Brasil e República Tcheca fortalecem parceria na indústria de defesa

O Ministério da Defesa sediou, no dia 4 de março, reunião preparatória para o Diálogo das Indústrias de Defesa (DID) entre Brasil e República Tcheca. O encontro teve como objetivo principal fortalecer os laços comerciais e de cooperação no setor de defesa entre os dois países.

Durante a reunião, as associações e empresas de defesa de cada país tiveram a oportunidade de apresentar seus portfólios e potencialidades, buscando promover o intercâmbio comercial e tecnológico entre os setores. O evento foi concebido com o intuito de aproximar instituições e empresas interessadas em futuros acordos comerciais na área de defesa.

A reunião aconteceu de forma híbrida e contou com a participação de representantes da Secretaria de Produtos de Defesa (Seprod), do Departamento de Promoção Comercial (Depcom), da Embaixada da República Tcheca no Brasil, da Embaixada do Brasil na República Tcheca e da Adidância Militar do Brasil na República Tcheca. Também compareceram, a Associação Brasileira das Indústrias de Materiais de Defesa e Segurança (Abimde), o Sindicato Nacional das Industrias e Materiais de Defesa (Simde) e a Associação da Indústria Aeroespacial Tcheca, além de empresas de ambos os países.

Para o secretário de Produtos de Defesa, Rui Chagas Mesquita, o evento representa uma oportunidade única para a indústria de defesa de ambos os países. “Nosso trabalho é colaborar para que a Base Industrial de Defesa brasileira tenha capacidade de atender, com excelência, às necessidades de produtos, serviços e sistemas das nossas Forças Armadas”, afirmou.

Além dos benefícios para a indústria de defesa, a realização do evento também pode trazer benefícios significativos para a sociedade, como o incremento na sustentabilidade empresarial, com a geração de novos postos de trabalho e renda.

A reunião preparatória para o DID Brasil-República Tcheca representa um passo importante na aproximação entre os setores de defesa dos dois países. Com a troca de experiências e a identificação de oportunidades de negócios, a expectativa é que a cooperação bilateral no setor de defesa seja fortalecida, trazendo benefícios tanto para as empresas envolvidas quanto para a sociedade como um todo.

Texto: Assessoria Especial de Comunicação Social (Ascom) – Ministério da Defesa
Fotos: Érico Alves

Artigos Relacionados

Formulação Conceitual dos Meios Blindados do Exército Brasileiro ESTADO-MAIOR DO EXÉRCITO-PORTARIA Nº 162-EME, DE 12 DE JUNHO DE 2019 Documento...

Pela primeira vez no Brasil, foi realizado o reabastecimento em voo (REVO) por helicóptero, foi a chamada Operação MANGA. Na...

Com o objetivo de desenvolver sistemas de alta tecnologia de propulsão e de  aeronaves não tripuladas, está sendo anunciada a...

De todas as novidades da FIDAE 2024, definitivamente a que mais surpreendeu o público não foi a vinda do caça...

A atuação dos drones na guerra entre a Rússia e a Ucrânia mudou os conceitos e doutrinas do atual cenário...

Durante a FIDAE 2024, a Boeing apresentou uma atualização do programa do avião de patrulha marítima P-8 Poseidon e os...

Comentários

7 respostas

  1. Oportunidade para o obuseiro autopropulsado DANA no VBCOAP 155 SR?! Com a crise diplomatica com Israel, provavelmente o Caesar não deve ser barato e o pragmatismo quando aos produtos de defesa Chineses por “N” motivos, seria uma saída, um plano B para a escolha.

    1. Mas o Zuzana 2 não é um produto da Eslováquia? Não entendi a relação com esse acordo com a República Tcheca. Isso está mais para a aquisição do KC-390 pelos Tchecos que fabricam diversos componentes do avião.

      1. Os Tchecos herdaram o mesmo complexo industrial da Eslováquia e estão cooperando junto com eles na disputa, se não me engano.

      2. O Zuzana 2 é fabricado na Eslováquia pela Konstrukta Defense.
        Na concorrência VBCOAP a empresa Tcheca Excalibur está oferecendo o Zuzana 2.
        É parecido com o que a israelense Elbit fez oferecendo o brasileiro Guarani para as Filipinas.

  2. O que o Zuzano II tem de pronto e operacional, em linha de produção, o DITA possui, mas muito melhor e mais moderno. Só não tem, ainda, uma linha de produção.
    Quem sabe essa conversa sirva para futuras evoluções no comércio bilateral militar entre os dois países.
    Idem para o Morana, que basicamente dispõe dos mesmos sistemas que o DITA.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

EM BREVE