Editorial – Na verdade, é extremamente grave…

Hoje, 30 de janeiro de 2024, toda a comunidade brasileira de Defesa e Segurança viu-se estarrecida diante da notícia de que o Banco do Brasil S.A., um banco público, criado por D. João VI para financiar o desenvolvimento da então colônia, atuando em diversos segmentos, não vai mais dar suporte a Base Industrial de Defesa e Segurança, a BIDS. Isso significa, em última análise, a falta de respaldo financeiro e de garantia às exportações, o que vai trazer um desastre colossal para a BIDS e, por extensão, a setores relacionados com pesquisas e desenvolvimento tecnológico chegando, inclusive, na mídia especializada.

Como é possível uma decisão neste sentido? Será que a governança corporativa da instituição financeira desconhece o que a BIDS representa para o País? Não sabe que responde por 4% do PIB nacional, que gera milhares de empregos diretos e de alta qualificação e de muito mais indiretos, numa cadeia virtuosa de geração de renda, de arrecadação, de ganho de conhecimento e seu caráter estratégico para a soberania brasileira junto a abrir mercados no exterior?

Sabe-se que a BIDS vem, com muito esforço e sacrifícios, obtendo uma paulatina consolidação e não se sujeitar ao “voo de galinha” da década de 1980, quando, em consequência, as Forças Armadas do Brasil tiveram que recorrer a materiais de segunda mão de outros países para manter um mínimo de operacionalidade crível.

E, do ponto de vista geopolítico mundial, é prudente abdicar de uma BIDS autóctone?
A sociedade brasileira, na sua parcela séria e responsável, espera que esta inconsequente medida seja revista, deixando de lado as falsas posturas politicamente corretas.

O Brasil já paga muito caro por isso em outros campos de atividade.

Artigos Relacionados

Formulação Conceitual dos Meios Blindados do Exército Brasileiro ESTADO-MAIOR DO EXÉRCITO-PORTARIA Nº 162-EME, DE 12 DE JUNHO DE 2019 Documento...

Pela primeira vez no Brasil, foi realizado o reabastecimento em voo (REVO) por helicóptero, foi a chamada Operação MANGA. Na...

Um valor em torno de U$ 400 milhões, resultante de acordo entre o grupo britânico e o Exército da Dinamarca...

As tripulações estão prontas para operar, a bordo do novo blindado, em todos os contextos operacionais. A Escola de Cavalaria...

O grupo italiano Leonardo vem registrando importantes marcas neste início de 2024. Dentre as conquistas e acordos de cooperação recentemente...

No dia de ontem, 27 de fevereiro, representantes da Diretoria de Fabricação (DF) do Exército Brasileiro visitaram a empresa Ares...

Comentários

18 respostas

  1. Excelente editorial, tem que ser investigada esta direção tosca e absurda da direção do BB. Por mim já se demitiria toda a diretoria que votou a favor de tal absurdo antipatriótico .

    1. são os acionistas, talvez devido ao fenômeno ESG. Toda empresa de capital aberto vai ter que fazer movimentações nesse sentido.

  2. deixem com o BNDES. Essas coisas é com banco de fomento ao investimento, não com banco comercial.

  3. A Finep pode substituir o BB da aplicação dos recursos, se o governo entender… A Finep atua em fomento tecnológico e sem indústria de Defesa… o que resta da indústria? Ela é estratégica demais. Tem que existir de qualquer maneira,.como em qualquer país.

  4. O principal banco institucional do país está deixando de investir em defesa básica para poder investir em medidas que vão contra o país possuir seu território? WTF

    1. Mas esses ” vice-presidentes” , diretores, estão lá por que é um cabide de emprego! Apenas uma espaço gordo para acomodar lacaios do governo. Esses caras não entendem disso não! São apenas do “contra” sem importar do que se trata! São toscos, obtusos, querem agradar ao grande chefe!

  5. o Banco ainda poderá realizar os financiamentos, mas não com capital próprio, ou seja o governo federal terá de disponibilizar a linha.

  6. Toda nação tem o governo que merece, a inércia do alto escalão do EMFA tem dado
    respaldo para tais decisões!

  7. E a profecia está se concretizando…o ESG chega para, em nome de “governança” inviabilizar o mercado de defesa brasileiro…pois é, quem viveu, agora está vendo…e as barreiras comerciais aumentando exponencialmente…

  8. pergunta aos liberais, mas e os bancos privados.? ah os bancos privados não financiam venda de material de defesa, ou seja cabe ao estado, a um bando do estado. ou seja é a mão do estado e não a mão invisível do mercado que fomenta a indústria de defesa

    1. banco privado não e obrigado a nada e nao tem compromisso com politicas de governo. Voce poria teu dinheiro de forma ” altruistica” pra financiar a industroa de defesa?

  9. onde está os lucros dessa empresa.. deveriam trabalhar com os seus próprios lucros e não com dinheiro público…se existe a tanto tempo e não tem caixa pra financiar novos projetos tem que acabar mesmo…ou então pegar o dinheiro emprestado em um banco particular ou específico pra esse fim tipo bnds….

  10. Banco do Brasil é um.banco comercial. Financiamento de indústrias de defesa e segurança deve ter Financiamento direto do governo Federal e orçamento previsto para tanto

  11. Indústria de Defesa deve ser financiada por Empresas de conceito Público e fiscalizada por órgãos ligados ( subordinados) ao IME e ao Instituto da defesa ) para não ficar as mãos de critérios políticos.

  12. quem nomeou esta diretoria? fazem discurso falacioso de apoio e na pratica detonam aindustria de defesa. cada povo arca com suas escolhas. Falta de aviso não foi

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Disponível

DISPONÍVEL