Execução orçamentária de 2022 é a melhor da série histórica do Exército

A avaliação preliminar da execução orçamentária de 2022 mostrou que o Exército Brasileiro teve o melhor resultado na comparação com os anos anteriores de sua série histórica.

O planejamento em diferentes níveis contribuiu para que a Instituição atingisse o resultado. Isso foi possível devido à antecipação das necessidades, do planejamento orçamentário e da realização da primeira fase das licitações no ano anterior à execução, além de remanejamentos oportunos e engajamento da cadeia de comando em todos os escalões.

O comandante do Exército, general de exército Júlio Cesar de Arruda, reconheceu o trabalho e reforçou a necessidade de superação para o próximo exercício. “Ao cumprimentar os órgãos de direção, comandos militares de área, órgãos de assistência direta e imediata ao comandante do Exército, centros de gestão, contabilidade e finanças do Exército e todos os agentes da administração por esse resultado notável, encorajo-os a superar os números e a melhorar ainda mais a qualidade do gasto em 2023”.

Fonte: Centro de Comunicação Social do Exército

Artigos Relacionados

Formulação Conceitual dos Meios Blindados do Exército Brasileiro ESTADO-MAIOR DO EXÉRCITO-PORTARIA Nº 162-EME, DE 12 DE JUNHO DE 2019 Documento...

Pela primeira vez no Brasil, foi realizado o reabastecimento em voo (REVO) por helicóptero, foi a chamada Operação MANGA. Na...

Empresa do Grupo Embraer participa de debate sobre soluções tecnológicas que estão moldando o futuro dos grandes centros urbanos As...

Hoje, dia 16 de maio, às 18:00hs, será lançado o livro “Segurança Escolar – Prevenção multidisciplinar escolar contra-ataques ativos”, de...

Um drone do Exército Brasileiro (EB) localizou, no fim da tarde dessa terça-feira, dia 14, moradores pedindo ajuda no topo...

A Águas Azuis, Sociedade de Propósito Específico (SPE), estabelecida entre a Thyssenkrupp Marine Systems, Embraer Defesa& Segurança e Atech para...

Comentários

4 respostas

  1. Buenas.
    Significa que o EB ou gastou menos do que recebeu ou não recebeu o suficiente para custear os investimentos.
    Falta perenidade e previsibilidade.

    1. Prezado

      Não.
      Não se pode gastar menos do q se recebe, sob pena deste ser o novo teto de orçamento pro ano seguinte.
      Significa, q o planejamento e a execução foram bem feitas, sem deixar muitos restos a pagar pro ano seguinte, gastando o previsto na hora certa.

  2. Essa é uma boa noticia, infelizmente, responsabilidade fiscal é visto com maus olhos no Brasil, prova disso é a persistência do brasileiros em eleger cleptomaniacos para administrar os seus impostos.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

DISPONÍVEL