Damen Sigma 10514 será a nova fragata da Colômbia

Por Santiago Rivas (*)

O Ministério da Defesa colombiano informou que selecionou o estaleiro Damen como parceiro de seu estaleiro local Cotecmar, de propriedade da Marinha colombiana, para o fornecimento do projeto das futuras fragatas desta última força, dentro do programa PES (Plataforma Estratégica de Superfície). Como indicado, o projeto selecionado é o Damen Sigma Classe 10514, que também foi oportunamente escolhido pelo México para a construção do que eles chamaram localmente de Patrulha Oceânica de Longo Alcance (POLA), e da qual eles já construíram uma unidade, denominada ARM Benito Juárez (inicialmente batizado de ARM Reformer).

Embora o projeto seja adaptado às necessidades da Colômbia, para uma classe de navios com capacidades maiores que as atuais corvetas da classe Almirante Padilla, o projeto básico da Damen é de 2.365 toneladas de deslocamento, armada com mísseis Boeing Defense RGM-84L Harpoon Block II, um lançador vertical Mk56 para oito mísseis RIM-162 ESSM (Evolved Sea Sparrow), um sistema de combate Thales Tactical, radares Raytheon Anschütz Synapsis e Thales Smart, sistema de contramedidas eletrônicas Indra Rigel, comunicações integrais Navantia Hermesys e sonar Thales Captas.

As armas instaladas na unidade mexicana, que poderiam ser replicadas nas da Colômbia, são dois lançadores de torpedos triplos Raytheon Mk.54 Mod 0, um canhão BAE Systems Bofors Mk3 de 57 mm, uma munição BAE Systems Bushmaster Mk 38 Mod 2 25 mm, uma Lançador Raytheon Mk 31 com 21 mísseis RIM-116 Rolling Airframe Missile (RAM) Block II e quatro suportes para metralhadoras de 12,7 mm. Também possui plataforma de popa para implantação de barcos interceptores e convés de voo e hangar para helicóptero médio.

O programa PES originalmente propunha a construção pelo estaleiro local Cotecmar de quatro fragatas de cerca de 3.600 toneladas, com sistemas antinavio, antiaéreo e antissubmarino, radar de baixa assinatura e sistemas de detecção para todos os tipos de ameaças. Esses seriam os primeiros grandes navios de guerra da força, hoje equipados com os quatro navios da classe Almirante Padilla. Embora a Marinha colombiana as classifique como fragatas, seu deslocamento de 1.500 toneladas e suas capacidades as colocam como corvetas.

Matéria originalmente publicada no Portal Pucará Defensa como “Colombia selecciona el diseño Damen Sigma Clase 10514 para sus próximas fragata”, em 23/09/2022

 

(*) Santiago Rivas é jornalista e fotógrafo argentino, especializado em defesa, editor da revista Pucará Defensa e colaborador de Tecnologia & Defesa na Argentina

Artigos Relacionados

Formulação Conceitual dos Meios Blindados do Exército Brasileiro ESTADO-MAIOR DO EXÉRCITO-PORTARIA Nº 162-EME, DE 12 DE JUNHO DE 2019 Documento...

Pela primeira vez no Brasil, foi realizado o reabastecimento em voo (REVO) por helicóptero, foi a chamada Operação MANGA. Na...

Durante a Eurosatory 2024, que esta ocorrendo no Centro de exposições Paris-Nord Villepinte, localizado nos arredores de Paris, a empresa...

Variante com uma nova torre é  apresentada na feira de Paris A BAE Systems está apresentando o CV90MkIV com uma...

Na quarta-feira (12), o mercado de defesa se agitou com a notícia divulgada pelo portal britânico Janes de que o...

A AVIBRAS Indústria Aeroespacial S/A, que em tempos passados foi considerada uma das maiores empresas  de defesa do mundo, mas...

Comentários

6 respostas

  1. Em comparação com a fragata tamandaré qual das 2 é mais equipada e qual delas teria vantagem em um combate ?

    1. bem, se levarmos em conta o fato de que a Tamandaré estará armada com um missil Exocet block II de fabricação nacional (vulgo mansup) com míseros 70 km e alcance e as Sigma colombianas estarão armadas com harppon com quase o dobro do alcance, então imagino que vai poder atirar bem antes que a Tamandaré entre em alcance para disparo.

  2. A curvatura da terra impede aos radares detectar um navio na distância do alcance do míssil, então existe outros fatores que determinam o acerto do alvo.Helicóptero fazendo reconhecimento para orientar o disparo por exemplo.
    O míssil brasileiro é um lote de desenvolvimento que no futuro após acertados todos os parâmetros de voo e navegação que na minha opinião de leigo são os mais difíceis de desenvolver não impedirão de aumentar o alcance que nada mais é que melhorar a queima do propelente ou colocar uma micro turbina.
    Abraço a todos!

  3. Lembrando que as Tamandaré e capaz de lançar o Exocet Block 3 com o mesmo lançador do Mansup, Em relação ao alcance do Mansup o Caiafa disse em diversas livres que será maior que 70km.
    O Mansup utiliza o motor desenvolvido pela a Avibras para modernizar os Exocet Block 2 da Marinha e ele tem uma maior potência em relação ao antigo com isso acarreta em um maior alcance acredito que o que limita o Block II modernizado e apenas a cabeça de busca que e limitada aos 75km.
    Nós últimos testes do Mansup disseram que com os testes passados desenvolveram uma cabeça de busca nova e que conseguiram um maior alcance então até a homologação e fábricação do Mansup pode esperar bem mais que os 75km.

  4. Essa Sigma 10514 é uma excelente embarcação, ela quase ganhou a concorrência do programa de corvetas Tamandaré, era a favorita até a thyssenkrupp chutar o balde e oferecer a opção da meko A-100 esticada e alargada de 3350 ton e transformar o programa de corvetas nosso em fragatas leves.

    Parece que nesse projeto da Colombia vão dar uma dimensionada na Sigma para 3000ton.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

DISPONÍVEL