Esquadrões da FAB participam de Exercício Técnico Pista Crítica

Os Esquadrões de Transporte Aéreo Tracajá (1º ETA) e Cobra (7º ETA), sediados, respectivamente, na Ala 9, em Belém (PA), e na Ala 8, em Manaus (AM), realizam até hoje, dia 24/07, o Exercício Técnico Pista Crítica – Fase 1 (EXETEC). O Exercício, que foi iniciado no dia 9 de julho, é sediado na Ala 7, Organização Militar da Força Aérea Brasileira (FAB), localizada em Boa Vista/RR.

Objetivo é tornar cada piloto proficiente na operação em pistas restritas na Região Amazônica.

Durante esse período, 56 militares, entre pilotos e mecânicos de voo, recebem instruções e adestramento, de forma a manter a operacionalidade na aeronave C-98 Grand Caravan para pousos e decolagens nas pistas de Surucucu, Uiramutã, Bonfim e Normandia, localizadas nos Pelotões de Fronteiras.

O EXETEC é primordial para tornar cada piloto proficiente na operação em pistas restritas na região amazônica, bem como na adaptação ao ambiente que possui diversas dificuldades, como terreno montanhoso e meteorologia adversa”, disse o Comandante do Esquadrão Tracajá, Tenente-Coronel Aviador Lázaro de Andrade Stallone.

O Tenente Aviador Murilo Padoan Boni Rocha, que participa pela primeira vez de um Exercício Técnico, destacou os aprendizados advindos do EXETEC. “Participar desse treinamento é poder sentir, na prática, o diferencial de se operar na nossa Amazônia. Aprender a atuar nas pistas críticas é uma experiência que me faz evoluir como piloto”, ressaltou.

O EXETEC também contemplará, em sua próxima fase, pistas críticas em Pelotões de Fronteira do Estado do Amazonas, contribuindo para o aprimoramento das tripulações, em especial, dos pilotos oriundos do Esquadrão Rumba (1°/5° GAV), como destacou o Comandante do 7º ETA, Tenente-Coronel Aviador Rodrigo Fonseca da Silva Rosa. “O treinamento em pistas críticas capacita nossos pilotos, principalmente os recém-chegados do Esquadrão Rumba, a operarem nos diversos aeródromos peculiares da região amazônica, contribuindo dessa forma com a missão da Força Aérea de integrar o território brasileiro”, concluiu o Comandante do 7° ETA.

 

Fonte: Agência Força Aérea

Fotos: Tenente Nijelshi, Tenente Dantoniele e Tenente Padoan / 7° ETA

Artigos Relacionados

Formulação Conceitual dos Meios Blindados do Exército Brasileiro ESTADO-MAIOR DO EXÉRCITO-PORTARIA Nº 162-EME, DE 12 DE JUNHO DE 2019 Documento...

Pela primeira vez no Brasil, foi realizado o reabastecimento em voo (REVO) por helicóptero, foi a chamada Operação MANGA. Na...

Variante com uma nova torre é  apresentada na feira de Paris A BAE Systems está apresentando o CV90MkIV com uma...

Na quarta-feira (12), o mercado de defesa se agitou com a notícia divulgada pelo portal britânico Janes de que o...

A AVIBRAS Indústria Aeroespacial S/A, que em tempos passados foi considerada uma das maiores empresas  de defesa do mundo, mas...

Empresas brasileiras destacam inovações e capacidades no cenário internacional A Associação Brasileira das Indústrias de Materiais de Defesa e Segurança...

Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

DISPONÍVEL