EXCLUSIVO! Atobá XR. O novo VANT da Stella Tecnologia

A Stella Tecnologia vai apresentar amanhã, na LAAD Security & Defence, a sua mais recente novidade, o Atobá XR. A feira acontece de 2 a 4 de abril no Expo Transamérica, em São Paulo.

A empresa, que é 100% nacional e que cada vez mais tem ganhado espaço com soluções de ponta e inovações no setor, tem sede no Rio de Janeiro e é dona de uma carteira interessante de produtos como o Condor; o Albatroz, desenvolvido para operações embarcadas; e o Atobá, que é o maior VANT já desenvolvido na América Latina.

Numa entrevista exclusiva para a revista Tecnologia & Defesa, Gilberto Buffara, CEO da Stella Tecnologia, comentou sobre a mais recente novidade da empresa.

“Estamos trabalhando no Atobá XR, que é três vezes maior que o Atobá. Ele terá 300kg de carga paga e peso total de 1.400kg utilizando um motor à pistão Rotax 116 de 160hp de potência. Para não ficar dependente deste motor, também vamos buscar uma alternativa nacional, mas isso estará atrelado ao desenvolvimento de um projeto. De envergadura, serão 17 metros, e outros 9 metros de comprimento. É um projeto bem  grandioso mesmo”.

O Atobá, maior VANT da empresa até o Atobá XR.

O Atobá XR terá versões otimizadas para três missões: reconhecimento, patrulha e ataque, com autonomia de 35 horas, 30 horas e 12 horas, respectivamente. A velocidade de cruzeiro é de 370km/h. O sistema de comunicação inclui datalink da Hensoldt e também a integração de um link satelital.

“Na variante de reconhecimento estamos projetando o uso do multisensor multiespectral Argos 2 da Hensoldt que é full HD e pesa 52kg”, disse Buffara.

O sensor possui câmera termal Middle Wavelength Infrared com 16x de zoom óptico e 130x zoom digital; câmera convencional com capacidade de observação em ambiente com pouca luminosidade e imagem colorida ou por infravermelho; laser rangefinder com 20km de alcance dentre outros.

A versão de patrulha vai incluir um radar PrecISR 1000 que fornece imagem SAR com mapeamento de área, alcance de até 370km, peso de 58kg, 360º de cobertura, antena de varredura eletrônica ativa (AESA) de 73x30cm que trabalha na banda X e com transmissores em nitreto de gálio.

Por fim, a versão de ataque terá o radar PrecISR e um sistema de armas que pode incluir tipos convencionais e guiados.

“Poderemos integrar armamentos de vários fornecedores no Atobá XR, inclusive de empresas nacionais, limitado a 300kg. Estamos buscando o desenvolvimento de uma bomba planadora guiada por GPS e designação laser. E assim como o motor e os armamentos, os sistemas embarcados de sensores e radar não necessariamente precisam ser da Hensoldt. Nós adotamos essa solução, mas o nosso objetivo é poder integrar outras soluções que o VANT permitir”, explicou Buffara.

A estrutura será de fibra de carbono e de vidro, sendo a segunda usada em locais onde há necessidade de baixa resistência de elétrica para não interferir nas comunicações.

“O projeto já está em desenvolvimento na parte de engenharia, estamos adiantados nesse sentido. Assim que tivermos a verba disponibilizada, seja via recursos de pesquisa ou governamental, o prazo de produção do primeiro exemplar são 18 meses, aproximadamente”, conclui Buffara.

Artigos Relacionados

Formulação Conceitual dos Meios Blindados do Exército Brasileiro ESTADO-MAIOR DO EXÉRCITO-PORTARIA Nº 162-EME, DE 12 DE JUNHO DE 2019 Documento...

Pela primeira vez no Brasil, foi realizado o reabastecimento em voo (REVO) por helicóptero, foi a chamada Operação MANGA. Na...

Com o objetivo de desenvolver sistemas de alta tecnologia de propulsão e de  aeronaves não tripuladas, está sendo anunciada a...

De todas as novidades da FIDAE 2024, definitivamente a que mais surpreendeu o público não foi a vinda do caça...

A atuação dos drones na guerra entre a Rússia e a Ucrânia mudou os conceitos e doutrinas do atual cenário...

Durante a FIDAE 2024, a Boeing apresentou uma atualização do programa do avião de patrulha marítima P-8 Poseidon e os...

Comentários

2 respostas

  1. Algo me leva a crer, que, assim que as demandas das FA e Forças de Segurança recaírem sobre essas plataformas (proximidade de processos de compras), essa empresa vira parta da Embraer. Será?

  2. E nossa amada FAB, gastando milhões com Israel em nova compra de drones.
    Vale lembrar que quem pós fim ao drone Falcão da Avibras, foi a própria FAB, que cancelou a compra do lote piloto, mesmo tendi gastado uma grana no co desenvolvimento de sistemas como SNC, Giroscópios etc.
    Temos ótimos projetos de drones, aviões, armamentos etc.
    Mas nunca irão para frente com a FAB jogando contra a indústria nacional !

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

EM BREVE