Armas do Gripen Brasileiro em vídeo aula.

Artigos Relacionados

Formulação Conceitual dos Meios Blindados do Exército Brasileiro ESTADO-MAIOR DO EXÉRCITO-PORTARIA Nº 162-EME, DE 12 DE JUNHO DE 2019 Documento...

Pela primeira vez no Brasil, foi realizado o reabastecimento em voo (REVO) por helicóptero, foi a chamada Operação MANGA. Na...

O Grupo EDGE, estatal de tecnologia os Emirados Árabes, anunciou que formalizou uma “joint venture” (JV) com a empresa espanhola...

O Exército Brasileiro (EB), por meio da Chefia de Material do Comando Logístico (CMat/CoLog), publicou hoje, dia 04 de março,...

Durante a HAI Heli Expo 2024, que aconteceu no final de fevereiro, nos Estados Unidos, a Safran Electronics & Defense...

Um valor em torno de U$ 400 milhões, resultante de acordo entre o grupo britânico e o Exército da Dinamarca...

Comentários

4 respostas

  1. Saberia dizer se os Gripens brasileiros terão a nova pintura furtiva desenvolvida e patenteada pelo Brasil?

    1. Vamos mais UMA vez desmistificar essa história. Não existe isso de “pintar o avião com tinta furtiva”, nem é isso o que se almeja. O que existe são materiais absorvedores de ondas eletromagnéticas, ou RAM, de Radiation-absorbent material. Esse material deve ser aplicado, se for homologado para tal, em locais específicos de uma aeronave de ataque, por exemplo, para ajudar a diminuir o RCS (radar cross section) da mesma. Em absoluto quer dizer “pintou com a tal tinta fica invisível e vai onde quiser” como alguns desavisados acreditam. Issó é caro, complexo, dominamos parte da tecnologia e, no meu entender, é muito mais efetivo como componente vital em sistemas de contramedidas eletrônicas de emprego naval. Existem duas universidades no Nordeste brasileiro, uma em Pernambuco e outro no Ceará, se não me engano, que produzem para a Marinha um RAM a base de material ferroso melhorado por processo industrial em laboratório.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Disponível

DISPONÍVEL