Elbit anuncia venda do ATMOS para a Colômbia

No dia de hoje, 18 de abril, o grupo israelense Elbit Systems anunciou um contrato com o governo da Colômbia para o fornecimento do sistema de artilharia autopropulsado ATMOS, de 155 mm e 52 calibres.

O valor é de proximamente US$ 102 milhões e a quantidade exata não foi divulgada, pois, nas palavras da empresa, será “equivalente a um Batalhão”, o que leva a supor que devem ser entre 12 e 18 unidades. Este contrato será executado em um período de oito anos.

A compra aconteceu dentro do Projeto Soberania, um programa do modernização do Exército Colombiano, e o ATMOS competiu com o francês CAESAR, da Nexter, e o turco Yavuz, da Makina ve Kimya Endüstrisi (MKE).

Esta aquisição será analisada com cuidado pelos militares brasileiros responsáveis pelo Projeto VBCOAP 155mm SR do Exército Brasileiro, pois este sistema também será operado no ambiente de selva amazônica.

Com informações da Elbit Systems

 

Veja também

Colômbia confirma escolha do CAESAR

Outra reviravolta – Colômbia agora vai de ATMOS

Artigos Relacionados

Formulação Conceitual dos Meios Blindados do Exército Brasileiro ESTADO-MAIOR DO EXÉRCITO-PORTARIA Nº 162-EME, DE 12 DE JUNHO DE 2019 Documento...

Pela primeira vez no Brasil, foi realizado o reabastecimento em voo (REVO) por helicóptero, foi a chamada Operação MANGA. Na...

A AVIBRAS Indústria Aeroespacial S/A, que em tempos passados foi considerada uma das maiores empresas  de defesa do mundo, mas...

Empresas brasileiras destacam inovações e capacidades no cenário internacional A Associação Brasileira das Indústrias de Materiais de Defesa e Segurança...

Para celebrar os feitos dos mais de 25 mil homens e mulheres brasileiros que lutaram na 2ª Guerra Mundial, o...

Desde 1º de janeiro de 2023, o dr. Artur José Dian ocupa o cargo de Delegado-Geral da Polícia Civil do...

Comentários

9 respostas

      1. Bom dia Paulo !!

        Existe a possibilidade do exército comprar mais que os 36 previstos nessa concorrência? Sou leigo no assunto mas 36 não seria pouco pro tamanho do Brasil?

        Abraço

  1. Parabéns à Colômbia pela ótima escolha. Agora esperar pela escolha do Brasil. O que me preocupa nisso tudo é que o Brasil quer artilharia sem tem uma defesa antiaérea seria. Será que a guerra dos 6 dias, Yom Kippur e até mesmo a Falklands war não mostrou o perigo que é não ter defesa antiaérea adequada?

    1. Paulo, quando se fala em Defesa Anti Aérea, tem que levar em conta as camadas. Tem a defesa de ponto, que seria por exemplo, na proteção das colunas blindadas ou artilharia, neste caso os misseis portateis ou montados em viaturas tipo SHORAD, etc, e até o Gepard, dão conta. A Defesa AAe de médio e longo alcance, já visam a proteção de instalações estratégicas e até cidades, são outro nivel, e é onde estão os estudos para lanças a RFP. Salvo melhor juízo aqui de nosso Professos Paulo Bastos

      1. Muito obrigado Marcelo pela explicação. Sou muito leigo nisso tudo é tenho muita preocupação pelos soldados; desejo que seja sempre be protegidos. Estava mais uma vez assistindo o Yom Kippur War e como o Exército Egípcio conseguiu neutralizar a força aérea Israelense com o Wall: uma barreira de proteção de mísseis anti aéreos de longo alcance e como dentro dessa cortina protetora eles tinham a liberdade de operar. Minha preocupação era qual defesa de um ataque aéreo nossa artilharia teria. Obrigado mesmo pela explicação.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

DISPONÍVEL