADO-MAIOR DO EXÉRCITO-PORTARIA Nº 162-EME, DE 12 DE JUNHO DE 2019 Documento...

Pela primeira vez no Brasil, foi realizado o reabastecimento em voo (REVO) por helicóptero, foi a chamada Operação MANGA. Na...

Empresas brasileiras destacam inovações e capacidades no cenário internacional A Associação Brasileira das Indústrias de Materiais de Defesa e Segurança...

Para celebrar os feitos dos mais de 25 mil homens e mulheres brasileiros que lutaram na 2ª Guerra Mundial, o...

Desde 1º de janeiro de 2023, o dr. Artur José Dian ocupa o cargo de Delegado-Geral da Polícia Civil do...

Em um surpreendente anuncio ocorrido hoje, dia 11 de junho, a empresa franco-germânica KNDS informou que encerrou as negociações de...

Comentários

Uma resposta

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

DISPONÍVEL