CAEx  apoia testes de componentes de munição da IMBEL

Entre os dias 13 e 15 de fevereiro, Centro de Avaliações do Exército (CAEx), “Campo de Provas da Marambaia/ 1948”, apoiou testes realizados pela Indústria de Material Bélico do Brasil / Fábrica de Juiz de Fora (IMBEL/FJF), para ensaio de componentes de munição.

Participaram do evento engenheiros e técnicos do CAEx, da IMBEL/FJF e militares do 31º Grupo de Artilharia de Campanha – Escola (31º GAC – Es).

Após a climatização das munições, a 21º celsius, foram realizados, nas Linhas I e V, ensaios de distância de não funcionamento, sensibilidade e retardo e resistência mecânica, para recebimento de um lote de espoletas EOP IMB 1105.

Posteriormente, foram efetuados testes para fixação de carga do Tiro 105 mm, quando foi confirmada a taragem da pólvora, das cargas 1 e 2, e foi feita a fixação da carga de pólvora, nas cargas 3 a 7, cujo objetivo foi definir a quantidade exata de pólvora que cada carga de projeção deve possuir, de acordo com critérios de velocidade inicial e pressão no tubo dos materiais de emprego militar onde é aplicada.

A atividade ressalta o trabalho do Sistema Fabril do Exército apoiado pelas atividades de teste e avaliação, no sentido de atestar a segurança e a eficiência dos componentes e munições fabricados pela IMBEL.

Fonte: Centro de Avaliações do Exército

Artigos Relacionados

Formulação Conceitual dos Meios Blindados do Exército Brasileiro ESTADO-MAIOR DO EXÉRCITO-PORTARIA Nº 162-EME, DE 12 DE JUNHO DE 2019 Documento...

Pela primeira vez no Brasil, foi realizado o reabastecimento em voo (REVO) por helicóptero, foi a chamada Operação MANGA. Na...

Na tarde de hoje, 27 de maio, um comboio com três viaturas blindadas de transporte de pessoal (VBTP) 6X6 Guarani,...

No dia de hoje, 24 de maio, a Agência de Cooperação de Segurança de Defesa (Defense Security Cooperation Agency – DSCA)...

A capital turca, Istambul, foi palco de discussões sobre segurança e defesa nos dias 21, 22 e 23. A Feira...

De acordo com a portaria nº 443-COTER/C Ex, o Exército Brasileiro (EB), através do Comando de Operações Terrestres (COTER), constituiu...

Comentários

6 respostas

  1. o Tiro 105 mm de artilharia esta sendo usado somente como base para teste correto? pois a tendência e o abandono desse calibre, nao faria sentido abrir uma linha de produção agora pra algo a ser descontinuado num futuro próximo

    1. acho que isso e pra apena testa a IMBEL que fazer muniçãoes mais pesadas como de 120mm e 155mm mas não podemos nega o fato de que muniçãoes de 105mm ainda são bem eficientes bom ser usadas em momentos específicos na qual a necessidade de ser usa esse tipo de munição fora que ela e bem mais barata e rápida de ser fábrica, Bom acho que a IMBEL tá só testando mesmo

      1. Não acho.
        Infelizmente o calibre 105mm ainda tem uma vida longa pela frente na Artilharia do EB e, dessa forma, é necessário adquirir munição.

    2. O 105mm continua em operação em muitos países, inclusive nas potências ocidentais. É muito versátil e leve, entra em operação rapidamente. Não vejo nada q possa substituir ele, principalmente em artilharia de selva aero transportável.

  2. Dúvida, o exército dos EUA por exemplo testou o sistema phalans/ciws como artilharia de defesa antiaérea, e os seus sensores/radar conseguem localizar e destruir projéteis de 155mm por exemplo, logo, os exércitos q utilizam equipamentos do tipo, p não serem interceptados e prejudicados, teriam q diminuir o calibre das artilharia como por exemplo 120mm autopropulsado?!…, abraços.

  3. Existe algum estudo ou processo para a aquisição de novos obuses rebocados para o EB? Nossa artilharia rebocada é muito arcaica

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

DISPONÍVEL