Estados Unidos aprovaram a venda de caças F-16 para a Argentina

Por Santiago Rivas (*)

O governo dos Estados Unidos aprovou a transferência dos 24 caças Lockheed Martin F-16A/B Fighting Falcon MLU (“mid life upgrade” ou modernização de meia-vida, em português), oriundos da Força Aérea Dinamarquesa, para a Força Aérea Argentina (FAA), e de três Lockheed P-3C e um P-3N Orion para Comando de Aviação Naval Argentino (COAN) da Armada Argentina (ARA).

Passado o prazo de 30 dias, em que o Senado dos Estados Unidos poderia apresentar objeções e não houve nenhuma, bem como a entrega pela Argentina da carta aceitando as condições da transferência, o subsecretário adjunto de Segurança Regional do Departamento de Estatal, Mira Resnick, indicou em teleconferência com jornalistas, segundo o jornal Clarín, que “comunicamos oficialmente ao governo da Dinamarca a aprovação dos Estados Unidos da transferência para agora trabalhar diretamente com o governo argentino para finalizá-la”.

Quando o Congresso foi notificado da oferta à Argentina pelos F-16, para que pudesse apresentar suas possíveis objeções, foi indicado que seriam oferecidos seis Block 10 e 32 Block 15, por 338 milhões de dólares (apenas para os aviões), mas A FAA  solicitou apenas 24 aparelhos, embora também comprasse um grande lote de peças de reposição e ferramentas da Dinamarca e contratasse o treinamento de pessoal, de modo que o contrato com aquele país seria de cerca de 650 milhões de dólares. A isto se soma o contrato de armamento, a ser assinado com os Estados Unidos, juntamente com a compra da aeronave, que incluiria mísseis AIM-9X Sidewinder, AIM-120 AMRAAM, bombas guiadas e pods de designação e reconhecimento de alvos, entre outros equipamentos, por um valor não especificado.

Nesse sentido, Resnik indicou, conforme publicado pelo jornal La Nación, que “Estamos trabalhando no financiamento agora e esperamos notificar em breve 40 milhões de dólares em financiamento militar ao Congresso e acreditamos que isso ajudará a aumentar a competitividade desta solução para modernizar a sua frota envelhecida da Força Aérea e apoiar a sua segurança nacional”.

Internamente os militares da FAA, não acreditam que o atual governo vá avançar na assinatura do contrato e esperam levar o assunto ao poder político após as eleições de 22 de outubro, esperando obter o compromisso de quem vencer para avançar com as compras. Nesse sentido, a Argentina tem pouca margem de manobra, pois existem diversas nações interessadas tanto nos aviões quanto no lote de peças de reposição, portanto a oferta será mantida por pouco tempo.

No caso dos P-3 Orion, a ARA também espera poder assinar um contrato o mais rápido possível, embora também haja pouca esperança de que isso seja feito com o atual governo e certamente também terão que aguardar até 2024, esperando que a oferta permaneça válida.

P-3C Orion da US Navy

(*) Santiago Rivas é jornalista e fotógrafo argentino, especializado em defesa, editor da revista Pucará Defensa e colaborador de Tecnologia & Defesa na Argentina

Artigos Relacionados

Formulação Conceitual dos Meios Blindados do Exército Brasileiro ESTADO-MAIOR DO EXÉRCITO-PORTARIA Nº 162-EME, DE 12 DE JUNHO DE 2019 Documento...

Pela primeira vez no Brasil, foi realizado o reabastecimento em voo (REVO) por helicóptero, foi a chamada Operação MANGA. Na...

A Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) planeja testar uma das mais avançadas tecnologias de imageamento por satélite. Isso será...

A IACIT fortaleceu sua posição no mercado ao estabelecer uma colaboração estratégica com a Omnisys Engenharia, subsidiária da Thales, e a Meteomatics,...

A MBDA assinou uma emenda contratual com a Organização para Cooperação Conjunta em Armamento (OCCAR) para aumentar as capacidades técnicas...

A equipe de Tecnologia & Defesa esteve a bordo do super navio-aeródromo USS George Washington (CVN 73), um navio de...

Comentários

7 respostas

  1. Vão usar por uns 5 ou 7 anos
    Depois se juntam aos A-4’AR no museu de material obsoleto e inutilizável.

  2. Custo a acreditar que os EUA irão liberar AIM 120 pra eles kkkk. Os ingleses vão turrar os americanos até eles desistirem dessa ideia.

  3. Esperar a contraoferta da China… O problema aí é manter a Argentina sob controle perante a Inglaterra e fora da esfera de influência chinesa… E isso, só conseguirão se conseguirem vender os geriátricos F-16A/B.

  4. É apenas um joguinho geopolítico do Sr: Joe Biden (bidê) com o Brasil, eles sabem que o Brasil está desenvolvendo os seus aviões. Também sabe que a China tem interesse em colocar bases ao sul perto da Patagônia, então, ele quer equilibrar o joguinho com o Brasil e China. Não esqueçam que o Brasil, (ao contário da Argentina) tem uma indústria bélica de defesa que está em crescimento.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

DISPONÍVEL